Sé de Aveiro
Órgãos de tubos do concelho de Aveiro [13]

Aveiro é uma cidade rica em História mas também uma cidade emergente em termos culturais e académicos. Possui uma diocese ativa e a universidade, jovem, é cada vez mais reconhecida nacional e internacionalmente. Aveiro é uma das 15 cidades portuguesas com mais órgãos de tubos. A Universidade de Aveiro e o Conservatório de Música de Aveiro têm desempenhado um importante papel na formação de organistas.

Domingos Peixoto, organista, pedagogo e musicólogo é um especialista no que se refere aos órgãos de tubos de Aveiro e do País. Lecionou em diversos Conservatórios. Domingos Peixoto é titular do Curso Superior de Piano, dos Cursos de Órgão dos Conservatórios de Lisboa e Lyon e do Curso Superior de Órgão da ‘Schola Cantorum’ de Paris, enquanto bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Na Universidade de Aveiro (Curso de Licenciatura em Ensino de Música) foi o docente responsável pela cadeira de Órgão entre 1994 e 2010. Desenvolveu um projecto de estudo sobre os órgãos históricos de Aveiro e publicou vários trabalhos neste âmbito. Foi Responsável pela actividade da AMPO – Associação Musical Pro Organo, dirigiu as Temporadas de Órgão, acompanhou os trabalhos de restauro de instrumentos históricos e colabora nas diversas iniciativas que se têm desenvolvido no sector organístico na cidade e região de Aveiro.

De acordo com as informações disponíveis, existem órgãos de tubos nas seguintes igrejas do Concelho:

Centro Universitário Fé e Cultura

O Centro Universitário Fé e Cultura é o organismo autónomo da Diocese de Aveiro que tem como principais funções a promoção do diálogo entre a cultura e a fé cristã e ainda a organização de celebrações, convívios, debates, conferências e grupos de reflexão.

O CUFC possui um órgão positivo moderno.

Positivo

Órgão do CUF

Órgão do CUF

Conservatório de Música de Aveiro

Conservatório de Música de Aveiro de Calouste Gulbenkian

Conservatório de Música de Aveiro de Calouste Gulbenkian

Com a designação de Conservatório Regional de Aveiro, na altura, o CMACG teve início em outubro de 1960, em início de ano letivo. O seu fundador— Dr. Orlando de Oliveira— personalidade dinâmica, atenta e interventiva na área da educação, exerceu a atividade de professor e o cargo de reitor no Liceu Nacional de Aveiro (hoje, Escola Secundária José Estêvão), e ainda as funções de vereador, responsável pelo pelouro da Instrução e Cultura, na autarquia aveirense. O Dr. Orlando de Oliveira idealizou criar em Aveiro uma academia de música, semelhante às existentes em Coimbra e na Vila da Feira.

O Conservatório de Música de Aveiro de Calouste Gulbenkian possui órgão de tubos, sendo Marília Canhoto professora de Órgão.

Igreja da Misericórdia de Aveiro

Igreja da Misericórdia 

Igreja da Misericórdia

Ao longo do século XVI a irmandade intentou esforços para patrocinar a construção de uma igreja própria, bem como de um hospital, e em 1585 D. Filipe I concedeu à irmandade aveirense os mesmos privilégios de que usufruía a Misericórdia de Coimbra. A obra de edificação do templo iniciou-se em 1600, sendo contratado para a execução da traça o mestre Gregório Lourenço. A primeira pedra da igreja era lançada ainda nesse ano, e como Gregório Lourenço estava encarregue de outras edificações, nomeadamente na cidade do Porto, em 1601 indicou o mestre Francisco João, seu irmão, para supervisionar a fábrica de obras. No ano de 1608 a Casa do Despacho estava já concluída, e o corpo do templo encontrava-se edificado, faltando executar o pórtico principal e o espaço da capela-mor. Em 1615 o hospital ficava concluído. (Leia MAIS).

Fonte: DGPC, Catarina Oliveira

A Igreja da Misericórdia de Aveiro, tutelada pela Santa Casa da Misericórdia de Aveiro, possui um órgão histórico de tipo ibérico da autoria de João Fontanes Maqueira, construído em 1767, restaurado em 2003 por Dinarte Machado – Atelier Português de Organaria.

Marília Canhoto é desde 2003 organista titular do órgão histórico na Igreja da Misericórdia de Aveiro, colaborando para a dinamização cultural e artística da Santa Casa da Misericórdia de Aveiro bem como da cidade de Aveiro. Em 2007, o órgão esteve inserido, juntamente com o órgão da Igreja Matriz de Vagos, na audição da obra integral de Dietrich Buxtehude. Esteve também incluído no Ciclo Jovens Organistas, promovido pela Associação Musical Pro Organo (AMPO), nas Igrejas da Santa Casa da Misericórdia de Aveiro, Aradas, Vagos, Albergaria-à-Velha, Mafra, Ançã e Museu de Santa Joana de Aveiro.

Montra

Órgão da Igreja da Misericórdia de Aveiro

Órgão da Igreja da Misericórdia de Aveiro

Museu de Aveiro

Museu de Aveiro

Museu de Aveiro

O Museu de Aveiro está instalado desde 1911 no antigo Convento de Jesus da Ordem Dominicana feminina. Este convento, um dos mais antigos de Aveiro, remonta à segunda metade do século XV, fundado por D. Brites Leitão e por D. Mecia Pereira. A Princesa D. Joana, filha de Afonso V, entrou nesta casa em 1472 e aqui levou uma vida de santidade, que conduziu à sua beatificação em 1693. O prestígio do convento ficou assim definitivamente associado à presença da Princesa Santa Joana e ao seu culto religioso. O Museu de Aveiro apresenta um circuito de visita com duas partes distintas: o percurso monumental e a exposição permanente. Destaca-se no piso térreo do convento o túmulo de Santa Joana Princesa, a Igreja de Jesus, o claustro, a sala do capítulo e o refeitório. A Igreja de Jesus é decorada com uma sumptuosa talha dourada e azulejos portugueses, exemplo da exuberância da decoração barroca. O coro interior contém o túmulo da Princesa Joana, obra-prima da arte barroca, em mármore multicor com elementos escultóricos influenciados pelo gosto italiano, sendo da autoria do arquiteto real João Antunes.

Fonte: DGPC/DMCC

O Museu Regional de Aveiro, na antiga Igreja do Mosteiro de Jesus, em tribuna própria, do lado do Evangelho, possui um órgão histórico de tipo ibérico.

Órgão em tribuna própria

Órgão da Igreja de Jesus

Órgão da Igreja de Jesus

O Museu de Aveiro possui um órgão positivo de um teclado manual [ I ;(5+6)] construído em 1783 de autoria desconhecida, com 1 manual de 47 notas (oitava curta; C1 – c3; cx3 – d5), afinado em Lá 440Hz (a pedido do Prof. Domingos Peixoto para acompanhar outros instrumentos), restaurado pela Oficina e Escola de Organaria em 2003, opus 39. O órgão esteve também incluído no Ciclo Jovens Organistas, promovido pela Associação Musical Pro Organo (AMPO), nas Igrejas da Santa Casa da Misericórdia de Aveiro, Aradas, Vagos, Albergaria-à-Velha, Mafra, Ançã e Museu de Santa Joana de Aveiro.

Órgão e cadeiral

Órgão do coro alto do Museu de Aveiro

Órgão do coro alto do Museu de Aveiro

Montra

Órgão do coro alto do Museu de Aveiro

Órgão do coro alto do Museu de Aveiro

Na reserva, o Museu regional de Aveiro possui um terceiro órgão de tubos.

Igreja do Seminário de Aveiro

A Igreja de Santa Joana do Seminário de Aveiro possui órgão de tubos. Segundo Pedro Guimarães, o órgão foi começado pelo Pe. Arménio com o aproveitamento de peças de outros órgãos e nunca foi completado.

Órgão P.e Arménio

Órgão da Igreja do Seminário de Aveiro

Órgão da Igreja do Seminário de Aveiro

Igreja da Vera Cruz
Igreja Matriz da Vera Cruz

Igreja Matriz da Vera Cruz

A Igreja Paroquial da Vera Cruz, de Santa Cruz e Nossa Senhora da Apresentação, possui órgão de tubos.

Igreja de Aradas

A Igreja Paroquial de Aradas – Verdemilho possui um órgão da autoria de António Simões construído em 1994. O órgão esteve incluído no Ciclo Jovens Organistas, promovido pela Associação Musical Pro Organo (AMPO), nas Igrejas da Santa Casa da Misericórdia de Aveiro, Aradas, Vagos, Albergaria-à-Velha, Mafra, Ançã e Museu de Santa Joana de Aveiro.

Montra do órgão

Órgão de Verdemilho

Órgão de Aradas, Verdemilho

Igreja de Santa Joana Princesa

A Igreja de Santa Joana Princesa dispõe de um positivo com 3 registos que veio da Alemanha e foi instalado em 2004.

Órgão positivo

Órgão da Igreja de Santa Joana Princesa

Órgão da Igreja de Santa Joana Princesa

 de Aveiro

Sé de Aveiro

de Aveiro

A (Catedral) de Aveiro possui em tribuna própria um órgão histórico construído por António José dos Santos Júnior construído em 1754 (reconstruído em 1883), [ II; 14+14 ],  inventário e proposta de restauro pela Oficina e Escola de Organaria, em 1995, opus 10.

Órgão histórico

Órgão histórico da Sé de Aveiro

Órgão histórico da de Aveiro

Órgão moderno

Órgão moderno da Sé de Aveiro

Órgão moderno da de Aveiro

Universidade de Aveiro

Universidade de Aveiro 

Universidade de Aveiro

O Auditório do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro possui um órgão de tubos moderno.

Órgão e piano

Órgão da Universidade de Aveiro

Órgão da Universidade de Aveiro