Filarmónica de Santa Comba Dão
Filarmónicas de Santa Comba Dão

Bandas de Música, História e Atividades no Concelho

Filarmónica de Santa Comba Dão

Remonta a 1820 a fundação da primeira filarmónica da cidade com o nome de Filarmónica 28 de Setembro, que teve como seu regente o maestro António Homem de Sá Correia. Em 1870, com o nome de Filarmónica Progressista, foi seu regente Joaquim Ferraz Macedo, e mais tarde, Manuel Gomes Pais. Passou esta Filarmónica por dissidências e crises várias, sobretudo motivadas pela emigração, reduzindo-se o número de executantes.

Após o falecimento do regente Manuel Pais, João Ferreira Onofre e António Rodrigues da Costa, tomaram a iniciativa em 1918 de fazer reviver a 1º de Maio convidando para seu regente o então Padre de Óvoa, Joaquim Ferreira Mendonça. Por volta de 1939 começou um período áureo sobre a regência do maestro Augusto Florêncio de Campos. Em 1942 nova crise, motivada pela 2ª Guerra Mundial e emigração, fez com que a Filarmónica estivesse parada até 1952. Nesse ano, um grupo de executantes apresentou novos e com José de Sousa Franco, proposto para regente da Filarmónica, a Filarmónica ressurgiu, com o nome de Filarmónica de Santa Comba Dão. Em 1971, assumiu a presidência da coletividade o grande impulsionador contemporâneo da arte desta cidade, David Oliveira, cuja primeira preocupação foi solicitar a cedência, a título gratuito, do café Arcada. Mais tarde a sua sede passou a funcionar no antigo posto da GNR, instalações que viriam a ser compradas pela Filarmónica de Santa Comba Dão em 4 de outubro de 1980.

Na década seguinte, a Filarmónica foi renovada com a presença de jovens executantes e com um novo espírito, fruto da aposta da direção presidida por Carlos Mota, que teve o mérito de se dedicar ao restauro da atual sede (inaugurada em 01-01-2001) e à criação da Escola de Música, com o maestro Adriano Matias, posteriormente substituído por Luís Fortuna e Vítor Gonçalves. Em 2006, a direcção da Filarmónica, presidida por Carlos Viegas e seu maestro Sérgio Neves apostaram num ensino mais exigente, contratando para isso professores profissionais, especializados em cada instrumento.

Foram também criados grupos de Música de Câmara, como a Banda Juvenil (constituída por alunos da escola que ainda não ingressaram na Filarmónica), Orquestra Orff e Ensemble de Percussão. Em 2013, e com a entrada da direção presidida por António Varela, a Filarmónica de Santa Comba Dão otimizou e recondicionou alguns dos seus espaços permitindo desta forma incrementar e dinamizar a Escola de Música. A Filarmónica de Santa Comba Dão conta  com 67 elementos na Banda principal, 35 elementos no Coro e 65 alunas e alunos na Escola de Música, dos quais 47 participam na Banda Juvenil da Escola.

Filarmónica de Santa Comba Dão

Filarmónica de Santa Comba Dão