Grupo Filarmónico Nossa Senhora das Mercês da Casa do Povo da Feteira

Filarmónicas de Angra do Heroísmo

História, bandas de música e atividades

Filarmónica do Espírito Santo da Casa do Povo de São Bartolomeu

A Filarmónica do Espírito Santo da Casa do Povo de São Bartolomeu foi fundada oficialmente em 1905. Porém, em 1900 havia já registo de um grupo organizado de músicos que praticavam esta atividade. Do seu curriculum constam as seguintes participações na Ilha terceira, S. Jorge, Pico; 1991, Faial, Flores. Realizou intercâmbios com a Banda Musical Alegretense, Alegrete – cidade de Portalegre, a Filarmónica “Minerva” – ilha de S. Miguel e Banda Maceirense, Maceira Leiria. Em 2005, celebrou e festejou o seu 100.º Aniversário. Participou em desfiles de rua, concertos, marchas de S. João, touradas de praça. Efetuou atuações nas Festas Concelhias da Praia da Vitória – desfiles de rua e marchas de S. João.

Filarmónica do Espírito Santo da Casa do Povo de São Bartolomeu

Filarmónica do Espírito Santo da Casa do Povo de São Bartolomeu

Na ilha do Pico participa nas festas da freguesia, em desfiles, cortejos de abertura de festas, pezinhos, bodos de leite. Atua em procissões e em Coroações realizadas nas Festas do Divino Espírito Santo. Tem cerca de 40 músicos, a maioria jovens. Costuma efetuar uma média de 15 a 20 atuações anuais. É dirigida, desde 2017, pelo maestro Paulo Azevedo, natural da Conceição, Angra do Heroísmo, que frequentou o Conservatório Regional desta cidade, integrou a Banda Lira Açoriana como musico e foi responsável pelo ensino de Música na Fanfarra Gago Coutinho e Sacadura Cabral.

Filarmónica do Sagrado Coração de Jesus

A Filarmónica do Sagrado Coração de Jesus, da freguesia dos Altares, foi fundada em 1879 e possui sede inaugurada em 1949. Mantém escola de música a funcionar regularmente, há cerca de 45 anos, e participa em diverss manifestações culturais da ilha Terceira. Possui cerca de 23 elementos no seu efetivo e, aproximadamente, dezena e meia de alunos. Em 2000, deslocou-se à Ilha das Flores, a fim de participar nas Festas da Semana do Emigrante. De passagem pela ilha do Faial, efetuou um concerto na Praça do Infante da cidade da Horta, primeira atuação fora da ilha Terceira.

Em 2000 recebeu, durante as Festas de Nossa Senhora de Lurdes dos Altares, a Banda Filarmónica de Alvega – concelho de Abrantes – no âmbito dum intercâmbio que continuou no ano de 2001, com a deslocação da Filarmónica do Sagrado Coração de Jesus a Alvega. Em 2004, celebrou 125 anos de existência. Em 2008, deslocou-se à ilha de S. Miguel, freguesia de Faial da Terra, no decorrer das festas de Nossa Senhora da Graça.

Participa nas procissões da freguesia, impérios do Divino Espírito Santo, festa de natal e do dia da freguesia, que tem lugar no mês de julho. Acompanha as tradicionais marchas de S. João e participa nos desfiles de filarmónicas que, habitualmente, ocorrem nas grandes festividades da Ilha – Sanjoaninas e Festas da Praia.

Filarmónica Nossa Senhora do Pilar

A Filarmónica Nossa Senhora do Pilar das Cinco Ribeiras é uma banda jovem, fundada em 1987. tendo como como primeiro regente Tomé Reis, natural da Ilha de São Jorge. Possui uma escola ativa onde é ministrada educação musical a cerca de 25 crianças e jovens. Em 2002, foi inaugurada a sua nova sede. Em 2007, foi composto um novo hino para a filarmónica por Antero Ávila, procedendo-se, deste modo, à substituição do antigo. Organizou o I Festival de Bandas Filarmónicas da Zona Oeste da Ilha Terceira, em 2010. No seu curriculum, conta com deslocações a diversas ilhas açorianas, entre as quais São Jorge, Pico, Flores, Graciosa e, ainda, a Portugal Continental no ano de 2002, a Alpiarça.

FNSPCR

Filarmónica Nossa Senhora do Pilar

Filarmónica Nossa Senhora do Pilar das Cinco Ribeiras, Angra do Heroísmo

Realiza por ano várias tocatas, quer na própria freguesia, quer em redor da ilha, desfiles nas festas Sanjoaninas e Festas da Praia, procissões de quaresma, festas do Espírito Santo e de verão, concertos em diversas festividades, marchas de São João, animação de pezinhos, bodos de  leite, participações em inaugurações e festivais, nomeadamente nos I, II e III Festivais de Bandas do Porto Judeu, realizados desde 2012.

Grupo Filarmónico Nossa Senhora das Mercês da Casa do Povo da Feteira

O Grupo Filarmónico Nossa Senhora das Mercês da Casa do Povo da Feteira foi fundado em 1984, por intervenção direta da Junta de Freguesia da Feteira. A primeira atuação pública desta agremiação musical foi a 27 de julho de 1986, coincidindo com a inauguração da reconstrução da Igreja Paroquial. A banda inicialmente, como presidente Francisco Rocha Pereira que, na altura, era presidente da Junta de Freguesia. Os primeiros maestros foram Fernando Ávila e Durval Festas e o primeiro professor da escola de música foi o José Rocha Toste.

