Sociedade Filarmónica Harmonia Reguenguense (f. 1886)
Filarmónicas de Reguengos de Monsaraz

Bandas de Música, História e Atividades no Concelho

  • Sociedade Filarmónica Corvalense
  • Sociedade Filarmónica Harmonia Reguenguense
Sociedade Filarmónica Corvalense

A Banda da Sociedade Filarmónica Corvalense é constituída por quatro dezenas de elementos, na sua maioria jovens, e tem como Maestro o Professor Carlos Bia. Nos finais do séc. XIX, na localidade, então denominada Aldeia do Mato, segundo a memória popular, já existia uma Banda, que depois se terá dividido em duas: a “Portuguesa” e a “Espanhola”.

Sociedade Filarmónica Corvalense

Sociedade Filarmónica Corvalense

Segundo o que se conseguiu apurar, entre 1914 e 1918, as duas filarmónicas fundiram-se dando origem a uma outra que se passou a chamar “Banda Aldematense”. Esta interrompeu a atividade em 1959. Retomou-a em 1981, já com a designação de Sociedade Filarmónica Corvalense, na altura apenas constituída pela Banda Filarmónica.

Sociedade Filarmónica Harmonia Reguenguense (f. 1886)

Fundada em 1886, a Sociedade Filarmónica Harmonia Reguenguense terá constituído como que a oficialização de uma banda que já existiria em Reguengos de Monsaraz desde 1860. Nestas duas décadas e meia, nomes como os de Serafim Gomes, Celestino de Carvalho, Joaquim Garcia Pinheiro ou Artur Frederico Reinhardt, um rabequista austríaco, passaram pela regência da então denominada Banda Marcial de Reguengos.

Com o nascimento estatutário da Sociedade Filarmónica Harmonia Reguenguense, José Maria de Carvalho assumiu a liderança da banda. Através dele e do seu carácter a Banda Filarmónica de Reguengos conheceu um primeiro período de glórias. Faleceu em 1917. Nos anos seguintes não foi possível encontrar alguém com as características daquele notável regente. A Banda Filarmónica de Reguengos ressentiu-se com esta busca de liderança. Não obstante, em 1929, foi-lhe atribuída a categoria de Banda Municipal, pelos bons serviços prestados ao Município. Dirigia-a, na altura, Carlos Franco, o primeiro Regente Militar desta Banda.

Em 1934 assumiu a regência José da Silva Domingues, um homem de carácter forte, feitio difícil, mas dotado de qualidades técnicas e capacidade de liderança. Durante três décadas, longo período que atesta as qualidades do líder, Silva Domingues, que também foi compositor, conferiu estabilidade, dirigiu com mestria e elevou a Banda Filarmónica de Reguengos a uma posição cimeira no panorama das Filarmónicas. Foi da sua regência que saíram da Banda de Reguengos músicos que vieram a ingressar em conceituados agrupamentos musicais, como a Orquestra Gulbenkian e as Bandas da Guarda Nacional Republicana, do Exército, da Força Aérea e da Armada. Foi também da sua regência que uma primeira onda de salutar juventude atingiu as fileiras da Banda de Reguengos. Em 1965, deixou a regência da Banda, hostilizado e criticado por muitos que não compreendiam nem aceitavam a firmeza do seu carácter.

A José da Silva Domingues sucedeu um período difícil da Banda de Reguengos. Digna de registo é a criação de uma Banda Juvenil, pelas mãos do Regente Casimiro Frederico da Silva, em 1973, que veio realçar a importância da renovação pela juventude das fileiras de executantes de qualquer Banda Filarmónica. De 1976 até 1986, muitos foram os maestros que passaram pela regência da Banda, com destaque para António Jorge e João António Pagará.

Em 1986 assumiu a liderança da Banda de Reguengos o Maestro António das Neves Ramalho, sucessor de José da Silva Domingues, de quem se considera fervoroso admirador e de quem foi discípulo. Serviu a Instituição ao longo dos 16 anos. Em 2002 assumiu a regência da Banda e do Coro o Maestro José Filipe Silva Guerreiro. No mês seguinte, a Banda e o Coro Polifónico já sob a regência do novo maestro realizou um dos seus melhores concertos, no Teatro Garcia de Resende, em Évora. Em 2003, a S.F.H.R. deu inicio ao Curso de Formação para instrumentistas “Reguengos Terras D’el Rei”, que se repetiu em 2004, onde participaram músicos das bandas de Alcáçovas, Alvito, Montoito, Portel, Redondo, Reguengos, S. Pedro do Corval e Alunos do Curso de Música da Escola Secundária Gabriel Pereira de Évora.

Em 2005, foi convidada para participar no CD As melhores Bandas Filarmónicas da Região Alentejo, produzido pela Editora PubIicArt. Em 2006, participou no 1° Concurso Internacional de Bandas Filarmónicas em Vila Franca de Xira, onde se classificou em 2° Lugar na Segunda Categoria. Desloca-se ao Funchal na Ilha da Madeira, a convite da Orquestra do Gabinete Coordenador da Cultura, onde efetuou um concerto. Em 2008 participou novamente no concurso Internacional de Bandas Filarmónicas em Vila Franca de Xira, onde se classifica em 1° lugar, na 2ª categoria.

A direção artística do coro e banda da Sociedade Filarmónica Harmonia Reguenguense está a cargo do maestro António Menino.

Sociedade Filarmónica Harmonia Reguenguense (f. 1886)

Sociedade Filarmónica Harmonia Reguenguense (f. 1886)