Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos
Músicos naturais do Concelho de Lagos

Projeto em desenvolvimento, o Musorbis aproxima os munícipes e os cidadãos do património musical e dos músicos do Concelho.

Ângela Silva

Ângela Silva, soprano, de Lagos

Ângela Silva, soprano, de Lagos

Arminda Correia

Arminda Correia, cantora, de Lagos

Arminda Correia, cantora, de Lagos

Arminda Correia tem uma rua com o seu nome em Lagos.

Cónego José Pedro Martins

José Pedro Martins, padre compositor, de Lagos

José Pedro Martins, padre, compositor, de Lagos

A costureirinha da

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

Maria de Fátima Bravo canta para você

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

Silêncio

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

Nostalgia

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos, Nostalgia

Ontem e hoje

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

O Tarzan do 5º esquerdo

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos, O Tarzan do 5º Esquerdo

Vocês sabem lá

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

Maria de Fátima Bravo, cantora, de Lagos

BANDAS FILARMÓNICAS

Sociedade Filarmónica Lacobrigense 1º de Maio

A Sociedade Filarmónica Lacobrigense foi fundada a 1 de maio de 1931. A banda é composta por cerca de 36 músicos com idades compreendidas entre os 8 e os 80 anos, 80% dos quais são jovens. Foi reconhecida pelo Governo como Coletividade de Utilidade Pública em 1988, e agraciada com a Medalha de Mérito Municipal “Grau Prata” em 1991, pela Câmara Municipal de Lagos e com a medalha de Mérito Associativo em Maio de 2006 pela Confederação das Coletividades de Cultura Recreio e Desporto, da qual é associada, como reconhecimento pelo seu interesse sociocultural.

A Banda atua em procissões, arruadas, concertos, festivais, comemorações e outros eventos, no Concelho e pelo País, numa média de 25 atuações por ano. Em 1994, deslocou-se a Palos de La Frontera, em Espanha, cidade geminada com Lagos e em 2004 à Ilha Terceira (Açores), a fim de participar nas festas da Praia (Praia da Vitória). Organiza o Festival de Bandas Civis (XXVI edição em 2013). Promove o “Maio da Música”, o “Cantar de Reis” que remonta, tal como o Festival de Bandas, ao início da década de 80 do século passado. Organiza também um concurso literário, denominado “Jogos Florais”, iniciado em 1999, onde se presta homenagem a todos os que contribuíram para o engrandecimento da Sociedade Filarmónica Lacobrigense 1.º de Maio e da sua Banda.

Com a entrada, nos finais de 2006, de um novo Regente, implementou-se um método de ensino diferente e que levou 2007, devido à falta de percussionistas na Banda, à criação de um “Grupo de Percussão”. Em 2008 o Grupo atuou em vários eventos, na Escola Secundária Júlio Dantas, Ovibeja e, em parceria com o TEL (Teatro Experimental de Lagos), IPJ de Faro, Feira Quinhentista em Lagos, Centro de Férias do Inatel em Albufeira, Festival de Teatro de Rua de Esmoriz, Centro Cultural de Lagos.

2008 foi importante, não só pela estabilidade e pelo trabalho desenvolvido pelo “Grupo de Percussão” mas pelas excelentes prestações da Banda salientando a deslocação a Mões – Castro Daire (X Encontro de Bandas) e a Tavira (XXIV Festival de Bandas Cidade de Tavira). A Sociedade Filarmónica Lacobrigense 1.º de Maio tem, desde 006, a direção artística de Edgar da Conceição Santos que, por inerência, é também o responsável pela Escola de Música.

SFL1M

Sociedade Filarmónica Lacobrigense 1º de Maio, de Lagos

Sociedade Filarmónica Lacobrigense 1º de Maio, de Lagos