Igreja Matriz de Albergaria-a-Velha
Órgãos de tubos do concelho de Albergaria-a-Velha

Possuindo dois órgãos de tubos, Albergaria-a-Velha tem condições para a prática do órgão e a realização de concertos. Albergaria esteve incluída no Ciclo Jovens Organistas, promovido pela Associação Musical Pro Organo (AMPO), nas Igrejas da Santa Casa da Misericórdia de Aveiro, Aradas, Vagos, Albergaria-à-Velha, Mafra, Ançã e Museu de Santa Joana de Aveiro.

De acordo com as informações de que dispomos, os órgãos de tubos existentes no concelho são os seguintes:

Igreja Matriz de Albergaria-a-Velha

[ Igreja Paroquial ] [ Santa Cruz ]

Igreja Matriz de Albergaria-a-Velha

Igreja Matriz de Albergaria-a-Velha

A construção seiscentista foi encetada por ordem de D. Pedro II em 1668. A sua construção teve início apenas no ano de 1692 e em 1695 assinala-se a conclusão da mesma. Em 1759 um violento incêndio, provocado por um foguete mal lançado, destruiu grande parte do templo, escapando apenas as paredes, o altar-mor e algumas imagens. Desde a sua reconstrução em 1760 até aos dias de hoje, sofreu várias obras de conservação e ampliação, as ultimas em 1996.
Na igreja se verificam diversas correntes estéticas e artísticas com destaque para o período barroco. Na capela-mor encontra-se um cenográfico retábulo de talha dourada do séc. XVII-XVIII, que se insere no barroco pleno ou barroco nacional. O estilo rococó também marca a sua presença neste templo.

Capela de Nossa Senhora da Alegria

Montra do órgão

Órgão da Capela de Nossa Senhora da Alegria

Consola

Órgão da Capela de Nossa Senhora da Alegria

Órgão da Capela de Nossa Senhora da Alegria

Enquadramento

Órgão da Capela de Nossa Senhora da Alegria

Órgão da Capela de Nossa Senhora da Alegria

A Capela de Nossa Senhora da Alegria (reconstruída e ampliada há pouco tempo), no lugar de Albergaria-a-Nova, freguesia e paróquia da Branca, concelho de Albergaria-a-Velha, adquiriu um órgão usado no final de 2016, montado pela Oficina e Escola de Organaria (Esmoriz). Trata-se de um instrumento dinamarquês de Jydsk Orgelbygger de 1967. (Pedro Guimarães)

 

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *