Bruno Correia, maestro, de Mangualde, no Teatro Principal de Pontevedra
Músicos naturais do Concelho de Mangualde

Projeto em desenvolvimento, o Musorbis aproxima os munícipes e os cidadãos do património musical e dos músicos do Concelho.

  • Bruno Correia (direção)
  • Cheila Vanessa (flauta transversal)
  • Emanuel Amaral (trompetista)
  • Guilherme Mendes (percussão)
  • Joana Neves
  • José dos Santos Pinto (oboísta, compositor)
  • Miguel Rodrigues (bateria)
  • Patrícia Marques
  • Pedro Nunes (trombonista)
  • Rui Nunes (trompista)
  • Tiago Marques (cantor)
  • Tiago Mendes (trombone, direção)
Bruno Correia

Bruno Alexandre dos Santos Teles Correia nasceu em Lobelhe do Mato no dia 8 de novembro de 1984. Iniciou os estudos musicais básicos aos 10 anos de idade na Escola de Música Manelux (Mangualde) na classe de Órgão, e aos 11 anos ingressou na Escola de Música da Sociedade Filarmónica Lobelhense.

Bruno Correia

Bruno Correia, maestro, de Mangualde, no Teatro Principal de Pontevedra

Bruno Correia, maestro, de Mangualde, no Teatro Principal de Pontevedra

Em 1997 integrou a Banda Filarmónica como clarinetista e em 2008 integrou o corpo docente da Escola de Música da Sociedade Filarmónica Lobelhense, assumindo o cargo de Coordenador desde 2011. É o organista titular da Igreja Paroquial de Lobelhe do Mato desde 1998.

Paralelamente, entre 2004 e 2009, frequentou o Conservatório de Música de S. José da Guarda, nas classes de Clarinete, Piano e Formação Musical, tendo como professores Dina Soares (Clarinete), César Cravo (Clarinete), João Pedro Delgado (Formação Musical), Eugénia Paula (Formação Musical), Luís Figueiredo (Classe Conjunto) e Domenico Ricci (Piano). Como clarinetista frequentou cursos de aperfeiçoamento interpretativo e estágios de orquestra de sopros, trabalhando com os professores César Cravo, Dina Soares, Isabel Tavares, José Belinho, António Monteiro, João Pedro Santos e Cândida Oliveira.

Licenciado em Educação Musical pela Escola Superior de Educação da Guarda, exerce a sua profissão desde o ano de 2007 nas disciplinas de Expressão Musical em Jardins de Infância, Ensino da Música nas Atividades de Enriquecimento Curricular do 1º Ciclo e Educação Musical no 1º e 2º Ciclos.

Com vista à sua formação a nível de Direção de Orquestra de Sopros, tem participado em ações de formação organizadas por várias entidades, tendo já trabalhado com os maestros Henrique Piloto (Direção Coral), António Saiote, Valdemar Sequeira, Hélder Abreu, Alberto Roque, André Granjo e Luís Clemente. Frequentou a Academia Europeia de Direção de Banda (com Sede em Fornos de Algodres) desde 2014 até 2020, tendo como professores os maestros Javier Viceiro, Rafa Agulló Albors, Jan Cober e Bart Picqueur (Direção de Orquestra), Toni Cantal e Andrés Alvarez (Análise, Formação Auditiva, Orquestração e Transcrição), André Granjo (Direção de Orquestra e Repertório) e ainda como professor convidado para as Masterclasses de Direção de Orquestra Clássica o Maestro Jean-Sébastien Béreau.

Atualmente, é o Maestro/Diretor Artístico da Sociedade Filarmónica Lobelhense (Mangualde) desde janeiro de 2011, É professor de Educação Musical nos 1º e 2º ciclos no Colégio da Imaculada Conceição (Viseu) desde 2007 e professor de Iniciação Musical na Academia de Música de Fornos de Algodres desde 2019.

José dos Santos Pinto

Oboísta, pedagogo e compositor, José dos Santos Pinto nasceu em Mangualde em 1915. Formou-se no Conservatório Nacional, onde viria a ser professor durante largos anos, e no Conservatoire Nationale de Musique. Durante a sua vida, passou pela Banda Regimental de Viseu, Banda da Guarda Nacional Republicana, Orquestra Filarmónica de Lisboa, Orquestra do Teatro Nacional de São Carlos, Orquestra da Emissora Nacional e Quinteto Nacional de Sopros.

Como compositor deixou poemas sinfónicos, concertinos, sonatas, marchas, entre outros. Patenteou ainda um oboé original, que nunca chegou a ser fabricado em série. José dos Santos Pinto – Retrato de um músico profissional durante o Estado Novo, é um livro de Ana Margarida Cardoso, Edições Colibri 2019.

Tiago Marques

Residente em Quintela de Azurara, freguesia do concelho de Mangualde, Tiago Marques é iniciou em 2011 o gosto musical como entertainer de karaoke. Em 2015 criou o seu primeiro single original que tem como nome esse mesmo trabalho de “pensa em mim” juntamente com uma equipa de produção musical.

Em 2016 realizou novos trabalhos de novos temas discográficos, e realizou o primeiro videoclip feito por uma equipa fotográfica mangualdense em vários pontos importantes de da cidade de Mangualde. Em 2018, voltou ao trabalho do seu mais recente single que tem como titulo “Je t’aime, mon amour”. A gravação do single foi elaborada no Studio Song em Águeda, pelo produtor José Carlos Monteiro contando com o apoio e colaboração do cantor Mangualdense “ Zezito”. O trabalho de imagem de videoclip foi elaborado por José António Mendes e Carina Albuquerque, tendo a participação do próprio interprete  e, como figurante, Elisabete Silva.

Tiago Marques

Tiago Marques, cantor, de Mangualde

Tiago Marques, cantor, de Mangualde

Fontes: Bruno Correia facultou as informações relativas a Emanuel Amaral (trompetista), Pedro Nunes (trombonista), Guilherme Mendes (percussão), Tiago Mendes (trombone, direção) , Rui Nunes (trompista), Patrícia Marques, Cheila Vanessa (flauta transversal), Joana Neves, Miguel Rodrigues (bateria).

Queres destacar-te? Clica AQUI.

Destaca-te no Musorbis

Destaca-te no Musorbis

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *