Rancho Folclórico da Casa do Povo de Pinhal Novo
Folclore em Palmela

Grupos etnográficos, tradições e atividades

  • Região: Estremadura – Estremadura Sul
  • Distrito: Setúbal
  • Concelho: Palmela

04 grupos

  • Rancho Folclórico da Casa do Povo de Pinhal Novo
  • Grupo Folclórico Danças e Cânticos Olhos de Água
  • Rancho Folclórico Os Fazendeiros das Lagameças
  • Rancho Folclórico Os Rurais Lagoa da Palha e Arredores
Rancho Folclórico da Casa do Povo de Pinhal Novo

O Rancho Folclórico da Casa do Povo de Pinhal Novo foi fundado a 15 de dezembro de 1986, com crianças. Dois anos depois foi formado o rancho adulto. Teve entre os fundadores, José Pedro Mestre, músico da SFUA, Sociedade Filarmónica União Agrícola do Pinhal Novo, Rosa Ricardo, Deolinda Polido (ensaiadora, era nesses anos um dos elementos do Rancho Folclórico da Palhota e Venda do Alcaide), o pai Francisco Polido e a própria Elsa Pires, como acordeonista. Contaram posteriormente com o ensaiador Acácio Guerreiro, do Rancho das Praias do Sado. Nesses anos os ensaios realizavam-se na Casa do Povo.

CFCPPN

Rancho Folclórico da Casa do Povo de Pinhal Novo

Rancho Folclórico da Casa do Povo de Pinhal Novo

O rancho tem uma sede e conta com apoio da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia.  É membro da Federação do Folclore Português e sócio da Fundação INATEL. Desde 2019 é ensaiado por Chico da Cana e tem cerca de 35 elementos, divididos pelo grupo de dança, pela tocata (acordeão, bilha, cana, ferrinhos, matráculas e pinhas) e cantadores. Participa anualmente no Mercado Caramelo, em maio e nas Festas Populares de Pinhal Novo, organiza o Encontro de gaita de beiços, o Festival de Folclore (adulto) em Julho ao longo de três dias (sendo o festival ao sábado), organizando nesse âmbito no Polidesportivo de Pinhal Novo “noites de fado” ou “encontros de corais” e o Festival de Folclore Infantil. Com exceção dos convites feitos aos fadistas, em que têm despesas com o guitarrista e o “viola”, os grupos convidados participam nas iniciativas do Rancho em regime de permuta. Predominam os elementos femininos.

Grupo Folclórico Danças e Cânticos de Olhos de Água

O Grupo Folclórico Danças e Cânticos dos Olhos de Água foi fundado em 1983, tendo como objetivo a preservação dos usos e costumes desta região. Pertence a uma região bastante rica em usos e costumes e tradições dada a sua situação geográfica situada na planície do vale do Tejo, ao longo da Serra da Arrábida sendo Palmela sede de Concelho, Vila bastante antiga com tradições históricas, com o seu Castelo, e Chafariz de D. Maria os seus velhos Moinhos de vento, todos com mais de cem anos que se situam ao longo da Serra dos Barris.

Todas as músicas tocadas e cantadas pelo Grupo foram recolhidas através de um trabalho de pesquisa feito junto das pessoas mais idosas da região, que datam dos anos de 1910 a 1925. Considerando que a região é uma zona essencialmente agrícola, as suas danças e cantares eram executadas durante as plantações, ceifas, debulhas, vindimas e outras fainas agrícolas da região, bem como nos bailaricos e arraiais dos festejos da região, num raio de 15 Km.

O Grupo apresenta os seguintes trajes: domingueiro de festa, de rico, de Lavrador, Campino, e vários de trabalho, assim como o traje mais antigo desta região (O Fundador do Cirio dos Olhos de Água), que data de 1854. Apresenta como utensílios de trabalho uma pá da eira, malho, chicote e vara de Campino. É membro efetivo da Federação do Folclore Português.

GFDCOA

Grupo Folclórico Danças e Cânticos de Olhos de Água

Grupo Folclórico Danças e Cânticos de Olhos de Água

Rancho Folclórico Os Fazendeiros das Lagameças

RFFL

Rancho Folclórico Os Fazendeiros das Lagameças

Rancho Folclórico Os Fazendeiros das Lagameças

Rancho Folclórico Os Rurais Lagoa da Palha e Arredores

Rancho Folclórico Os Rurais Lagoa da Palha e Arredores

Rancho Folclórico Os Rurais Lagoa da Palha e Arredores

Rancho Folclórico Os Rurais Lagoa da Palha e Arredores