João Xavier, pianista, de Lousada
Músicos naturais do Concelho de Lousada

Projeto em desenvolvimento, o Musorbis tem como objetivo aproximar dos munícipes os músicos e o património musical.

  • Celestino Borges de Sousa (compositor litúrgico, 1930-1999)
  • Guilherme Felgueiras (etnógrafo, 1890-1990)
  • Hélder Coelho (maestro, 1979)
  • João Xavier (pianista, 1994)
  • Serafim Nunes Chamusca (maestro, compositor, 1901-1969)
Hélder Coelho
Hélder Coelho, maestro, de Lousada

Hélder Coelho, maestro, de Lousada

Hélder Filipe Ribeiro Coelho nasceu em Lousada a 07 de março de 1979, tendo iniciado os estudos musicais aos 10 anos, na Banda Musical de Lousada, com o seu pai. Mais tarde ingressou na Escola Profissional e artística do Vale do Ave – ARTAVE, onde concluiu o curso de Instrumentista de Sopro na classe de Trompete com Paulo Silva, com a classificação final de 19 valores.

Em 1999 foi vencedor do Concurso Nacional de Trompete em Castelo de Paiva e finalista do nível superior do Concurso Jovens Músicos Portugueses da RDP. Após Concurso Nacional e Internacional obteve um lugar nos Quadros da Orquestra de Jovens Músicos da União Europeia. Foi 1º Trompete da Orquestra Sinfónica ARTAVE, Orquestra Filarmonia da Beiras, Orquestra Sinfonia B, Orquestra das Escolas Particulares da Musica, Grupo de Metais do Porto e Quinteto de Metais North Brass.

Em 2011 foi Professor Convidado pela Escola Profissional de MÚsica de Mirandela, para lecionar classe de aperfeiçoamento de Trompete. Trabalhou sob direção de maestros Ernest Shelle, Francisco Ribeiro, kevin Wauldron, Cesário Costa, Maciel Matos, Juan Trill, Emilio de Cesar, Marc Shuster, Pietro Mianitti, Fernando Eldoro, Délio Gonçalves, Leonardo Barros. Frequentou classes de aperfeiçoamento com Andre Henry, Philip Smith, Kevin Waldroun, Pierre Duttot, Jouko Harjane, Guy Touvron, Richard Steuart e Ryan Anthony.

Como maestro foi convidado para assumir a regência da Banda Filarmónica de Pevidém, no Certame Internacional de Bandas, em Silleda – Espanha. Tem frequentado classes de aperfeiçoamento de Direcção com Cristopher Millet, Jo Conjaerts e Emilio de Cesar. Foi maestro da Banda Filarmónica de São Mamede de Ribatua de 2000 a 2003. De 2003 a 2007 foi Maestro-Adjunto e Coordenador da Escola de Música da Banda de Pevidém. Desde 2011 é Maestro da Banda da Sociedade Filarmónica Recreio Alverquense – SFRA. Exerce funções como 1º sargento Músico dos Quadros da Banda da Armada Portuguesa.

João Xavier

João Xavier, pianista, de Lousada

João Xavier, pianista, de Lousada

Serafim Nunes Chamusca

O maestro e compositor Serafim Nunes Chamusca nasceu em Nespereira, Lousada, a 4 de janeiro de 1901. Iniciou os estudos musicais aos 11 anos de idade sob a direção de seu pai, António Nunes Chamusca, que na época Maestro da Banda de Música de Lousada. Aos 18 anos entrou ao serviço do Exército onde ingressou na Banda de Música do Regimento de Infantaria e onde alcançou o posto de Primeiro-sargento Músico. Completou os cursos de Composição e Direção de Orquestra.

Em 1937 foi diretor musical do Rancho Folclórico Flores de Portugal da Figueira da Foz e de outras bandas filarmónicas da época.
Após a sua aposentação do Serviço Militar dedicou-se mais do que nunca à composição e foi nessa altura que compôs uma grande parte das suas obras. Em 1956 foi maestro da Filarmónica de A-da-Gorda a quem deixou algumas das suas composições escritas especificamente para esta banda.

Em 1960 aceitou dirigir durante quatro anos a Orquestra Típica Albicastrense. Sob a sua direção artística esta Orquestra passou a dispor de um coro masculino e feminino para complemento dos seus solistas e que fez várias atuações pelo País inclusive na Rádio Televisão Portuguesa em 1962. Durante esse período exerceu também as funções de Professor de Música da Escola Industrial e Comercial de Castelo Branco. Entre 1964 e 1967 foi maestro da Banda da Maiorga e professor de música da Escola Técnica de Alcobaça, cidade onde faleceu a 31 de julho de 1969.

Em 2014, a Filarmónica da Maiorga homenageou o maestro Serafim Chamusca, que esteve em Alcobaça entre 1964 e 1967, foi Maestro da Banda da Maiorga e professor de música da Escola Técnica de Alcobaça. Apesar da sua curta passagem pela Maiorga, é considerado um dos mais importantes elementos no desenvolvimento musical da Banda Filarmónica Maiorguense e também da música no concelho de Alcobaça. Com uma vida dedicada à música filarmónica, este Maestro deixou um vasto conjunto de composições e arranjos neste tipo de música. A homenagem contou com a presença do secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, e do secretário de Estado do Orçamento, Hélder Reis, um maiorguense, que enalteceu a figura do maestro.

“Estamos a fazer a homenagem ao maestro Serafim Chamusca, e o objetivo é realçar a cultura musical e a importância das bandas filarmónicas, que têm desenvolvido um trabalho local de imensa importância cívica. Realçá-lo é o que devemos fazer e é isso que estamos hoje aqui a fazer”, disse o secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier Por seu turno, Hélder Reis, secretário de Estado do Orçamento, recordou ter feito a sua formação musical, entre os 6 e os 18 anos, na banda da Maiorga.

“Não tive o prazer de conhecer o maestro, que morreu no ano em que eu nasci. Quando cheguei à banda, ouvi falar nele. Fiz a minha formação musical na Sociedade Maiorguense, estudei em Alcobaça, dou valor a essa minha experiência e ao trabalho que o governo tem vindo a fazer em matéria de reconhecimento das Bandas Filarmónicas, tendo decretado o dia 1 de setembro como o dia das Bandas Filarmónicas”, disse.

TOPONÍMIA MUSICAL

Em Nespereira, Lousada, distrito do Porto, um arruamento perpetua a sua memória:

Rua do Mestre Serafim Nunes Chamusca 4620-912 Nespereira Lsd (GPS: 41.252327, -8.295404)

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *