Nome Novo, Sinfonia nº. 6 de Jorge Salgueiro
Música dedicada a Palmela

O Nome Novo

É Palmela o Nome Novo.
Podia ser Mar,
Pinhal ou Anjo;
Fraternidade, Liberdade, Chuva, Sol ou Beijo.
Nos seus dedos nasceu a música.
Do pó das terras jorrou o vinho.
As serras pariram ovelhas,
o céu um castelo
e o pintor as maçãs.
Máquinas de ferro voam do Pinhal ao firmamento.
Nascem naves novas nas nascentes digitais do Anjo.
Vamos partir
Rumo ao futuro
A nave é
Palmela.

Nome Novo, Sinfonia nº. 6 de Jorge Salgueiro

Nome Novo, Sinfonia nº. 6 de Jorge Salgueiro

Em Palmela, a cultura, e em particular a música, é parte significativa da estratégia do município para o desenvolvimento sustentável do território.

O Município entende a música como lugar de encontro, fator de diferenciação e de afirmação das identidades culturais vigentes. É pela diversidade de expressões musicais e pela dimensão que o ensino e a prática da música têm neste território, que se afina, mas é também na música que encontra a substância que lhe permite criar percursos, gerar relações e caminhar.

Os recursos culturais, como a música, são elementos distintivos numa cidade: qualificam-na, geram emprego, reforçam a cidadania e a coesão social, (re)afirmam as identidades coletivas.

A criatividade, internacionalmente reconhecida como alavanca essencial para o desenvolvimento urbano sustentável, a par com a inovação e com o conhecimento, é um fator de desenvolvimento sustentável no território, que está presente na estratégia de desenvolvimento do município ao longo das últimas décadas. A música tem no território de Palmela um fantástico ecossistema, que tem gerado gerações de músicos. É um concelho com 62.000 habitantes e com 4 filarmónicas centenárias, o que atesta a vocação musical da nossa população, que não se fica pela filarmonia. São muitos os agrupamentos musicais e associações que fazem da música o seu dia-a-dia, do folclore ao jazz, da música popular à mais erudita.

As escolas de música mais informais, acompanham o notável trabalho desenvolvido pelas escolas das filarmónicas que culminam no conservatório regional, onde as aprendizagens se apuram sob a direção de especialistas dos vários instrumentos.

Em Palmela, o ensino da música é de tal forma transversal, que não se fica pelos tradicionais solfejos do ensino clássico e dá lugar às aprendizagens compassadas dos ritmos das percussões tradicionais, ou dos sons seculares das gaitas de fole. A música é razão e pretexto para encontros e festivais, complementa, ilustra e anima romarias e festas populares e cria momentos únicos quando se liga com os vinhos que também caracterizam esta terra.

Palmela é território onde habita o único Museu da Música Mecânica do país.

A cultura viva de Palmela é o seu ponto de equilíbrio. O seu trabalho é criar oportunidades para revelar, desenvolver e potenciar os talentos existentes. É este o desafio que persegue: potenciar a criatividade local, desenvolvendo o ambiente propício à transformação dessa criatividade em produtos culturais.

Fonte: C.M. Palmela