Braga e os seus cavaquinhos

Conjunto de Cavaquinhos Dr. Gonçalo Sampaio
Grupos de Cavaquinhos de Braga

Agrupamentos e atividades no Concelho

  • Cavaquinhos4ever (Braga)
  • Conjunto de Cavaquinhos Dr. Gonçalo Sampaio
  • Conjunto de Cavaquinhos Henrique Lima Ribeiro
  • Grupo de Cavaquinhos da ATIB – Associação dos Trabalhadores dos Impostos Distrito de Braga
  • Grupo de Cavaquinhos do Sindicato Bancário do Norte
  • Grupo de Cavaquinhos da Academia Sénior Dr. Egas Moniz
  • Grupo de Cavaquinhos da Assoc.Recreat.de Sta Tecla
  • Grupo de Cavaquinhos da Associação Cultural e Recreativa de Dume
  • Grupo de Cavaquinhos da Azeituna (Universidade do Minho)
  • Grupo de Cavaquinhos da Casa do Povo de Tadim
  • Grupo de Cavaquinhos da Casa do Professor
  • Grupo de Cavaquinhos da Fundação INATEL
  • Grupo de Cavaquinhos de Parada de Tibães
  • Grupo de Cavaquinhos de S. Lázaro
  • Grupo de Cavaquinhos de S. Tiago de Esporões
  • Grupo de Cavaquinhos e Cantares da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro
  • Grupo de Cavaquinhos e Cantares do Centro História de Braga
  • Grupo de Cavaquinhos Ecos da Minha Terra
  • Grupo de Cavaquinhos Gualtar
  • Grupo de Cavaquinhos Infantil de Trandeiras
  • Grupo de Cavaquinhos Os Amigos da Casa Estarolas
  • Grupo Infantil de Cavaquinhos da Fundação Bomfim
  • Grupo Infantil de Cavaquinhos da Garapoa
  • Grupo Infantil de Cavaquinhos de Figueiredo
  • Grupo Infantil de Cavaquinhos de S. José de S. Lázaro
  • Orquestra de Cordofones Tradicionais de Braga
Grupo de Cavaquinhos e Cantares do Centro História de Braga

Grupo de Cavaquinhos e Cantares do Centro História de Braga

Grupo de Cavaquinhos da Fundação Inatel

Grupo de Cavaquinhos da Fundação INATEL

Grupo de Cavaquinhos de S. Tiago de Esporões

Grupo de Cavaquinhos de S. Tiago de Esporões

Segundo Gonçalo Sampaio, o cavaquinho é um instrumento que terá a sua origem na cidade de Braga, algures no século XVI. O seu som tão peculiar está presente na música popular minhota, sendo presença obrigatória em qualquer grupo que se proponha representar as tradições desta região.

Em algumas regiões do Brasil é também apelidado de “braguinha” ou de “machete de Braga”. Este facto atesta, não só o fluxo migratório que partiu do Minho para este país no decorrer dos séculos XVIII e XIX, como também o labor dos cordofones na nossa cidade. Até existe uma afinação típica da cidade: Ré-Lá-Si-Mi!
As Festas da cidade de Braga promovem este património.

Fonte: São João de Braga, 2018

Conjunto de Cavaquinhos de Braga

O Conjunto de Cavaquinhos Dr. Gonçalo Sampaio foi formado em 1952 na cidade de Braga, no seio do Grupo Folclórico Dr. Gonçalo Sampaio, grupo etnográfico do Baixo Minho. Em 1936, o Dr. Gonçalo Sampaio e o Prof. Mota Leite, dois ilustres historiadores de etnografia, formaram aquele que é hoje o grupo folclórico mais antigo da cidade de Braga e, dadas provas públicas da qualidade deste, surgiu em 1952 um novo projeto, o Conjunto de Cavaquinhos Dr. Gonçalo Sampaio.

Este conjunto foi criado com o único propósito de reativar o uso deste instrumento, então praticamente limitado aos grupos folclóricos e que bem poucos eram. Surgiu da iniciativa de um grupo de componentes do Grupo Folclórico, sob a orientação artística de Armindo Maia e com o patrocínio do Dr. Valentim de Almeida e Sousa. Este idealizou para uso exclusivo do Conjunto de Cavaquinhos o trajo com que até agora se vem apresentando em público.

Interrompida a sua atividade em princípios da década de 60, foi retomada em princípios da década de 1970 e novamente com imediato sucesso, agora sob a orientação artística de Henrique Lima. Com o falecimento deste em 1985, assume Sá Fernandes – Presidente do Grupo Folclórico Dr. Gonçalo Sampaio – a direção do Conjunto de Cavaquinhos, função que desempenhou até ao seu falecimento em 2012, tendo-lhe sucedido a sua filha na Direcção do Grupo Folclórico e do Conjunto da Cavaquinhos até aos dias de hoje.

Conjunto de Cavaquinhos Dr. Gonçalo Sampaio

Conjunto de Cavaquinhos Dr. Gonçalo Sampaio

É atualmente o Conjunto de Cavaquinhos mais antigo em funções na cidade de Braga, tendo servido de modelo para muitos outros que entretanto se formaram, quer ao nível de repertório, bem como de apresentação, sendo hoje o seu logótipo (exclusivo) utilizado por outras associações.

Braga Capital do Cavaquinho

Em 2018, pelas Festas do São João de Braga, o festival Braga Capital do Cavaquinho reuniu 61 grupos de cavaquinhos ao longo de vinte horas de programação divididas por dois dias, em diferentes lugares, mercado, cafés, centros comerciais, estação e Bom Jesus.

70 Cavaquinhos, 70 Artistas

Depois de Lisboa, a exposição “70 Cavaquinhos, 70 Artistas” esteve em Braga em 2015. A exposição conta com a colaboração de artistas bracarenses, e duas fábricas de instrumentos locais. Da fábrica APC – o maior patrocinador desta exposição – e da fábrica artesanal Artimúsica. E ainda dos construtores: Alfredo Machado, Domingos Machado, José Gonçalves e Horácio Nuno Russel (Vila Verde). Foi graças a estas entidades e pessoas, a que se juntaram construtores de outras partes do país, que foi possível convidar os 70 artistas plásticos e assim realizarmos esta exposição. Desta região podem-se admirar os cavaquinhos intervencionados do Alex Davico, do Mutes, do Vítor
Zapa, do Alberto d’Assumpção, da Cristina Troufa e do Domingos Silva.

O Cavaquinho ensina-se

Para preservar a tradição, o município de Braga decidiu levá-lo para as escolas, onde é ensinado às crianças do primeiro ciclo. Em junho de 2019, era o terceiro ano consecutivo que as aulas de cavaquinho faziam parte da oferta de 18 escolas do primeiro ciclo de ensino básico de Braga, encontrando-se inscritos 345 crianças dos 6 aos 10 anos.