Grupo de Folclore As Lavadeiras da Ribeira da Lage
Folclore em Oeiras

Grupos etnográficos, tradições e atividades no Concelho

  • Região: Estremadura – Estremadura Centro Saloia
  • Distrito: Lisboa
  • Concelho: Oeiras

07 grupos

  • Grupo de Folclore As Lavadeiras da Ribeira da Lage
  • Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega
  • Rancho Folclórico As Macanitas de Tercena
  • Rancho Folclórico Flores da Beira
  • Rancho Folclórico Infantil e Juvenil da Pedreira Italiana
  • Rancho Folclórico Os Minhotos da Ribeira da Lage
  • Rancho Folclórico Os Rancheiros de Vila Fria
Grupo de Folclore As Lavadeiras da Ribeira da Lage

O Grupo de Folclore As Lavadeiras da Ribeira da Lage, está sediado no lugar da Lage, freguesia de Porto Salvo e concelho de Oeiras. Nascido em 1978,  tem como objetivo preservar a tradição saloia da região envolvente à Ribeira da Lage e dos locais por onde ela passa. Surge em particular destaque a lavadeira. Esta, pelo facto de se deslocar à capital com frequência, viria a tornar-se a mais emblemática figura saloia.

Grupo de Folclore As Lavadeiras da Ribeira da Lage

Grupo de Folclore As Lavadeiras da Ribeira da Lage

Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega

O Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega foi fundado a 19 de Abril de 2013. Pretende ser um lídimo representante das tradições, usos, costumes, folclore e etnografia das Terras da Nóbrega (que se encontram na sua maioria representadas geograficamente pelo atual Concelho de Ponte da Barca no nordeste da Província do Minho).  Sediado em Carnaxide, no Concelho de Oeiras, o grupo foi formado por um grupo de folcloristas, a maioria já com vários anos de experiência noutros agrupamentos de folclore minhoto. Contam com diversos anos de estudo, pesquisa e recolha naquela região fazendo do seu espólio de danças e cantares, lendas e narrativas, usos e costumes, trajes e indumentárias. Desde a sua fundação, a liderança técnica e executiva do Grupo está nas mãos de José Artur Brito.

GFTN

Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega

Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega

Rancho Folclórico As Macanitas de Tercena

A Associação Cultural de Tercena, dedica-se desde 1990, às atividades de Folclore, Teatro e Música, mantendo ao seu serviço várias dezenas de jovens. Danças como o «Milho Rei», «o Zé das Castanhas» e «Aleluia», são preciosidades do passado que são cantadas e dançadas em exclusivo por este grupo. Em 2001, o Rancho foi agraciado com a medalha de Mérito Municipal «Grau Cobre», da Câmara Municipal de Oeiras.

RFMT

Rancho Folclórico As Macanitas de Tercena

Rancho Folclórico As Macanitas de Tercena

Rancho Folclórico Flores da Beira

A Associação nasceu em 1987 com o intuito divulgar a cultura e tradições da região de Lafões no concelho de Oeiras, pelo País e no estrangeiro. Os seus fundadores tinham em mente criar uma instituição que pugnasse pelos interesses e bem estar dos residentes do lugar do Casal da Choca e de todos os lafonenses residentes no concelho de Oeiras ou nos concelhos limítrofes. O seu crescimento e a visão desta coletividade seria regida com princípios de cooperação solidariedade e igualdade entre todos os associados. Com trabalho árduo, conta ainda com os apoios da Câmara Municipal de Oeiras, de patrocinadores e amigos. A coletividade é um símbolo de inegável valor para o bairro do Casal da Choca e da sua freguesia, Porto Salvo, e um elemento agregador das gentes lafonenses e de todos os amantes ou simpatizantes do folclore e da cultura popular.

RFFB

Rancho Folclórico Flores da Beira

Rancho Folclórico Flores da Beira

O Rancho Infantil Flores da Beira foi fundado 1 de maio de 1997. Inicialmente era designado Escola de Folclore do Rancho Folclórico Flores da Beira, escola fundada em 1996 que pretendia ensinar aos mais novos os primeiros passos de folclore. Apresentou-se pela primeira vez em novembro de 1996 num magusto da coletividade com cerca de 15 elementos com idades entre os 3 e os 10 anos. Bailou modas que haviam sido bailadas pelo Rancho Adulto, 9 anos antes, aquando o seu início. A direção decidiu que tinha chegado o momento certo de para passar de Escola a Rancho Infantil. As modas, cantadas e bailadas outrora pelos nossos antepassados reportam-se os recreio das escolas e as Festas ou Romarias. Estas caracterizam-se por modas de roda simples mas de grande beleza para quem observa. Todas as modas do rancho são acompanhadas por uma tocata, símbolo de gente pobre e pacata desses tempos, onde se salienta a viola e a gaita-de-beiços. O Rancho Infantil Flores da Beira tem participado em Festivais de Norte a Sul do País, bem como em programas de televisão, festas e romarias.

O Grupo de Cantares Flores da Beira teve como origem a vontade expressa por todos os elementos que compõem o referido grupo em participarem numa atividade deste género cultural. Teve inicio em 2008 e a sua estreia foi na sede da associação no âmbito da comemoração do seu 21º aniversário. O grupo é composto por 10 elementos, dividindo-se por 5 cantadeiras, 1 acordeonista, 2 violas, 1 bombo e ferrinhos. O grupo tem tido várias atuações, tendo-se deslocado a Tábua (Vila Seca), Alcofra e outras localidades.

Rancho Folclórico Infantil e Juvenil da Pedreira Italiana

O Rancho Folclórico Infantil e Juvenil da Pedreira Italiana é uma associação de natureza etnográfica, sediada em Pedreira Italiana, na freguesia de Paço de Arcos, no concelho de Oeiras, constituída a 12 de outubro de 1993.

RFIJPI

Rancho Folclórico Infantil e Juvenil da Pedreira Italiana

Rancho Folclórico Infantil e Juvenil da Pedreira Italiana

Rancho Folclórico “Os Minhotos” da Ribeira da Lage

A Ribeira da Lage é uma localidade da freguesia de Porto Salvo, concelho de Oeiras, a escassa distância de Lisboa, devendo o seu nome a um dos afluentes do rio Tejo que nasce na serra de Sintra. Corria o ano de 1978 quando um grupo de minhotos que aí residiam e trabalhavam decidiu juntar-se para confraternizar, preservar as suas raízes culturais e dar a conhecer o folclore da nossa região. Assim nasceu o Rancho Folclórico “Os Minhotos” da Ribeira da Lage.

Tem por objetivo divulgar o tradicional folclore e as tradições minhotas pelo país. Ao longo do ano são vários os eventos promovidos pelo grupo entre os quais o Encontro de Tradições, o Festival de Inverno, o Aniversário do Rancho e um Encontro de Concertinas.

Apresenta Chulas, Cana Verdes, Viras e outras músicas que fazem parte da tradição do Alto Minho. O grupo é formado por cerca de 45 elementos entre dançarinos e tocata. A tocata é composta pela concertina, as castanholas, o bombo, os ferrinhos, o cavaquinho, a viola, o reco-reco, a pandeireta. Representam os mais variados concelhos e freguesias da região. Exibe trajes domingueiros e de trabalho, de mordoma e de dó, traje da Areosa e à vianesa.

Rancho Folclórico Os Rancheiros de Vila Fria

O Grupo Cultural de Vila Fria iniciou a sua atividade na Festa da Imaculada Conceição, a 08 de dezembro de 1982. Teve origem numa festa de encerramento de catequese organizada em junho desse ano na qual foram representadas pequenas peças de teatro e algumas danças populares. Em 06.02.1984 foi lavrada escritura e os seus estatutos foram publicados em Diário da República a 02.03.1984.

RFRVF

Rancho Folclórico Os Rancheiros de Vila Fria

Rancho Folclórico Os Rancheiros de Vila Fria

O rancho adquiriu a denominação de “os Rancheiros” devido a uma tradição centenária que entretanto se perdeu. Os rancheiros, ou romeiros, eram grupos de pessoas que se deslocavam em romaria à igreja de Nossa Senhora de Porto Salvo dançando e cantando as modas da sua terra. É formado essencialmente por jovens e o seu repertório apresenta danças e cantares de todo o país. Os trajes representam as diversas regiões de Portugal e o traje de rancheiro é apresentado como alusão à tradição. Desde a sua fundação o rancho folclórico é ensaiado pela Dna Odete Varanda, que tem sido a força e a alma deste rancho.

O Rancho tem atuado de Norte a Sul do País, sendo uma habitual presença em diversos festivais de folclore. Em 1997 deslocou-se em digressão aos Açores onde atuou em várias ilhas do arquipélago. Em 1998 foi um dos ranchos convidados para participar na Exposição Mundial de Lisboa. Em 1999 participou na Gala Internacional de Folclore de Mangualde e em 2001 organizou a I Gala Internacional de Folclore de Vila Fria. Participou no anúncio publicitário “Ligue” da Antena1, ilustrando a música popular portuguesa.

A atividade do Grupo Cultural de Vila Fria não se resume apenas ao rancho folclórico. Participa anualmente no Desfile de Marchas Populares do Concelho de Oeiras e tem ainda em atividade vários ateliês de dança, canto, música e ginástica. Participa anualmente na Mostra de Teatro Amador do Concelho de Oeiras, com o seu grupo cénico “Oficina de Teatro”.

Até 2000, a Associação funcionou em instalações cedidas por diversas entidades oficiais e particulares. A 07 de julho de 2000, o Presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, inaugurou a nova sede social desta associação, cuja construção foi totalmente financiada pela edilidade.

EVENTOS

Entre os eventos realizados em Oeiras, destaca-se a Mostra de Folclore de Oeiras, que apresenta os grupos etnográficos do Concelho. Em 2019, decorreu no Quartel dos Bombeiros Voluntários de Barcarena.