Sociedade Filarmónica Olhalvense
Filarmónicas do Concelho de Alenquer

História e atividades filarmónicas no Concelho

[ No que se refere às filarmónicas, o projeto Musorbis está apenas a começar, sendo previsível que até ao final do ano todas as bandas possam estar na plataforma. O processo pode ser acelerado com a cooperação dos interessados no que se refere a historiais e fotografias em falta. ]

  • Sociedade Filarmónica Olhalvense
  • Sociedade União Musical Alenquerense
Sociedade Filarmónica Olhalvense

A Sociedade Filarmónica Olhalvense é umas das mais antigas coletividades do Concelho de Alenquer, distrito de Lisboa. Oficialmente fundada em 30 de novembro de 1918, a SFO conta com uma história rica em atividades culturais e desportivas que ao longo de 90 anos de existência têm feito de Olhalvo palco de grandes acontecimentos culturais e desportivos. Conta com mais de meio milhar de associados.

A Banda Filarmónica foi a razão para a fundação da Sociedade. Dirigida pelo maestro Edgar Rafael Quintela Nogueira, conta com mais de 60 músicos na grande maioria jovens da freguesia mas também com jovens de freguesias vizinhas. Incluída na Banda está a Escola de Música da SFO que conta com mais de meia centena de alunos, com diversos professores e instrumentos. A SFO conta ainda com o Rancho Folclórico e Etnográfico com 30 anos de atividade (que conta com os grupos infantil e adulto). Na história da Sociedade filarmónica Olhalvense está também o desporto, o futebol, hóquei em Patins e BTT.

Em 2018 celebrou-se o centenário da Sociedade Filarmónica Olhalvense com a presença do Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa. Nas últimas décadas, SFO trouxe a Olhalvo os Delfins, Despe e Siga, Quinta do Bill, Sitiados, Tony Carreira, entre outros. Sinónimo de Sociedade Filarmónica Olhalvense é também o Carnaval do Zé Povinho que com o Corso pelas ruas de Olhalvo e os bailes e matinés na SFO fazem a festa durante 5 dias. Compete também à Sociedade Filarmónica Olhalvense a organização (de 3 em 3 anos) da Festa de Olhalvo.

Sociedade Filarmónica Olhalvense

Sociedade Filarmónica Olhalvense

Sociedade União Musical Alenquerense

A Sociedade Philarmónica Operária Alenquerense foi criada a 01 de dezembro de 1890. A sua história torna-se mais clara a partir de 1 de dezembro de 1909, altura em que a Sociedade passou a denominar-se Sociedade de Instrução e Recreio que em 1924, viria a mudar a denominação para Sociedade Filarmónica de Alenquer. Esta sociedade daria lugar em 8 de janeiro de 1949 à atual Sociedade União Musical Alenquerense – SUMA, depois de uma curta passagem pela Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alenquer. O livro “Memórias da Arcada” retrata os primeiros 118 anos da SUMA.

Participou em diversos concertos e encontros de bandas de música em diversos pontos do país. Destacam-se as atuações em 1996 e posteriormente em 2000 nas Ilhas Açorianas do Faial e do Pico, em intercâmbio com a Banda da Sociedade Filarmónica Recreio Santamarense, de Santo Amaro do Pico, e ainda o convite para atuar na Radiotelevisão Portuguesa. A nível internacional conta com uma deslocação a França, a Lyon, em 1981. Deu um concerto no Centro Cultural de Belém a 27 de junho de 2009 a convite da EDISOFT e um concerto no Teatro da Trindade em 27 de novembro de 2016 a convite da Fundação INATEL. Tem a sua sede na vila de Alenquer, em frente ao Parque Vaz Monteiro. É dirigida pelo Maestro Nelson Jesus e mantém em funcionamento, para além da Banda Filarmónica com 69 instrumentistas, uma Banda Juvenil com 37 executantes, um Ensemble de Sopros com 10 elementos e uma Escola de Música, com mais de 50 jovens.

SUMA

SUMA

Sociedade União Musical Alenquerense