Grupo Filarmónico Nossa Senhora das Mercês da Casa do Povo da Feteira

Grupo Filarmónico Nossa Senhora das Mercês da Casa do Povo da Feteira

O Grupo Filarmónico da Feteira, além de desfiles, tocatas e concertos realizados na ilha Terceira, já efetuou algumas digressões, designadamente, em 1990, na época carnavalesca, acompanhando a Toronto – Canadá, a Dança de Carnaval “Frei Luís de Sousa”. Em 1993, deslocou-se novamente ao Canadá, desta feita, a Montreal, onde foi convidado de honra para participar nas Festas de Hochelaga, em louvor do Divino Espírito Santo. Nesse ano, também participou na Festa do Emigrante, nas Lajes das Flores e nas Festas de São Mateus da Praia da Graciosa.

Em 2015, acompanhou a Marcha “Feteira Continua em Festa” à Ilha Graciosa. Devido ao reduzido número de elementos residentes na freguesia, conta com a ajuda e colaboração de músicos de outras filarmónicas. Possui uma escola de música, na qual são ministrados ensinamentos de iniciação musical e aulas práticas de instrumental de madeiras, palhetas, flautas e bocais/metais.

Sociedade Filarmónica União Católica da Serra da Ribeirinha

A Sociedade Filarmónica União Católica da Serra da Ribeirinha foi fundada em 1904 e tem como padroeiro São Pedro. Porém, festeja o seu aniversário no dia 8 de dezembro, homenageando Nossa Senhora das Graças. Inaugurou a sede em 1965, tendo-a reconstruído no ano de 2004.

SFUCSR

Sociedade Filarmónica União Católica da Serra da Ribeirinha

Sociedade Filarmónica União Católica da Serra da Ribeirinha

Tem realizado diversas atuações, na ilha Terceira e em outras ilhas do arquipélago. Em 2004, efetuou uma digressão pelos EUA e em 2010, deslocou-se ao Canadá. Em 2012, efetuou uma viagem ao continente, à zona da Grande Lisboa e, em 2014, ao distrito de Aveiro. Recebeu, em intercâmbio cultural, uma Banda de S. Jorge, uma de S. Miguel e outra do Continente. Tem a sua Escola de Música e realiza concertos, participa em festivais de bandas e promove oficinas de música, Teatro, Danças e Bailinhos de Carnaval, entre outras atividades de índole sociocultural.

Sociedade Filarmónica Rainha Santa Isabel

A Sociedade Filarmónica Rainha Santa Isabel, da freguesia das Doze Ribeiras, foi fundada em 1988. Possui cerca de meia centena de elementos com idades entre os 7 e os 55 anos e mantém em atividade, na sua dependência, uma escola de música fundada por Manuel Isaac Fagundes, com cerca de dez alunos.

Sociedade Filarmónica Rainha Santa Isabel

Sociedade Filarmónica Rainha Santa Isabel

Executa, anualmente, cerca de 40 serviços. Além de abrilhantar os festejos típicos da freguesia, tem marcado presença na Feira de São João e no Festival de Forcados, bem como nas Sanjoaninas, em Festivais de Bandas e em Organizações de eventos da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo. Em 2009, organizou os Concertos de Outono, uma iniciativa conjunta com a Sociedade Progresso Lajense. Em 2010, realizou o torneio “Músicos Sem Fronteiras”, uma seleção de jogos, com atividades que acompanham várias gerações. No mesmo ano, organizou a Comemoração dos 30 anos de Carreira do Maestro Durval Festa, no Teatro Angrense.

Em 2011, gravou alguns temas para o célebre programa da Antena 1 – Filarmonia e, em Abril do mesmo ano, a Sociedade das Doze Ribeiras foi palco de um espetáculo de fados, marcado pela interação entre músicos da Banda e Fadistas. Os “Fado Madrinho” foram acompanhados pela Banda em três fados orquestrados pelo maestro Durval Festa. Ainda em 2011, a Filarmónica tocou na Praça de Toiros (na Feira de São João) um pasodoble original (da autoria do maestro Durval Festa) escrito em homenagem àquela Instituição. Nesse contexto foi também realizado um Concerto de Homenagem integrado no programa das Festas Sanjoaninas 2011, cujo tema era “Angra, Festa Brava”.

Em 2012, gravou o primeiro CD, apresentado pelo maestro Marco Torre, marcando o início das Comemorações do 25º Aniversário da Banda. Seguiram-se a Semana de Festa em Louvor do Divino Espírito Santo, a apresentação do Grupo de Comédia e Variedades da Filarmónica, a viajem à ilha de S. Jorge e, no final do ano, a Festa de Encerramento das Comemorações, com um fim de semana de atividades, que culminou com a Cerimónia onde se prestou Homenagem a todos os Presidentes das 25 Direções, aos Maestros e aos Músicos Fundadores e foi apresentado novo fardamento.

Entre as deslocações efetuadas contam-se as participações em várias feiras Taurinas de São Jorge e da Graciosa, a presença em Festas da ilha do Pico e o concerto nas Portas do Mar, em São Miguel. No ano transato (2015), a Banda saiu do arquipélago, pela primeira vez, em Intercâmbio com a Banda Recreativa União Pinheirense, Albergaria-a-Velha, tendo realizado um Concerto no Cineteatro Alba.

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *