Mariana Morais, violetista, da Covilhã
Músicos naturais do Concelho da Covilhã

Projeto em desenvolvimento, o Musorbis aproxima os munícipes e os cidadãos do património musical e dos músicos do Concelho.

Luís Gaspar Dâmaso

Luís Gaspar Dâmaso, direção, da Covilhã

Luís Gaspar Dâmaso, direção, da Covilhã

Eugénia Melo e Castro

Eugénia Melo e Castro, cantora, da Covilhã

Eugénia Melo e Castro, cantora, da Covilhã

Júlio Cardono

Júlio Cardona, violinista, da Covilhã

Júlio Cardona, violinista, da Covilhã

Mariana Morais

Natural da Covilhã, a violetista Mariana Morais iniciou os estudos musicais na Escola Profissional de Artes da Covilhã, na classe de Gonçalo Ruivo.

Participou em classes de aperfeiçoamento orientadas por Ana Bela Chaves, Susanne Van Els, John Throne, Máté Szücs. Integrou diversas orquestras, das quais se destacam The World Orchestra (Alicante), Orquestra Sinfónica da ESMAE, Orquestra Sinfónica da Casa da Música, Remix Ensemble, onde pôde trabalhar sob a direção dos maestros António Saiote, Peter Rundel, Michael Sanderling, entre outros.

Em 2020, concluiu o Mestrado em Ensino da Música na ESMAE, instituição onde, em 2018, concluiu a licenciatura em viola d’arco, na classe dos professores Jorge Alves e Rute Azevedo. Lecionou Instrumento na Academia Fusa (Ovar), na Academia de Música de Viatodos, na Pallco (Porto) e Formação Musical no projeto “Músicos D’Ouro” (Gondomar).

Mariana Morais

Mariana Morais, violetista, da Covilhã

Mariana Morais, violetista, da Covilhã

Paulo José Proença Serra

Paulo José Proença Serra nasceu em 1970 em Verdelhos, Concelho da Covilhã. Entre 1980 e 1993 frequentou os Seminários do Fundão e da Guarda onde aprendeu a formação musical básica, harmonia, análise musical, composição e canto gregoriano. Entre 1987 e 1993 foi organista da da Guarda. Frequentou, de 1991 a 1994, o 1.º Curso Nacional de Música Sacra em Fátima onde estudou Direção Coral, Técnica e Literatura de Órgão, Harmonia e Composição, Música Litúrgica, História da Música e Improvisação com os Mestres Hubert Velten e Joseph Stoiber da Universidade alemã de Wurzburg e com os portugueses Azevedo de Oliveira, António Cartageno, Eugénio Amorim, Paulo Antunes, Paulo Alvim, António Mário e com a supervisão do Cónego Ferreira dos Santos.

É professor de música no Seminário do Fundão desde 1996. Exerce ainda funções docentes na Vila do Teixoso – Covilhã. É, desde 2004, membro da Comissão Diocesana de Música Sacra da Guarda. É um dos fundadores da recém-criada «Escola de Música Sacra da Diocese da Guarda», tendo a seu cargo a lecionação da cadeira de Órgão. Assumiu a direção artística do Grupo Coral de Manteigas a 15 de outubro de 2001.

MÚSICOS NA HISTÓRIA

Jaime Pinto Pereira

Jaime Pinto Pereira publicou em Coimbra, em 1952, o volume I de Alegrias Populares (Cancioneiro folclórico de Alvocp da Serra). Diz Rebelo Bonito nas “Breves Palavras” que acompanham o 2º volume: “Percorrendo com o seu gravador o concelho de Seia, registou o Rev. Padre Jaime Pinto Pereira abundante material músico-poético para o segundo volume do cancioneiro a que pôs o título Alegrias Populares.”

O segundo volume foi publicado 15 anos depois do primeiro. Em Sobral de São Miguel a Rua Padre Jaime Pinto Pereira homenageia o coletor de canções populares: 6225-331 Sobral de São Miguel, freguesia de Sobral de São Miguel, concelho da Covilhã, distrito de Castelo Branco (GPS: 40.213998, -7.743651).

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *