Rancho Folclórico Vale do Lis
Folclore em Leiria

Grupos etnográficos, tradições e atividades no Concelho

  • Rancho Folclórico “As Tecedeiras” de Bidoeira de Cima
  • Rancho Folclórico da Barreira
  • Rancho Folclórico da Costa
  • Rancho Folclórico do Grupo Alegre e Unido
  • Rancho Folclórico “Flores de Verde Pinho” do Coimbrão
  • Rancho Folclórico Juventude Amiga de Conqueiros
  • Rancho Folclórico Rosas do Lis
  • Rancho Folclórico Vale do Lis
Rancho Folclórico “As Tecedeiras” de Bidoeira de Cima

Decorria o ano de 1987 quando um grupo de pessoas decidiu fundar o Rancho Folclórico “As Tecedeiras” de Bidoeira de Cima. Tal projeto teve como objetivo preservar os usos e costumes deixados pelos seus antepassados. Recorrendo às pessoas mais idosas da freguesia, obteve-se um importante testemunho no retratar de vivências perdidas no tempo. Desta forma recuperam-se hábitos e tradições de finais do século XIX e inícios do século XX.

Rancho Folclórico “As Tecedeiras” de Bidoeira de Cima

Rancho Folclórico “As Tecedeiras” de Bidoeira de Cima

Apresentou-se pela primeira vez em público em Maio de 1988, no Desfile Etnográfico da Cidade de Leiria. Desde essa data tem participado em diversos encontros de Folclore, quer a nível nacional, quer internacional. Foi agraciado com a medalha de prata por serviços relevantes prestados no âmbito da cultura pela Junta de Freguesia de Bidoeira de Cima, em Outubro de 1995. É sócio efetivo da Federação do Folclore Português, um dos sócios fundadores da Associação Folclórica da Região de Leiria – Alta Estremadura e está filiado na Fundação Inatel.

Rancho Folclórico da Barreira

Fundado em 1983, por pessoas oriundas do lugar de Andreus, freguesia da Barreira, por altura das colheitas, para angariação de receitas para construção do salão paroquial, o Grupo foi ganhando corpo com pessoas de vários lugares da freguesia. Em 1985 organizou o primeiro Festival de Folclore, apadrinhado pelo Rancho Folclórico Rosas do Lena.

Rancho Folclórico da Barreira

Rancho Folclórico da Barreira

É sócio fundador da Associação Folclórica da Região de Leiria – Alta Estremadura, tendo feito parte dos órgãos sociais por diversas vezes e desempenha atualmente (2019) o lugar de presidente da direção. Até 1999 pertenceu à Casa do Povo da Barreira, mas com a desagregação da mesma passou a pertencer, a partir dessa data, à BARDEC – Barreira Associação de Recreio Desporto e Cultura, por vontade dos elementos que faziam parte do Rancho e por deliberação dos órgãos sociais da Casa do Povo, passando a denominar-se apenas como Rancho Folclórico da Barreira.

Em 2002, gravou o 1.º CD, tendo adquirido o estatuto de Rancho Federado em 2004. Desde 2001, até aos dias de hoje, organiza, anualmente, um Festival de Folclore. Anualmente e ao longo destes anos tem participado em diversos festivais, recriação histórica de Leiria, recriação de mercado século XIX (Batalha) e tem organizado diversas atividades desde descamisadas, encontro de tradições, exposição de lenços e xailes. Em 2007, efetuou uma digressão a França onde participou num Festival Internacional. Em 2005, criou um espaço museológico onde guarda algumas peças etnográficas recolhidas ao longo dos anos. Em 2013, inaugurou a nova sede social, passando a ter melhores condições para desenvolver as suas atividades.

Rancho Folclórico da Costa

O Rancho Folclórico da Costa é um fidedigno representante do Folclore e da Etnografia da Alta Estremadura. Fez a sua estreia em 22 de agosto de 1982, tendo-se legalizado em 19 de outubro do mesmo ano e feito a sua admissão na Federação do Folclore português em 2 de janeiro de 1986. Geograficamente engloba os lugares da Costa e Ribeira, povoações estas que fizeram parte da Freguesa da Batalha até fins do século XIX.

Rancho Folclórico da Costa

Rancho Folclórico da Costa

O seu melodioso cancioneiro, baseado na pastorícia e agricultura, é de “Entre Mar e Serra”, desde os cumes da Serra de Aire às arribas de Moel. Cantam-se e bailam-se cantigas de arrastação, fandangos estremenhos, reinadios, tacões e bicos, fadinhos, viras e bailaricos. O seu jeito de bailar é singelo e suave, sem batimentos nem arrebiques, como quem, mesmo divertindo-se, nunca esquece o recato, a dureza do trabalho e as agruras da vida.

Rancho Folclórico do Grupo Alegre e Unido

O Rancho Folclórico do Grupo Alegre e Unido foi fundado em 1969. Representa o Folclore da Alta Estremadura. É socio efetivo da Federação do Folclore Português e da Associação Folclórica da Região de Leiria – Alta Estremadura. Apresenta os usos, os costumes, as tradições, as danças, os cantares e os trajos, fruto de recolhas feitas no lugar da Bajouca e arredores, nos diversos festivais nacionais e internacionais de folclore em todo o país, em diversas festas e romarias e em hotéis da região. Nas suas apresentações é de destacar a exibição do oleiro e da capacheira, ao vivo.

Rancho Folclórico do Grupo Alegre e Unido

Rancho Folclórico do Grupo Alegre e Unido

O rancho da Bajouca editou diversos CD e cassetes com as suas modas e um DVD representando toda a vivência dos seus antepassados: o casamento; as festas e romarias; a matança do porco; o trabalho no campo; as colheitas; o artesanato, entre outros, acompanhados pelas danças e cantares da época.

Rancho Folclórico “Flores de Verde Pinho” do Coimbrão

Fundado em 3 de Abril de 1960, o Rancho Folclórico “Flores de Verde Pinho” do Coimbrão representa o Folclore de fins do século XIX e princípio do século XX, do norte do Concelho de Leiria – Alta Estremadura. É o Rancho mais antigo do Concelho de Leiria. Obteve o 1.º prémio de Traje na Feira Anual de Leiria e foi galardoado com a medalha de prata da cidade de Leiria pela dedicação ao serviço da Cultura. Tem participado em vários Festivais Nacionais e Internacionais por todo o País e algumas vezes no Estrangeiro, possuindo gravações do seu reportório.

Rancho Folclórico “Flores de Verde Pinho” do Coimbrão

Rancho Folclórico “Flores de Verde Pinho” do Coimbrão

O Rancho Folclórico “Flores de Verde Pinho” do Coimbrão é ainda organizador do Festival de Folclore do Coimbrão e de várias recolhas e exposições sobre usos e costumes passados que permitem difundir a cultura da Região. É membro da Associação Folclórica de Região de Leiria, da Federação do Folclore Português e está inscrito na INATEL. É desde 7 de maio de 2008 Pessoa Colectiva de Utilidade Pública.

Rancho Folclórico Juventude Amiga de Conqueiros

Conqueiros é um lugar da União das Freguesias de Souto da Carpalhosa e Ortigosa do distrito e concelho Leiria. Das mais influentes na freguesia, a família Alves de Matos era a mais importante desta localidade, já que garantia trabalho e sustento a grande parte dos habitantes de Conqueiros e das aldeias limítrofes até meados do século passado, acabando com morte do seu último descendente Luís José Alves de Matos, falecido a 26 de Abril de 1994.

Rancho Folclórico Juventude Amiga de Conqueiros

Rancho Folclórico Juventude Amiga de Conqueiros

Nos Conqueiros nasceu o Rancho Folclórico Juventude Amiga de Conqueiros, em 06 de Outubro de 1977. Faz parte integrante da Associação Folclórica da Região de Leiria – Alta Estremadura, tendo sido constituído por escritura pública em 13 de Setembro de 1982. Está filiado na INATEL com o n.º 3074 desde 16 de agosto de 1995 e tornou-se sócio efetivo da Federação do Folclore Português, em 15 de dezembro de 1998.

De 1978 a 1984 este rancho limitou-se a fazer atuações no lugar de Conqueiros e nos lugares limítrofes. A partir de 1984 alargou o seu leque de atuações, mantendo atualmente uma média de trinta por ano, em romarias, festivais de folclore e outros locais.

Organiza o Festival de Folclore no lugar de Conqueiros, pertencente à União das Freguesias de Souto da Carpalhosa e Ortigosa, Distrito e Concelho de Leiria. Em 1993, realizou várias atuações na zona de Paris, em França. Em 2004, realizou várias atuações na zona Nework, estado de New Jersey, nos Estados Unidos da América e em 2019 participou na 16.ª edição do “Festivalul International de Folclor Nufarul”, em Cahul, na Moldávia, evento em parceria com a Câmara Municipal de Leiria e a Associação Folclórica da Região de Leiria – Alta Estremadura.

Rancho Folclórico Rosas do Liz

Nascido em 1965 com o intuito de divulgar as danças, usos e costumes, o Rancho Folclórico Rosas do Liz tem dado a conhecer ao público um pouco das origens dos antepassados. Localizado na margem do Rio Lis, na freguesia de Carreira, Concelho de Leiria, é cercado pelos campos de arroz e de milho. É essencialmente um Rancho Folclórico com características de trabalho agrícola.

Rancho Folclórico Rosas do Liz

Rancho Folclórico Rosas do Liz

Ao longo da sua existência, de norte a sul do país e nomeadamente em Espanha e França, representa, com cerca de 40 elementos, danças, cantares e artesanato do Folclore da Alta Estremadura. Entre as suas danças estão: O vira da nossa aldeia; A chula; As penas do Verde Gaio; Dá-me a tua mão e canta; Deixa-me ir que eu vou com pressa; e Amor não digas que não. É sócio fundador da Associação Folclórica da Região de Leiria – Alta Estremadura.

Rancho Folclórico Vale do Lis

Barreiros, é uma aldeia, situada no Vale do Lis, pertence à freguesia de Amor e dista sete quilómetros da cidade de Leiria. A sua capela edificada em 1925 tem como padroeira Nossa Senhora da Conceição, encontrando-se na mesma a imagem de São Jorge, a quem o povo dedicava grande veneração como protetor dos seus gados, havendo uma altura do ano em que os seus donos davam a volta à capela com os seus animais em sinal de gratidão. Até então o povo deslocava-se à Igreja da freguesia (Amor) para cumprir a sua devoção. A população exercia a sua atividade na agricultura, onde abundava a cultura do arroz e do milho. É uma das aldeias em que a mulher usava o tradicional chapéu típico da região de Leiria.

Rancho Folclórico Vale do Lis

Rancho Folclórico Vale do Lis

O Rancho, um departamento da Associação Desportiva e Recreativa de Barreiros, foi fundado em 1973. Pesquisa e divulga a riqueza e a beleza da arte popular. Danças e músicas apareceram por valiosa recolha que pessoas da nossa região efetuaram, dado o seu empenho e dedicação, consultando na altura as pessoas mais idosas e que melhor memória possuíam. A tocata inclui acordeão, cega rega de canas, ferrinhos, o antigo cântaro, as pinhas, bandolim, cavaquinhos, viola, realejo. Os trajes são variados, mas conservando a linha própria desta região: – Trajes de trabalho na cultura: do arroz, do milho, das vindimas. – Trajes Domingueiros de ir: à missa, mercado, romarias. – Trajes de Camponeses abastados. – Trajes de Noivos.

O Rancho abarca e conserva no seu seio um vasto reportório de danças e cantares, baseadas no trabalho do campo. Os seus moinhos, o pinhal, as sachas, as desfolhadas, as vindimas, a matança do porco, a britada dos pinhões bem como as festas e romarias eram verdadeiras ocasiões de convívio do povo. É membro da Associação Folclórica da Região de Leiria – Alta Estremadura e sócio efetivo da Federação do Folclore Português.

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *