Academia de Música de Espinho
Escolas de música de Espinho

O Ensino da Música no Concelho

  • Academia de Música de Espinho
  • Escola Profissional de Música de Espinho
Academia de Música de Espinho

A Academia de Música de Espinho tem-se consolidado como um estabelecimento de ensino de reconhecido valor musical e artístico. Associação sem fins lucrativos, foi fundada em 1960 por iniciativa e impulso do Professor Mário Neves, com o apoio exemplar e entusiástico do então Presidente da Câmara, Eng.º Manuel Baptista, da Professora Gilberta Paiva, e de outras personalidades.

Em 1961, obteve a necessária autorização ministerial para passar a funcionar como estabelecimento de ensino especializado de música e assim lecionar cursos de música oficiais, tendo-lhe sido outorgado o correspondente alvará de funcionamento em 1962. Sob a orientação e supervisão do Professor Mário Neves, seu primeiro diretor artístico, a Academia foi-se desenvolvendo e consolidando ao longo do tempo, evidenciando ao longo do seu historial um papel pioneiro em diversas áreas, quer no ensino artístico, quer na dinamização e divulgação cultural.

Por exigência legal, desenvolveu a sua atividade durante os primeiros anos como escola associada ao Conservatório de Música do Porto, nomeadamente em regime de paralelismo pedagógico – conferindo assim habilitações equivalentes às dos conservatórios de música públicos. A Academia viu-lhe ser posteriormente reconhecida total autonomia pedagógica, passando a ministrar os seus cursos e a emitir as correspondentes certificações sem qualquer dependência do ensino público.

A Academia de Música de Espinho integra o sistema educativo português, no âmbito da rede de ensino artístico especializado, ministrando Cursos Básicos e Secundários de Música, em regime de ensino integrado, articulado e supletivo, bem como, Pré-Iniciação, Iniciação Musical e Cursos Livres.

Em colaboração com a Câmara Municipal de Espinho é pedagogicamente responsável pela lecionação das atividades de enriquecimento curricular no Concelho de Espinho, na sequência, de resto, do programa “Expressão e Educação Musical nas Escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico do Concelho de Espinho” que, também em parceria com o Município, desenvolveu desde 1988, e que permitiu a todas as crianças do 1º ciclo do Ensino Básico o acesso curricular a atividades musicais na escola, iniciativa então inédita e pioneira a nível nacional.

Retomando uma das suas valências que nas décadas de 1970 e 1980 teve grande impacto no ensino das línguas em Espinho – então colmatando a inexistência local de oferta nessa área -, a Academia relançou em 2013 a sua Escola de Línguas, passando a oferecer aos alunos a possibilidade de no âmbito do mesmo contexto socioeducativo integrarem a sua formação artística com o estudo aprofundado de línguas estrangeiras, com preponderância para Inglês e Alemão.

O carácter pioneiro e a vontade de inovar que desde o primeiro dia funcionaram como vetores fundamentais da ação da Academia, aliados à grande exigência e qualidade ao nível do ensino artístico, constituem ainda hoje fatores distintivos do seu projeto educativo e traços inalienáveis da sua cultura institucional.

AME

Academia de Música de Espinho

Academia de Música de Espinho

No desenvolvimento das suas atividades educativas, nomeadamente nos Cursos Básicos e Secundários de Música e Iniciação Musical, a Academia de Música de Espinho é co-financiada pelo Ministério da Educação mediante a celebração de contactos de patrocínio.

Escola Profissional de Música de Espinho

Fundada em outubro de 1989, no âmbito do programa de criação de Escolas Profissionais, então lançado pelos Ministérios da Educação e Emprego e Segurança Social, através do GETAP, e tendo como entidade promotora a Academia de Música de Espinho, a Escola Profissional de Música de Espinho (EPME) foi uma das duas entidades a nível nacional que, nessa altura, avançaram com propostas de criação de cursos profissionais de música.

Embora o ensino artístico não estivesse previsto no âmbito da iniciativa então lançada, o certo é que, após um período de grande debate e insistência sobre o mérito e o potencial da implementação desta modalidade de ensino no âmbito da música, o Ministério da Educação autorizou, nesse ano, a abertura dos cursos profissionais de música em duas escolas a nível nacional, uma delas em Espinho. No âmbito deste pioneirismo, a EPME propôs-se desde o início possibilitar a formação aos jovens candidatos a músicos em duas áreas praticamente inexistentes no panorama do ensino da música em Portugal: a formação de instrumentistas de Orquestra e o estudo da Percussão, tendo como objetivo fundamental o de dar o contributo possível para diminuir o défice de músicos portugueses nas orquestras nacionais e o desenvolvimento do ensino e formação de percussionistas em Portugal (então praticamente inexistente). Neste contexto foram criados o Curso de Prática Orquestral e o Curso de Percussão, então únicos no país.

A EPME oferece o Curso Básico de Instrumento (7º, 8º e 9º anos); o Curso de Instrumentista de Cordas e de Tecla e o Curso de Instrumentista de Sopro e de Percussão (10º, 11º e 12º anos), resultantes da reestruturação do ensino profissional.

Desde a sua fundação a EPME logrou obter resultados extremamente positivos, os quais se podem aferir pelo já significativo número de diplomados que exercem atividade profissional como instrumentistas e/ou docentes em orquestras e instituições nacionais e estrangeiras, bem como, pela demonstração pública da atividade da Escola, materializada na apresentação de centenas de concertos, um pouco por todo o país e também no estrangeiro, produto criativo de projetos artísticos de referência lançados pela EPME, como são, por exemplo, a Orquestra Clássica de Espinho e a Orquestra de Jazz de Espinho.

O Projeto Educativo da Escola Profissional de Música de Espinho privilegia a procura permanente de experiências profissionais relevantes, nomeadamente através da realização de masterclasses regulares, estágios de formação e apresentações em contexto real de trabalho, mantendo simultaneamente uma forte preocupação em fornecer uma sólida formação científica e uma formação integrada que responda a diferentes necessidades dos alunos.

Por outro lado, atenta na valorização da atitude do indivíduo enquanto cidadão e enquanto Homem: na sua capacidade de rever e definir regras de uma forma responsável e democrática, formulando juízos de valor próprios sobre a sociedade em que está inserido, respeitando os outros em princípios de justiça e solidariedade e reconhecendo os valores éticos da humanidade.

A EPME desenvolve um intenso plano de atividades, destacando-se a vertente de apresentação de concertos dirigidos ao público em geral, em contexto rigorosamente profissional, nomeadamente através da Orquestra Clássica de Espinho e da Orquestra de Jazz de Espinho, duas formações que dão um contributo significativo não só para a formação dos alunos da EPME mas também para a integração de jovens músicos em início de carreira e ainda, como é óbvio, para a dinamização cultural e para a formação de públicos.

A EPME integra-se na Academia de Música de Espinho, num universo em que o ensino da música — que abrange também os cursos básicos e secundários de ensino artístico especializado da música e uma escola de línguas —, se cruza e complementa com o acesso a uma enriquecedora oferta artística regular e multidisciplinar, nomeadamente no âmbito da programação do Auditório de Espinho|Academia ou do Festival Internacional de Música de Espinho, entre outras.