Festival de Música Moderna, Loures
Festivais de música de Loures

Festivais e festas mais importantes

Festival de Orquestras Ligeiras de Loures

20, 21 e 22 de novembro de 2020 (alterna o ano com o Festival Internacional de Bandas Filarmónicas) Conta com as várias orquestras ligeira locais e nacionais no mesmo palco, durante três dias, no pavilhão Paz e Amizade, em Loures.

Festival Internacional de Bandas Filarmónicas

Terceiro fim de semana de novembro (alterna o ano com o Festival de Orquestras Ligeiras de Loures).

Conta com as várias bandas filarmónicas locais, nacionais e internacionais no mesmo palco, durante três dias, no pavilhão Paz e Amizade, em Loures. Em colaboração com as Bandas Filarmónicas e as Orquestras Ligeiras do Concelho, a Câmara Municipal de Loures promove – em sistema bianual – o Festival Internacional de Bandas Filarmónicas de Loures e o Festival de Orquestras Ligeiras de Loures, iniciativas com o objetivo de criar de um espaço privilegiado para a dignificação e promoção desta prática musical num ambiente propício ao convívio e à troca de experiências entre os seus intervenientes, envolvendo os agentes socioculturais locais, e também enquanto estratégia de dinamização e mobilização dos utilizadores dos festivais, sensibilizando e despertando a curiosidade para a prática musical. As nove bandas filarmónicas e as nove orquestras ligeiras existentes em Loures potenciam, entre si, a perpetuação das associações de cultura e recreio e promovem a partilha e o encontro entre diversas gerações, essencialmente através da interpretação da herança musical.

Estas instituições de cultura amadora foram criadoras de políticas educacionais para esta área, hoje referências nacionais. No concelho as bandas são acarinhadas pela população, são fator de enraizamento, uma mais valia que Loures tem o privilégio de acolher. Ciente desta importância o Município apoiou desde sempre estas associações, dando-lhes visibilidade, notoriedade e reconhecendo a importância da prática e difusão musical. Desde o seu aparecimento em meados do século XIX, as bandas filarmónicas sempre tiveram um papel muito importante na formação musical e social das povoações em que se inseriam; durante muito tempo foram, em muitos casos, o único agente cultural a que as populações tinham acesso. As bandas filarmónicas sempre mantiveram uma relação de proximidade com o meio social onde se inserem.

Como entidades amadoras as mesmas eram constituídas por pessoas comuns, com formação básica tanto académica como artística. Este facto fazia com que a comunidade seguisse os passos da filarmónica pelos laços familiares que ligava a população à banda, mas também porque a oferta, sendo pouca, quando a filarmónica atuava era um pretexto para as pessoas confraternizarem.

Em meados do século XX essa relação foi progressivamente degradando-se, fruto do afastamento de ambas as partes, este facto deveu-se a diversos fatores sociológicos que foram alterando gradualmente os hábitos da população portuguesa, tais como: uma maior alfabetização das comunidades, aparecimento outros polos culturais mais atrativos e das novas tecnologias, levando ao mais jovem a direcionar os seus interesses para outras vertentes.

Nos últimos anos tem havido um esforço das bandas filarmónicas em inverter o rumo dos acontecimentos, criando um processo de reabilitação da relação que as mesmas mantêm com o meio que as rodeia. Para isso muito tem contribuído os eventos culturais que, quer ao nível particular ou oficial, têm sido criados ao longo destes últimos anos, como é são exemplo, festivais de bandas filarmónicas, encontros de bandas e concertos.

Com o evoluir do reportório, do instrumental, das mentalidades e com a renovação constante de músicos, também com uma maior e melhor formação dos mesmos e dos seus dirigentes, as filarmónicas cada vez mais podem oferecer qualidade, que pode rivalizar com outras formas de arte, adquirindo assim um espaço cada vez mais seu por mérito próprio.

Assim sendo, as bandas filarmónicas e as orquestras ligeiras desempenham um papel fundamental na sociedade, pois a sua existência pressupõe o cruzamento, a partilha e a conjugação de saberes e experiências e de conhecimento construídos através da transmissão de emoções, que se traduzem num legado eterno e fundamental para a manutenção do património imaterial coletivo.

Festival de Música Moderna

O Festival de Música Moderna é uma iniciativa da Câmara de Loures, à qual podem concorrer todos os projetos coletivos ou individuais, a nível nacional, que ainda não tenham sido alvo de qualquer contrato discográfico com editoras. Tem como objetivos a criação de uma oportunidade para apresentação, promoção do trabalho e criatividade de projetos musicais, a afirmação de novos valores e o alargamento da oferta cultural musical no concelho de Loures.

Festivais dos agentes musicais do concelho de Loures

Festival de bandas da Banda dos Bombeiros de Loures

A Banda da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Loures foi fundada em 12 de novembro de 1897; promove regularmente nesta data festival de Bandas.

Festival de bandas da Banda Recreativa de Bucelas

A Banda Recreativa de Bucelas foi fundada a 21 de junho de 1863, tem desenvolvido, até à data,
um vasto trabalho ao nível da formação musical; realiza no mês de junho o festival de Bandas.

Festival de bandas da Academia Recreativa Musical de Sacavém

A Academia Recreativa Musical de Sacavém e a sua banda de música foram fundadas a 1 de julho de 1927; o festival de bandas filarmónicas decorre no mês de julho.

Festival de Bandas de Música da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Fanhões

Nasceu em 24 de junho de 1891, na sequência de um importante movimento filarmónico do século XIX, que teve início a partir de 1830; o festival decorre anualmente em setembro.

Festival de Bandas da Sociedade Recreativa de Casainhos

A Banda de Música da Sociedade Recreativa de Casainhos foi fundada em 2007; o festival de bandas filarmónicas decorre anualmente em novembro.

Festival de Bandas da Sociedade Recreativa e Cultural de Pinteus

Em 2010 surgiu o projeto para formar a escola de música a primeira audição foi no dia 4 de setembro de 2010 nas festas de Pinteus. O festival e Bandas é promovida no mês de abril

Festival de Bandas da Academia Sons & Harmonia

A Academia Sons & Harmonia é uma associação musical e cultural sem fins lucrativos, com início da atividade no dia 13 de agosto de 2014; o festival de bandas decorre em maio.

Festival da Banda de Música da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários do Zambujal

Fundada em 3 de junho de 1863, é a Banda mais antiga do Concelho de Loures, mantendo a sua atividade ininterruptamente; o festival de bandas decorre em junho.

Festival de Orquestras do Clube União Recreativo de São Julião do Tojal

Com início de atividade a 8 de novembro de 1993; o festival de orquestras ligeiras decorre no mês de janeiro.

Festival de Orquestras da Sociedade Filarmónica União Pinheirense

A Orquestra da SFUPinheirense surgiu a 23 de março de 2003; o festival de orquestras decorre no mês de março.

Festival da Orquestra Ligeira da Sociedade Recreativa e Musical 1º de Agosto Santa Iriense

Tudo começou em 1986; o festival decorre em dezembro.

Festival Internacional de Percussão – PerCurtir

A 4ª edição ocorreu em 2019, organizada pelo Conservatório D’Artes de Loures. É um festival dedicado ao estudo do instrumento, com masterclasses e workshops diversos para todas as idades.

Festival de Música Moderna, Loures

Festival de Música Moderna, Loures

FOI NOTÍCIA

Mais de 800 músicos passaram, nos dias 22, 23 e 24 de novembro de 2019, pelo palco do Pavilhão Paz e Amizade, em Loures, na edição de 2019 do Festival Internacional de Bandas Filarmónicas. Em três dias dedicados à música, milhares de pessoas assistiram aos concertos das nove bandas filarmónicas do concelho e mais quatro bandas convidadas, entre elas duas bandas da comunidade valenciana, de Espanha.

Na noite de abertura, o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares, fez questão de lembrar que este “Festival Internacional de Bandas é um ponto alto da nossa programação cultural, que reflete a importância do trabalho que as bandas filarmónicas desempenham no nosso concelho”, acrescentando que “o apoio às bandas filarmónicas e a outras formações musicais, o empenho que pomos na Academia do Clarinete e no Meeting Internacional de Clarinete, bem como todo o trabalho feito nas bibliotecas, com o Brincar com a Música, ou a programação de qualidade do Música em SI Maior, para além de todo o trabalho que temos hoje nas escolas, em parceria com várias instituições de formação musical, que permitem levar a milhares de crianças o acesso à música, é um trabalho coerente, completo e que tem depois pontos altos de enormíssima qualidade, como os que vamos ter durante todo o fim de semana”, concluiu.

A manhã de domingo foi dedicada aos mais novos com um espetáculo para a infância e famílias, com o tema Os 50 anos da chegada do homem à Lua, interpretado por alunos das escolas de música das bandas, com encenação de grupos de teatro escolar do concelho.

O Festival Internacional de Bandas Filarmónicas encerrou com uma atuação conjunta, dirigida pelo maestro da banda convidada, Diogo Gomes, interpretando a Marcha 4 de Outubro, encomendada especialmente para este Festival.

Ao longo de todo o fim de semana esteve também patente no Pavilhão Paz e Amizade, a exposição Sons em Marcha, que pretende dar a conhecer a sonoridade dos vários instrumentos, a forma como se complementam e a sua importância no conjunto sonoro da banda filarmónica, num projeto concebido e produzido pela Realizasom, que gentilmente a cedeu, para ser apreciada pelos milhares de pessoas que passaram por este Festival Internacional de Bandas Filarmónicas.