Tag Archive for: música em Sesimbra

Temporada de Música da Casa de Ópera do Cabo Espichel
Festivais de Música em Sesimbra

Ciclos, encontros, temporadas e festivais de música e dança no Concelho

Temporada de Música da Casa de Ópera do Cabo Espichel

Inspirada na antiga Casa de Ópera que existiu no Cabo Espichel, e por onde chegaram a passar grandes companhias italianas, a Temporada de Música está de regresso ao concelho em março e abril, com orquestras de renome, vozes de inegável beleza, novos compositores e jovens músicos. O destaque da XV edição é a presença do carrilhão Lvsitanvs, o maior carrilhão itinerante do mundo, composto por 63 sinos, que vai ouvir-se no Largo 5 de outubro e no Parque da Vila, no dia 5 de abril. Destaque ainda para as atuações da Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra Clássica do Centro e Orquestra Sinfónica Juvenil. Mais uma vez, parte dos espetáculos acontecem em locais de interesse patrimonial, como as igrejas de Nossa Senhora do Cabo Espichel, Nossa Senhora da Consolação do Castelo e Matriz de Santiago. Ao longo de mais de uma década, a Temporada apresenta no concelho os maiores intérpretes de música clássica nacionais e atraiu muito público, não só entendido, mas também aquele que teve, desta forma, a oportunidade de conhecer este género musical, e que se tornou presença assídua nestes concertos.

Clique AQUI para ver o programa.

Temporada de Música da Casa de Ópera do Cabo Espichel

Temporada de Música da Casa de Ópera do Cabo Espichel

Super Bock Super Rock

Sítio: www.superbocksuperrock.pt

O Super Bock Super Rock (26ª edição em 2022) é um festival de música de verão realizado anualmente em Portugal. É organizado desde 1995 e é, atualmente, um dos mais importantes festivais portugueses. Começou por se realizar na Gare Marítima de Alcântara, em Lisboa. Entre 2010 e 2014, realizou-se no Meco, em Sesimbra, o que veio dar ao festival citadino uma nova imagem, mais descontraída, então perto da praia. Em 2015 deu-se o seu regresso a Lisboa, ao Parque das Nações. Em 2019, o festival regressou ao Meco.

Super Bock Super Rock

Super Bock Super Rock

Associação Cultural e Desportiva da Cotovia
Escolas de Música em Sesimbra

Estabelecimentos do ensino de música no Concelho. Em geral, as bandas filarmónicas também possuem a sua escola de música: veja ao fundo informação sobre as bandas de música do Concelho.

Associação Cultural e Desportiva da Cotovia

Rua da Cotovia, 26
Cotovia
2970-836 Sesimbra
Tel. (+00 351) 212 687 252
Tlm. (+00 351) 912 233 292
Correio eletrónico: acdcotovia@gmail.com

O projeto Associ’Art, com desenvolvimento na nossa Associação, pretende em parceria com os artistas no concelho, partilhar um espaço onde os mesmos podem apresentar o seu trabalho dentro da área da artes plásticas, musicais, pintura.

Associação Cultural e Desportiva da Cotovia

Associação Cultural e Desportiva da Cotovia

Anacrusa

R. Dom Pedro V, lote 2103
2975-363 Quinta do Conde

Sociedade Musical Sesimbrense

Av. 25 de Abril, 14
2970-740 Sesimbra
Tlm. (+00 351) 961 171 727

Grupo Folclórico e Humanitário do Concelho de Sesimbra
Folclore em Sesimbra

Grupos etnográficos, tradições e atividades no Concelho

  • Estremadura (Estremadura Sul)
  • Distrito: Setúbal
Grupo Folclórico e Humanitário do Concelho de Sesimbra

O Grupo Folclórico e Humanitário do Concelho de Sesimbra foi fundado a 23 de Outubro de 1993 com duas funções completamente distintas: a primeira é a recolha e preservação das tradições populares, usos e costumes, danças e cantares do Concelho de Sesimbra e sua região; a segunda função destina-se a colaborar com o Instituto Português do Sangue e da Transplantação, IP, na organização de recolhas de dádivas benévolas de sangue, ajudando doentes hospitalizados, sendo filiado na FEPODABES – Federação Portuguesa de Dadores Benévolos de Sangue.

Através de ações de recolha e consulta popular na década de 1980, promovidas pelos primeiros folcloristas da freguesia da Quinta do Conde, foi possível recolher algumas histórias, danças e cantares, trajes e apetrechos na vila de Sesimbra, nas aldeias da freguesia do Castelo e nas aldeias de Azeitão.

No seu reportório constam também danças e cantares recolhidos pelos etnógrafos Michel Giacometti e pelo Dr. José Alberto Sardinha, assim como pela Associação Gaita-de-Foles nesta região. Algumas danças e cantares foram aprofundadas mais recentemente através de pesquisa e investigação bibliográfica, bem como através de algumas entrevistas a anciãos das aldeias do concelho. Tem recebido também esclarecimentos e apoio técnico do Rancho Etnográfico de Danças e Cantares da Barra Cheia sobre recolhas efetuadas em diferentes momentos pelo maestro setubalense Celestino Rosado Pinto nos finais do séc. XIX e inícios do séc. XX e que foram recuperadas e transcritas por sua filha, Maria Adelaide Rosado Pinto, no livro «𝑻𝒐𝒂𝒅𝒂𝒔, 𝑪𝒂𝒏𝒕𝒂𝒓𝒆𝒔 𝒆 𝑫𝒂𝒏𝒄̧𝒂𝒔 𝒅𝒆 𝑺𝒆𝒕𝒖́𝒃𝒂𝒍 𝒆 𝒔𝒖𝒂 𝑹𝒆𝒈𝒊𝒂̃𝒐 – 𝑭𝒂𝒄𝒕𝒐𝒔 𝒆 𝑻𝒓𝒂𝒅𝒊𝒄̧𝒐̃𝒆𝒔» publicado em 1971.

Os seus trajes são réplicas das formas de vestir e dos ofícios da comunidade piscatória e dos trabalhadores rurais, assim como dos momentos religiosos existentes no concelho de Sesimbra e na sua região.

Desde 2018 que, ao aprofundar as recolhas que possui, através de novas pesquisas, o Grupo Folclórico e Humanitário tem assumido um papel importante na preservação das tradições populares do concelho de Sesimbra e sua região, dando um importante contributo para preservação da memória coletiva das gentes que nesse território habitam. Com o objetivo de salvaguardar o património material e imaterial do concelho de Sesimbra e sua região, tem proporcionado espetáculos e representações etnográficas reforçando o seu sentido pedagógico à comunidade local, principalmente à mais novas gerações.

Grupo Folclórico e Humanitário do Concelho de Sesimbra

Grupo Folclórico e Humanitário do Concelho de Sesimbra

Grupo Folclórico e Humanitário do Concelho de Sesimbra

Grupo Folclórico e Humanitário do Concelho de Sesimbra

Banda da Sociedade Musical Sesimbrense
Filarmónicas de Sesimbra

Bandas de Música, história e atividades no Concelho

Sociedade Filarmónica Sesimbrense

Em 1878 um músico amador de nome Cerveira promoveu a formação de uma orquestra em Sesimbra. Contudo com saídas e substituições foi-se desintegrando e em 1892 acabaria. Em 1900 surgiu o agrupamento conhecido pela Banda do Rumina que viria também a acabar.

Em 1913, Augusto Vidal, antigo músico da Banda do Rumina, ativou com outros elementos da mesma banda, a criação de um novo agrupamento, independente de qualquer associação. Foi fundada em 1914 a Sociedade Musical Sesimbrense, com uma filarmónica de 24 executantes.

SFS

Sociedade Filarmónica Sesimbrense

Sociedade Filarmónica Sesimbrense

Desde então, Coletividade e Banda têm-se mantido em atividades persistentes de âmbito recreativo e musical, contando sempre com valorosos músicos sesimbrenses, alguns de elevada craveira, como foram entre outros Plínio mesquita, Elias Correia e António da Cruz.

Foram regentes António Manuel Ferreira, Capitão Rebelo, Grazina e António da Cruz e os dirigentes Adelino José de Carvalho e Amélio Caleiro.

A BFS foi a primeira banda civil a atuar na antiga Emissora Nacional. Em 1945, obteve o 1º lugar no concurso distrital de bandas civis de segunda categoria, em Setúbal, sob a regência de António da Cruz. Em 1992, participou no 5º Encontro Nacional de Bandas, em Portalegre. Em 1993 deslocou-se a Tomar, para o 3º Encontro Nacional de Bandas Civis, sob a regência do maestro José Joaquim Araújo.

A BFS é Pessoa Coletiva de Utilidade Pública. Em 1996, a Câmara Municipal de Sesimbra concedeu-lhe a Medalha de Mérito Municipal grau Prata. Com o regente José Marques, a Banda participou em vários encontros de bandas: Alter do Chão, Tomar, Almada, Tavira e Borba. Em 1998, deslocou-se a Alteia em Espanha, numa confraternização do Projeto Estrela da Europa. Em 2000, apresentou-se em Estrasburgo, num concerto no Parlamento Europeu, sob a regência de Vitor Cravo. Atualmente a Banda é regida pelo maestro Francisco Santos, que é também o responsável pela Escola de Música da Sociedade.

SFS

Banda da Sociedade Musical Sesimbrense

Banda da Sociedade Musical Sesimbrense

Igreja de Nossa Senhora do Cabo (Espichel)
Órgãos de tubos do concelho de Sesimbra [1]

De acordo com as informações disponíveis, existem órgãos de tubos nas seguintes igrejas do Concelho:

Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel

Igreja de Nossa Senhora do Cabo (Espichel)

Igreja de Nossa Senhora do Cabo (Espichel)

A Igreja ou Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel é um edifício de arquitetura religiosa. Situada de costas para o mar, foi iniciada em 1701 e sagrada em 1707. O interior da igreja é decorado com mármores coloridos e um teto pintado em arquitetura perspetivada, da autoria de Lourenço da Cunha (1740). De cada lado da igreja há uma fila de alojamentos para peregrinos, chamados Casa dos Círios ou simplesmente Hospedarias, que formam o terreiro ou arraial. No seu início ergue-se um cruzeiro, local onde começa verdadeiramente o Santuário. Junto à igreja fica a ermida da Memória, um pequeno templo implantado na escarpa do promontório, com silhares de painéis de azulejos azuis e brancos historiados, do séc. XVIII. No exterior encontram-se dois registos azulejares, muito degradados. Junto às hospedarias ficam as ruínas da Casa da Ópera. Fora do espaço propriamente dito do Santuário de Nossa Senhora do Cabo, mas ainda dentro do conjunto, encontram-se a Casa da Água e o Aqueduto do Cabo Espichel, edificações muito importantes para o Santuário pois levavam até este água potável.

No interior da igreja, no coro alto, do lado da Epístola, encontra-se um órgão com características de finais do séc. XVIII/princípios do séc. XIX, eventualmente feito na oficina de Joaquim António Peres Fontanes, em 1742. Foi restaurado em 1810 por organeiro desconhecido. Foi restaurado em 2009 por António Simões.

Órgão do Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel

Órgão do Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel, antes do restauro