Adelaide Ferreira, cantora, de Alcanena
Músicos naturais do Concelho de Alcanena

Projeto em desenvolvimento, o Musorbis aproxima os munícipes e os cidadãos do património musical e dos músicos do Concelho.

  • Adelaide Ferreira (cantora, 1959)
  • Carlos Silva (compositor litúrgico, 1928-2009)
  • João Carlos Chavinha Roque (regente)
  • Mila Ferreira (cantora)

Adelaide Ferreira

Adelaide Ferreira, cantora, de Alcanena

Adelaide Ferreira, cantora, de Alcanena

Carlos Silva

Carlos Silva, padre, compositor, de Alcanena

Carlos Silva, padre, compositor, de Alcanena

Mila Ferreira

Mila Ferreira, cantora, de Alcanena

Mila Ferreira, cantora, de Alcanena

Carlos Silva

Natural de Minde, concelho de Alcanena, entrou para o Seminário de Leiria em Outubro de 1939, terminando o curso de Teologia em 1950. Foi ordenado sacerdote em 7 de Outubro de 1951. Frequentou o Instituto Pontifício de Música Sacra, em Roma, onde obteve a licenciatura em Canto Gregoriano.

Na sua longa vida sacerdotal trabalhou no Seminário de Leiria, de outubro de 1955 a setembro de 1996, onde foi educador e professor de muitas gerações de sacerdotes. Em 1976 foi nomeado cónego da de Leiria, igreja em que regia o respetivo coro e conduzia a animação musical das celebrações litúrgicas.  Exerceu ainda as tarefas de diretor diocesano da Obra Pontifícia da Propagação da Fé, de professor de Religião e Moral no Liceu Nacional de Leiria, de conselheiro espiritual das Equipas de Nossa Senhora e assistente do Movimento dos Cursos de Cristandade, integrando o Secretariado Diocesano de Liturgia.

Dotado de notável sensibilidade e talento musical, compôs muitos cânticos para a liturgia que distribuía pelos cantores e dava generosamente a quem lhe pedia. Uma parte substancial das suas obras musicais foi reunida no livro “Orar Cantando”, publicado em 2001, pelo Secretariado Nacional de Liturgia. Com a sua criatividade e dotes musicais, o Cónego Carlos Silva cantou e ensinou a cantar os louvores de Deus, empenhando-se em promover em todos os fiéis uma participação ativa, consciente e frutuosa nas celebrações litúrgicas. Carlos Silva foi autor de inúmeros cânticos litúrgicos e regente do canto da assembleia do Santuário de Fátima durante muitos anos.

Pelo 10º aniversário da sua morte, o Santuário da Fátima prestou homenagem ao Cónego Carlos Silva. No sábado correspondente, o Santuário adotou um programa musical recuperando algumas das suas composições. “A melhor evocação e homenagem que podemos prestar-lhe é cantar os seus cânticos, pois estando já na presença de Deus, cantando os seus louvores, permanece também vivo nas suas composições”, referiu uma nota da Reitoria. O cónego Carlos Silva faleceu com 80 anos, a 16 de fevereiro de 2009, na Casa Sacerdotal do Clero de Leiria-Fátima.

BANDAS FILARMÓNICAS

Sociedade Musical Mindense

pelo testemunho de pessoas idóneas e escritos depreende-se que a SMM é mais que centenária. 25 de outubro de 1915 será a data do seu “batismo” com este nome. SMM apresentou-se inicialmente com 26 elementos e todo o seu instrumental foi oferecido por um benemérito mindrico de nome Justino Guedes. Formou-se no ano seguinte à sua fundação uma Comissão Executiva constituída pelos maiores valores da nossa terra como industriais, o pároco, o regedor, o farmacêutico, entre outros.

Participou em vários concursos, a nível regional e até mesmo nacional, destacando-se o 1º Prémio no Concurso de Bandas Civis do Distrito de Santarém (realizado em 1950), 1º Prémio de Bandas de I Categoria do Distrito de Santarém (1969). Também em 1969 atuou na Rádio Televisão Portuguesa, participou no Concurso Nacional da FNAT, onde esteve presente na Final, ficando em 5º lugar.

Um momento para recordar na memória de muitos foi a sua deslocação em 1987 a França, onde realizou vários concertos na Zona de Lavelanet, com a colaboração de emigrantes lá residentes, bem como com a Secretaria de Estado da Cultura. Atuou cinco vezes na última grande exposição do século – EXPO ’98 – desfilando nas mais importantes avenidas do Parque das Nações. No último dia da exposição, participou na Peregrinação.

Em 2002, a Direção organizou uma homenagem ao seu maestro de há 25 anos, João Marcelino dos Santos, que contou com a presença de 400 pessoas, onde foi feita a passagem de testemunho para o novo maestro João Carlos Chavinha Roque Gameiro, natural da vila de Minde tendo principiado os estudos musicais na Sociedade Musical Mindense. Contou com um sacerdote (Padre Mário Marque dos Anjos) a comandar o seu destino – Presidente da Direção, mais de 40 anos, sempre no ativo. Conta com cerca de 53 músicos, todos naturais e residentes em Minde, em que a média de idades ronda os 18 anos.

Possui a Medalha de Ouro e Mérito do Concelho de Alcanena, oferecida pela Câmara Municipal, aquando das Comemorações das Bodas de Diamante. A SMM possui estatutos aprovados desde 9/3/1977. Fez escritura dos mesmos em 22/1/1977 na sua sede. Encontra-se registado no Diário da República nº 57 III Série do dia 9/3/1977. Tem sede própria. É Instituição de Utilidade Pública.

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *