Igreja de Nossa Senhora da Maia

Órgãos de tubos do concelho da Maia [6]

De acordo com as informações disponíveis, existem órgãos de tubos nas seguintes igrejas do Concelho:

Igreja de Águas Santas

Igreja matriz de Águas Santas

Igreja matriz de Águas Santas

Na Igreja Matriz de Águas Santas, ou Igreja Paroquial de Nossa Senhora do Ó existe um órgão de tubos histórico de tipo ibérico, de autor desconhecido, do século XVIII, restaurado em 1999 por António Simões.

Igreja de Gueifães

Igreja matriz de Gueifães

Igreja matriz de Gueifães, Maia

A Igreja Matriz de Gueifães, ou Igreja Paroquial, de São Faustino, possui um órgão histórico de tipo ibérico, de um teclado manual e doze meios registos [ I;(6+6) ] construído por Manuel Sá Couto, c. 1810, restaurado pela Oficina e Escola de Organaria, em 1999, opus  27.

Igreja de Milheirós

Igreja de Milheirós, Maia

Igreja Matriz de Milheirós, Maia

A Igreja Paroquial de São Tiago de Milheirós possui um órgão histórico de tipo ibérico de Manuel de Sá Couto, construído por volta de 1800, restaurado em 1992 por António Simões.

Igreja de Moreira da Maia

Igreja do mosteiro de Moreira da Maia

Igreja do mosteiro de Moreira da Maia

A Igreja Matriz ou Paroquial do Divino Salvador, do antigo mosteiro de Moreira (de crúzios) dispõe de um órgão histórico alemão Arp Schnitger, construído em 1701.

Enquadramento

Órgão Arp Schnitger da Igreja do Mosteiro de São Salvador de Moreira da Maia

Órgão Arp Schnitger da Igreja do Mosteiro de São Salvador de Moreira da Maia, créditos João Santos

Órgão e tribuna própria

Órgão Arp Schnitger da Igreja do Mosteiro de São Salvador de Moreira da Maia

Órgão Arp Schnitger da Igreja do Mosteiro de São Salvador de Moreira da Maia, créditos João Santos

Manuais

Órgão Arp Schnitger da Igreja do Mosteiro de São Salvador de Moreira da Maia

Órgão Arp Schnitger da Igreja do Mosteiro de São Salvador de Moreira da Maia, créditos João Santos

Igreja de Silva Escura

A Igreja Paroquial de Santa Maria de Silva Escura possui um órgão histórico de tipo ibérico da autoria de Manuel de Sá Couto, construído no séc. XIX.

Igreja de Nossa Senhora da Maia

Igreja de Nossa Senhora da Maia

Igreja de Nossa Senhora da Maia

A Igreja de Nossa Senhora da Maia, da paróquia de São Miguel da Maia, possui um grande órgão Siegfried Schmid, inaugurado em 2019.

Grande órgão Siegfried Schmid, 2019

Grande órgão da Igreja de Nossa Senhora da Maia

Grande órgão da Igreja de Nossa Senhora da Maia

FOI NOTÍCIA

A paróquia da São Miguel da Maia celebrou, na sua moderna igreja de Nossa Senhora da Maia, situada no centro da cidade, de 10 a 13 de outubro de 2019 um acontecimento que reúne três nobres dimensões da pessoa e da sociedade humana: a dimensão da arte, a dimensão da liturgia e a dimensão da cultura.

“O acontecimento ocorre por ocasião da celebração este ano das festas de Nossa Senhora da Maia, que se comemora em 11 de outubro, com a inauguração do novo Órgão de Tubos, cuja instalação se encontra em fase de acabamento, a afirmar-se na data do 27.º aniversário da dedicação da igreja por D. Júlio Tavares Rebimbas (11 de outubro de 1992 – ver Voz Portucalense de 15-10-1992).

A instalação deste grandioso órgão é uma iniciativa da paróquia, com a colaboração da Câmara Municipal e de diversas entidades e pessoas do concelho de Maia.

O órgão foi construído pelo organeiro alemão Siegfried Schmid, da empresa alemã Orgelbauwerkstätte, e conta com um investimento da ordem dos 600 mil euros. O órgão é composto por 2152 tubos, com tamanhos que vão de alguns centímetros a vários metros, comandados por 36 registos e três teclados manuais e um teclado de pedaleira de duas oitavas e meia.

O órgão possui três valências complementares: um conjunto dito “positivo”, indicado para música antiga, que integra o grande órgão, construído ao estilo barroco, e uma caixa de ressonância expressiva designada “Schwellenwert” adaptada ao estilo romântico. Os tubos receberão uma afinação que procura responder às características acústicas da igreja.

A montagem do instrumento, inteiramente original mas inspirado no órgão da igreja da Lapa, no Porto, foi feita ao longo de mais de um mês. A riqueza do som do órgão de tubos aproxima-se do de uma orquestra, com sonoridades diferentes como os diferentes instrumentos. O P. Domingos Jorge, pároco da Maia, salienta que a orientação para a construção foi conduzida pelo Cónego António Ferreira dos Santos.

O programa da inauguração, entre 10 e 13 de outubro, teve vários momentos: na noite de quinta-feira 10, a partir das 21h, faz-se um “Brinde ao órgão”, em que os participantes são convidados a adquirir um cálice de vinho do Porto, cujo produto reverte para a ajuda à sua construção. Os participantes puderam assim sentir-se implicados e colaboradores na sua presença naquele espaço.

Na sexta-feira, dia 11 de outubro, às 21h, o Bispo do Porto, D. Manuel Linda, procedeu à bênção do órgão, seguida pelo concerto inaugural, pelo organista Filipe Veríssimo.

No domingo 13 de outubro, previu a Eucaristia da Festa, presidida pelo Bispo do Porto, D. Manuel Linda, com o coro da paróquia, dirigido por Tiago Ferreira, maestro do Coro da , seguida de procissão da Senhora da Maia. Nesse mesmo dia 13 de outubro pelas 21.30h haveria um concerto pelo organista Rui Soares. Dia 20 de outubro seria a vez do organista Daniel Ribeiro e a 27 o concerto de Tiago Ferreira.

Sobre sentido e dimensão desta iniciativa, afirma o Cónego António Ferreira dos Santos:

O Órgão de Tubos vai buscar os sons da natureza para os oferecer, os lançar sobre os elementos da Assembleia, potenciando-lhes, desse modo, os sentimentos interiores de alegria ou de tristeza, de júbilo ou de meditação, de súplica e ação de graças, perante Deus, o Senhor. A multiplicidade e diversidade das suas “cores” musicais (do suave ao gritante, do pianíssimo ao fortíssimo) provocam vibrações impressionantes, variadas e inesperadas, no interior do ser humano. Isto é, as possibilidades sonoras do Órgão de tubos conseguem lançar os homens, reunidos na celebração da sua fé, para a grandeza e glória de Deus.

D. Manuel Linda, Bispo do Porto, afirma:

Seja, então, este novo órgão da Maia expressão de uma assembleia crente que atinge níveis muito altos de celebração litúrgica e «motor» que reforça e dinamiza essa capacidade orante. Mas que seja sempre e só um “instrumento”. Isto é, um meio, e nunca um fim, para o suporte do coro e da assembleia e um potenciador dos sentimentos daqueles que se reúnem para louvar, agradecer e pedir os favores divinos. Muitos parabéns a quem o sonhou, o desejou, o adquiriu e nele investiu valores e expectativas precisamente a pensar nestas funções.

Por sua vez, o Presidente da Câmara da Maia, António Silva Tiago, afirmou:

Doravante, o concelho da Maia, mais propriamente a comunidade humana que somos, vai poder assistir e desfrutar de experiências artístico-musicais invulgares, quer pelas extraordinárias caraterísticas acústicas da Igreja de Nossa Senhora da Maia, como pela acrescida singularidade do seu Órgão de Tubos, cuja sonoridade promete tocar a nossa sensibilidade, espiritual ou intelectual, ao belo musical.

FONTE: