Guarda e os seus músicos

Luís Salomé, saxofonista, da Guarda
Músicos naturais do Concelho da Guarda

Serviço público sem financiamento público, o Musorbis foi lançado em 2020. 

  • Cláudio Vaz (piano)
  • Diogo Santos (piano)
  • Flávia Castro (acordeão)
  • João Monteiro (guitarra)
  • Luís Salomé (saxofone)

Cláudio Vaz

Cláudio Vaz, pianista, da Guarda

Cláudio Vaz, pianista, da Guarda

Cláudio Vaz

Nascido na Guarda a 25 de maio de 1988, Cláudio Vaz iniciou os estudos musicais em 1994 quando frequentou a Escola de Musica do Centro Cultural da Guarda, tendo disciplinas de Formação Musical, Piano e Órgão. Em 1999 prosseguiu estudos no Conservatório de Musica da Guarda onde teve aulas de Piano e de Análise e Técnicas de Composição com Eugénia Paula inicialmente e com o pianista Domenico Ricci mais tarde, Formação Musical com João Pedro Delgado, e ainda Acompanhamento com o pianista Luís Silva e o saxofonista Carlos Canhoto. Concluiu o Conservatório com média de 18.

Em 2000 foi o vencedor do 1o Concurso de Piano do Conservatório da Guarda. Em 2002 realizou concertos a 4 mãos. Participou em ações de formação, oficinas, quais se destacam em 2001 a “Oficina de Etnografia” realizada no Paço da Cultura da Guarda, ou em 2003 “Instrumentos Musicais Populares Portugueses” realizado na Guarda. Participou no “Encontro de Escolas de Música entre Guarda e Porto” organizada pela Fundação Engº António de Almeida no Porto. Em 2005, intitulada como “Peça nº 1”, foi apresentada ao público no Auditório de Conservatório da Guarda a primeira obra escrita por Cláudio Vaz para Piano e Saxofone. Já em 2006 foi a vez de escrever para voz e apresentou na Igreja de Misericórdia da Guarda uma peça para coro de câmara a 4 vozes, à qual deu o nome de “ da Guarda” por se tratar duma homenagem ao monumento. Ainda no seu repertório de obras compostas encontra-se uma Sonata para Piano em Fá maior e uma Fuga a 3 vozes em Ré maior.

É licenciado em Música no Departamento de Comunicação e Artes da Universidade de Aveiro, na área vocacional de Teoria e Formação Musical/Direcção, coordenada pelos professores Vasco Negreiros e Joaquim Branco (Teoria e Formação Musical) e António Vassalo Lourenço (Direcção). Encontra-se neste momento a terminar o Mestrado em Música para o Ensino Vocacional na Universidade de Aveiro, área específica de Formação Musical, tendo como orientador científico Paulo Rodrigues.

Participou em 2008, numa classe de aperfeiçoamento de estudos de Jazz, na área de piano, orientados por Mário Laginha, tendo abordado improvisação e harmonia Jazz.

Desde 2007, tem realizado, em conjunto com Miguel Rodrigues (cantor lírico) vários projetos musicais, que envolvem repertórios de Música Sacra, Música Erudita e Música Popular, onde para além de pianista também executa trabalhos como acordeonista. Estreou em 2008 na praça 5 de outubro em Albergaria-a-Velha, um novo e projeto intitulado “Música na Rua”. No âmbito deste projecto já actuou no evento “Made in Deca” realizado no Grande Auditório do Teatro Aveirense, e também no Conservatório de Águeda, num contexto mais intimista. Em 2009, o grupo (agora denominado CLAMINUS) deslocou-se a França, mais propriamente a Erstein, onde atuou no Festival du Sucre, festival este que contou com a presença de mais de 15.000 visitantes. Este mesmo agrupamento gravou o seu primeiro CD em 2014, intitulado “Inquietudes – retórica musical sobre poemas de Fernando Pessoa”.

Trabalhou como organizador e coordenador musical do grupo de cantares tradicionais “As Camponesas de Aldeia do Bispo” desde 1997, tendo gravado já um CD em 2007, intitulado “À luz da candeia”. Realiza simultaneamente, desde 2007, variados trabalhos na área da Música de Câmara como pianista acompanhador de grupos corais, e instrumentistas solistas, em concursos nacionais e internacionais, exames de Música de Câmara, provas de acesso, classes de aperfeiçoamento. Destacam-se o Concurso de Canto Lírico “Os Rotários”, Concurso nacional de instrumentos de sopro “Terras de La Salette”, Concurso Marília Rocha em Vila do Conde, “Paços Premium” em Paços de Brandão, “Santa Cecília” no Porto, “Concurso Nacional de Música Gilberta Paiva” em Santa Maria da Feira, entre outros. Apresentou-se em Portugal, Espanha, França e Holanda.

É pianista acompanhador no Conservatório de Música de Águeda, na escola de Artes da Bairrada e no Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro. Foi pianista acompanhador no Conservatório Calouste Gulbenkian de Aveiro, na Academia de Música da Feira e no curso Profissional do Conservatório de Música da Jobra.

A nível pedagógico, foi docente na Escola de Música Filarmónica União de Oliveira do Bairro (2008/2009), trabalhando como pianista acompanhador, professor de Formação Musical, e orientador do Coro Infantil. Ainda neste ano, representou Portugal juntamente com Nuno Silva (Trompetista aluno de Mestrado na Universidade de Aveiro), no IP Groningen (Intensive Project em Groningen) na Holanda, onde participou em imensos workshops de pedagogia, e atividades performativas com Pedagogos de Leipzig (Alemanha), Malmö (Suécia), Oslo (Noruega), Tallin (Estónia), Groningen (Holanda) e Aveiro (Portugal). Ao abrigo deste projeto realizou variados concertos no Prince Claus Conservatorium e leccionou em Zernike College school.

Em Março de 2011, fez parte da organização deste mesmo evento, desta vez realizado em Portugal, onde vários alunos de mestrado de universidades europeias puderam lecionar nos conservatórios portugueses. Lecionou Formação Musical e Pré-iniciação na Academia de Música da Feira e no conservatório de música da Jobra. Leciona, desde 2009, a disciplina de Formação Musical no Conservatório de Música de Águeda.

Luís Salomé, natural da Guarda, iniciou os seus estudos musicais na Banda Filarmónica de Pínzio, tendo, mais tarde, prosseguido os seus estudos de saxofone no Conservatório de Música de S. José da Guarda, na classe de Carlos Canhoto. Posteriormente ingressou na Licenciatura em Música da Universidade do Minho, na classe de  Luis Ribeiro. Atualmente frequenta o mestrado na classe de Vincent David, no Conservatoire Royal de Bruxelles.

Diogo Santos

Diogo Santos nasceu a 11 de Março de 1996 na Guarda e mudou-se para Leiria aos 2 anos. Demonstrou a sua paixão pela música desde cedo, aos 10 anos começou a estudar piano autonomamente e aos 11 anos entrou no Orfeão de Leiria Conservatório de Artes.

Começou a estudar piano com Luí­s Batalha com o qual permaneceu por dois anos, estudou um ano com Sérgio Gonçalves e quatro com Rui Daniel da Silva. No primeiro ano de estudos no Orfeão de Leiria conquistou o primeiro lugar na categoria de piano no “Concurso Jovens Talentos”. Nos anos seguintes conquistou mais um primeiro prémio, um segundo e um terceiro.

Fora da sua escola conquistou também alguns prémios nacionais: obteve um primeiro, um terceiro e uma menção honrosa no Concurso Nacional do Conservatório de Ourém e Fátima.

Tocou pela primeira vez com orquestra aos 17 anos tendo interpretado a “Rhapsody in Blue” de George Gershwin com a Orquestra de Sopros do Orfeão de Leiria no dia 21 de Junho de 2013 e também com o quarteto de saxofones Quartones no Centro Cultural e de Congressos de Aveiro e no Conservatório Nacional do Porto durante o verão de 2013.

Para além de piano também estudou violoncelo com Ângela Carneiro tendo completado o 2º grau.

Compôs também algumas obras para piano, música de câmara e para orquestra. Já frequentou masterclasses com os professores Fausto Neves, Álvaro Teixeira Lopes, Rudolfo Rubino e Nancy Lee Harper.

É licenciado em Piano pela Universidade de Aveiro.

Flávia Castro

Flávia Castro, acordeonista, é natural da Guarda. Terminou o Curso Superior em Musikene (Centro Superior de Música del País Vasco, Espanha), na classe do professor Iñaki Alberdi.

Frequenta o mestrado de Ensino de Música no Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Fez parte do júri no Concurso “Trophée Mondial de l’accordeon” em 2023. Como intérprete, estreou uma obra contemporânea de Irati Alonso (Tabakalera – Espanha); em teatro, colaborou com o Teatro das beiras “Operários da Utopia”, com orquestra realizou um concerto com a Orquestra Scutvias; Orquestra de Sopros da EPABI.

Premiada em diversos concursos, tais como, 1º prémio e o prémio de melhor intérprete no Concurso FoleFest (2016), 1º prémio na 5ª edição (2019) do Concurso Nacional de Acordeão e Guitarra Portuguesa, 1º prémio no Concurso Interno (EPABI, 2018), 2º prémio na 3ª edição (2018) do Concurso Nacional de Acordeão e Guitarra Portuguesa, 2º prémio na edição do Concurso FoleFest na categoria de música de câmara (2018), 3º prémio na edição do concurso nacional de Acordeão e Guitarra Portuguesa, 3º prémio no Concurso FoleFest (2018), 3º prémio na edição do Concurso FoleFest na categoria de Música de Câmara (2017).

Realizou diversos concertos a solo, abertura da 7ª edição do SIAC ( Simpósio internacional de Arte Contemporânea, Guarda) na Gala de Entrega de Prêmios Vinduero – Vindouro (Pinhel), Concerto no Festival Internacional de Música de Verão (Paços de Brandão), Sentidos e Sons do Falcão (Pinhel), Comemoração do Dia da Mulher (Covilhã), Concerto Laureados (Salão Nobre da Câmara Municipal da Covilhã), Concerto de Laureados Folefest (Le Foyer) Recital de Acordeão (Castelo Branco), entre outros. Além destes, realizou também vários concertos com grupos de Música de Câmara.

Realizou várias classes de aperfeiçoamento com Paulo Jorge Ferreira, Claudio Jaccomucci, Bayan Quartet, An Raskin, Gorka Hermosa, Veli Kujala, Stefan Husson, Pascal Content.

É professora no Conservatório S. José da Guarda, Conservatório de Ferreirim, Academia de Trancoso e no Centro de Formação Musical de Mêda.

João Monteiro

João Monteiro, guitarrista, nasceu na Guarda e iniciou a sua aprendizagem de guitarra com o seu pai Francisco Monteiro, com 4/5 anos de idade.

Concluiu os estudos na Escola C+S São Miguel, com 14 anos, onde obteve o 9° ano de escolaridade.

Ingressou no ano letivo de 2008/2009 na Escola Profissional de Artes da Beira Interior onde fez dois cursos ligados a Interpretação Musical, terminando em 2014, sob orientação dos professores Cidália Fernandes, Edgar Petejo, Zaira Rodriguez e Pedro Gonzales, em Guitarra Clássica.

Ainda em 2014, ingressou no Prins Claus Conservatorium em Groningen, Paises Baixos, dando início à licenciatura de Música Erudita, sob orientação dos professores Sabrina Vlaskalic e finalizando o curso com Goran Krivokapic.

Durante o seu percurso musical realizou mais de 40 classes de aperfeiçoamento sob orientação de Leo Brouwer, Carlo Marchione, Costas Cotsiolis, Zoran Dukic, Aniello Desiderio, John Miles, Alvaro Pierri, Manuel Barrueco, entre outros.

Atuou em diversos palcos nacionais e internacionais como: José Atalaya (Fafe, Portugal), Centro Cultural de Amarante (Portugal), Cine-Teatro Covilhã (Portugal),Teatro Municipal da Guarda T.M.G , Concertgebouw (Amsterdam, Holanda) Oosterpoort (Groningen Holanda) Rheinische Philharmonie (Koblenz. Alemanha), Fundacion de Flamenco (Barcelona),entre outros.

Realizou diversos festivais de guitarra pela Europa, tendo sido premiado nos concursos realizados. Realizando também concertos em cafés literários e em pequenos eventos.

Como atividade profissional, lecionou aulas de guitarra clássica e formação musical no N.D.S. Guarda, Banda da Covilhã e aulas a título particular, e lecionou no Centro Cultural de Haren na Holanda.

Em 2022 realizou projeto de um estúdio/academia de música na própria cidade, Mezzo Ars.

É professor de música e Guitarra Clássica na Academia de Música de Trancoso no Centro de Formação Musical de Mêda e no Mezzo Ars Studio. Também é concertista a solo e música de câmara.

Luís Salomé

Natural da Guarda, o saxofonista Luís Salomé ganhou o segundo prémio no IV Concurso de Sons da Cabral na quarta categoria em 2016. Obteve ainda o segundo prémio no Concurso Internacional de Saxofone Buffet Crampon na categoria C em 2017. No ano de 2019 ganhou o primeiro prémio do Concurso S. Cecília na Universidade do Minho. Ganhou o segundo prémio no Concours International Leopold Bellan em 2020.

Frequentou classes de aperfeiçoamento orientadas pelos professores Antonio Belijar, Arno Bornkamp, Carl-Emmanuel Fisbach, Carlos Gontijo, Fernando Ferreira, Jérôme Laran, João Pedro Silva, Marcus Weiss, Otis Murphy, Philippe Portejoie e Tomás Munera e no âmbito da música de câmara com Morphing Quatour e Omar Zoboli.

Frequentou o workshop de Eletroacústica em ambiente Pure Data, orientado por João Pais em 2013. Participou em várias edições do Festival de Música da Beira Interior, tocando a solo com a orquestra do Conservatório Guarda e participou ainda nos concertos do evento Projetar o Futuro com Arte, durante o festival Dias da Música em Belém. Frequentou dois estágios de orquestra sinfónica sob a direção do maestro Francesco Bellí com concertos na ESPROART e na Casa da Música em 2012. Participou com a orquestra EURO Sax 100 no SaxOpen em Estrasburgo, mais tarde com o Quarteto SaxUm e com o Ensemble de Saxofones da Universidade do Minho no EurSax no Porto e ainda com o Quinteto Quimera no Congresso Mundial de Saxofone em Zagreb.

Apresentou-se a solo no Teatro Aveirense, num concerto integrado no Aveiro_Síntese 2018. Participou ainda no projeto “Sente-me, Ouve-me, Vê-me” inserido na BoCA 2019 com concertos no Teatro São Carlos em Lisboa, Casa das Artes do Porto e Museu D. Diogo de Sousa em Braga.

É membro fundador do Merus Ensemble (ensemble de saxofones) e ainda do Hodiernus Ensemble (dedicado à música contemporânea). Faz parte do Belgian Saxophone Choir.

Luís Salomé

Luís Salomé, saxofonista, da Guarda

Luís Salomé, saxofonista, da Guarda

Queres destacar-te? Clica AQUI.

Destaca-te no Musorbis

Destaca-te no Musorbis