Capela de São Francisco, Freamunde
Órgãos de tubos do concelho de Paços de Ferreira [1]

No início do século XVIII já existia uma pequena ermida ou oratório dedicado a São Francisco, onde funcionava uma confraria, que dispunha de alguns recursos. Apenas é possível perceber que esta primeira construção foi demolida em 1734, para dar lugar à capela que hoje conhecemos, oficialmente sagrada em 1743. No lintel da porta, a data de 1737 corresponde, muito possivelmente, à conclusão dos trabalhos de pedraria, prolongando-se, nos anos seguintes, a campanha decorativa do interior. A fachada principal, com pilastras nos cunhais, encimada por um pináculo e, do lado oposto, pela torre sineira, termina em empena interrompida por um brasão encimado por cruz. Ao centro, abre-se o portal de verga curva, com cornija saliente e frontão triangular interrompido pelo nicho que, por sua vez, é flanqueado por duas janelas de linhas retas. No tímpano, e beneficiando de um maior destaque, encontra-se o emblema da Irmandade. A sineira é coroada por um frontão de volutas.

Capela de São Francisco, Freamunde

Capela de São Francisco, Freamunde

Tal como nas restantes fachadas, também a principal é caracterizada por uma enorme depuração, numa arquitetura chã que concentra no eixo vertical do portal os elementos de maior decorativismo e simbolismo. No interior, de nave única e capela-mor retangulares, revestem-se de especial interesse os diversos elementos de talha dourada e polícroma e, em particular os retábulos colaterais, cortando os ângulos da nave e o retábulo-mor. É possível que todos estes trabalhos sejam já de época posterior, uma vez que acusam alguma depuração mais próxima de um gosto neoclássico. O teto, em estuque, exibe motivos geométricos. Após a reconstrução da igreja teve início a obra da Casa-Hospício, entregue à Ordem Terceira de São Francisco. Esta liga-se ao templo através de um muro com merlões aberto por dois portões, e o seu edifício pauta-se por um enorme despojamento. Este conjunto arquitetónico forma um adro no qual se encontra o cruzeiro, aqui implantado desde 1992.

Fonte: DGPC, Rosário Carvalho

Órgão de um teclado manual [ I;(5+6) ] construído por Manuel Sá Couto, c. 1810, restaurado pela Oficina e Escola de Organaria (Esmoriz), em 1999, opus 28.

O órgão de tubos da Capela de S. Francisco de Freamunde é um instrumento típico ibérico. Foi construído no inicio do século XIX, possivelmente por Manuel de Sá Couto. Este organeiro que viveu nesta época é autor de outros órgãos no Porto, como o da Igreja de Lordelo do Ouro ou o da Igreja da Ordem Terceira de S. Francisco; ou o da Senhora da Abadia de Braga.

No primeiro semestre de 1999, este instrumento foi restaurado pela oficina e Escola de Organaria e com a colaboração do mestre-organeiro Harm Kirschner. O restauro da pintura foi feito pelo Senhor José Rocha.

Durante estes trabalhos procurou-se recuperar o instrumento para a sua entidade original, tanto na vertente arquitetónica como na vertente tímbrica. O órgão foi desmontado e limpo; o someiro foi metodicamente restaurado, assim como a mecânica das notas e registos. O fole e contrafole foram restaurados, tendo sido forrados com peles novas; ficou assim garantido o possível uso do instrumento “dando ao fole”. O órgão foi colocado em cima de um estrado, debaixo do qual se encontra o novo ventilador que alimenta o fole. Os tubos foram cuidadosamente limpos e reparados. A pintura original foi posta a descoberto. Assim se conseguiu redescobrir a sonoridade original, muito homogénea, forte mas não gritante.

Pedro Guimarães von Rohden, Mestre-organeiro, blogue Freamundense