Banda da Covilhã
Filarmónicas da Covilhã

Bandas de Música, História e Atividades no Concelho

  • Banda da Covilhã
  • Filarmónica Recreativa Carvalhense
Banda da Covilhã

A história da Banda da Covilhã perde-se no tempo, havendo registo da sua atividade em 1870, no dia 20 de outubro, dia em que a Covilhã foi elevada a cidade pelo rei D. Luís I. Com altos e baixos, ora tendo atividade ou não, no dia 1 de dezembro de 1944 a banda saiu à rua ao som do hino da restauração e até aos dias de hoje nunca mais parou a atividade.

Em 1992, a Associação foi vítima de um violento incêndio que destruiu a sua sede (Travessa do Senhor da Paciência), com o seu instrumental e de todo o património existente. Com o aparecimento do dia, um amigo da Associação dizia: “A Banda ardeu, mas não morreu.”. A direção, em conjunto com os músicos e amigos da Associação e com as entidades oficiais, nomeadamente a Turiestrela, que de imediato dispensou duas salas do seu edifício para recomeço dos trabalhos, o Governo Civil de Castelo Branco, a Câmara Municipal da Covilhã, Juntas de Freguesia, o INATEL, Secretaria de Estado da Cultura, duas empresas fabris, população em geral e ainda muitas associações de Portugal Continental e Ilhas, tornou possível que em 20 de outubro de 1992 a Banda da Covilhã saísse para a rua entoando o seu novo repertório e agradecendo a toda a comunidade.

A vida atual da Banda da Covilhã é um marco na cidade da Covilhã. A formação, principal aposta passa pela Academia de Música da Banda da Covilhã, com dezenas de alunos e um corpo docente qualificado. Ao mesmo tempo a Banda conta com 50 músicos fruto desta formação, um trabalho iniciado em 2005 por José Eduardo Cavaco, presidente da direção, na altura maestro da Banda e responsável pela formação. Hoje dirige a banda o maestro Carlos Almeida.

Banda da Covilhã

Banda da Covilhã

São suas valências:

  • Academia de Música da Covilhã
  • Banda Filarmónica
  • Banda Sinfónica da Covilhã
  • Orquestra de Sopros da Covilhã
  • Orquestra Ligeira da Covilhã
  • Orquestra Juvenil
  • Orquestra 1ºs Sons A e B
  • Orquestra dos Pais
  • Orquestra do Lixo

Tem classes de: Flauta, Oboé, Fagote, Clarinete, Saxofone, Trompete, Trombone, Trompa, Tuba, Eufónio, Percussão (Bateria, Marimba, Xilofone), Canto, Piano, Acordeão e Guitarra Clássica.

O seu Serviço Educativo contempla:

  • Música para Bebés
  • Crescer com a Música
  • Música de Músicos para Pais
  • Música em Família
  • Férias Dó-Ré-Mi
  • Férias Fá-Sol-Lá
Filarmónica Recreativa Carvalhense

A FRC (Filarmónica Recreativa Carvalhense) foi fundada a 1 de Janeiro do ano de 1908 por um grupo de homens vocacionados para a arte musical, tendo como lema “Ao serviço da cultura de um povo”. Este grupo foi encabeçado pelo pároco da então Aldeia do Carvalho, hoje Vila do Carvalho, Padre Parente, que foi o seu primeiro maestro.

Filarmónica Recreativa Carvalhense

Filarmónica Recreativa Carvalhense

Ao longo dos anos esta formação musical começou a crescer numericamente e artisticamente, chegando aos nossos dias com cerca de 50 elementos com um média de 25 anos de idade todos amadores e formados na sua Escola de Música. Hoje a cargo do maestro João Bouceiro a FRC tem-se deslocado a inúmeros palcos nacionais e internacionais de que se destacam os seguintes:

  • 1982, 1983, e 1990, respetivamente deslocou-se a Faverges, Tourcoing e Draveil (França), onde participou no décimo Festival do Carnaval desta última cidade;
  • 1987 – foi convidada para a abertura da Festa do Avante
  • 1989 – atuou em Ciudad Rodrigo (Espanha), nas festas de Santa Cecília, Padroeira dos músicos, em representação do concelho. Nesse mesmo ano participou no 1 Encontro Nacional de Bandas Civis realizado em Coimbra, em representação do distrito de Castelo Branco;
  • 1991 – Em Lisboa, participou no 1 Encontro Nacional de Bandas Filarmónicas em representação do Distrito de Castelo Branco. No mesmo ano, obteve o Estatuto de Utilidade pública.
  • 1992 – atuou em Torres Novas, nas festas da cidade.
  • 1994, Esteve presente na Feira popular de Lisboa, no dia dedicado às casas regionais, representando para esse efeito a Casa da Covilhã.
  • 1995 – Realização de um curso de improvisação e composição coletivo de Jazz, dirigido por Patrick Brennan, destinado a músicos da região.
  • 1995 – atuou em Lisboa no encerramento da Feira popular em Brejos de Azeitão (Setúbal na Feira do artesanato).
  • 2000 – Comemorações do dia da Cidade da Covilhã, Atribuição da Medalha de Mérito Cultural.
  • 2001- apresentou-se na Semaine Européenne Portugaise em St. Genis Laval (França).
  • 2002 – participou no 1 Curso Regional de Regência de Bandas Filarmónicas – (Parceria c/ INATEL) Monitores: Tristão Nogueira, Carlos Marques e José Pedro Figueiredo.
  • 2005 – foi convidada para o encerramento da Festa do Avante, em Lisboa. 2006, no contexto das Festividades do Centenário da Banda de Loriga foi convidada a realizar um concerto para todos os loriguenses. No mesmo ano deslocou-se ao Crato (Portalegre) para um encontro de bandas em representação do concelho da Covilhã e distrito de Castelo Branco.
Filarmónica Recreativa Carvalhense

Filarmónica Recreativa Carvalhense

Tem participado em muitos festivais de Música Popular promovidos pelo INATEL. Tem desempenhado um papel importante no desenvolvimento cultural da região. Obteve o estatuto de Pessoa Coletiva de Utilidade Pública em 1991 e recebeu a Medalha de Mérito Municipal da Câmara Municipal da Covilhã em 2000.