Maria Isabel Mendonça, pianista, de Seia
Músicos naturais do Concelho de Seia

Projeto em desenvolvimento, o Musorbis tem como objetivo aproximar dos munícipes os músicos e a música do Concelho.

  • Almeida Santos (guitarrista, cantor, 1926-2016)
  • Ana Rita Almeida (clarinete)
  • André Maximino (trompa)
  • António Luís de Brito (maestro)
  • Margarida Cardoso (musicóloga)
  • Maria Isabel Mendonça (piano)
  • Mariana Cardoso (clarinete)
  • Ricardo Almeida (trombone)
António Luís de Brito

Natural da vila de Loriga – Seia, António Luís de Brito iniciou os estudos musicais na Sociedade Recreativa e Musical Loriguense (Banda de Loriga), na qualidade de executante, contramestre, e posteriormente maestro de 1969 a 1974. Foi maestro da Banda Sociedade Instrução e Recreio de Paços da Serra – Gouveia, no ano de 1974, e da Banda de Música de Anadia, de 1979 a 1988.

Dirigiu ainda vários coros litúrgicos nas Igrejas de Loriga, Águeda e Recardães, sendo autor de diversas obras musicais.

Participou em vários cursos de aperfeiçoamento de diretores corais, organizados pela SEC – Secretaria de Estado da Cultura, onde se destaca o I e II Curso-Estágio de Direcção Coral, ministrados pelo Maestro José Robert.

É professor de música na Escola da Casa do Povo de Águeda, tendo também a seu cargo, a direção artística da Orquestra Juvenil da Casa do Povo de Águeda, desde 1983.

De 1986 a 1987, foi maestro do Orfeão da Associação Cultural de Recardães, e de 1989 a 1994, dirigiu o Coro Infantil do Orfeão de Águeda. Foi director artístico do Coro Misto do Orfeão de Águeda, desde 1981 a 1999. É maestro principal do Grupo Coral Oásis (Fogueira), desde Setembro de 1998, Maestro Adjunto do Coro Misto do Orfeão de Barrô, desde 2005, e do Coro da Cruz Vermelha Portuguesa de Águeda, desde 2006.

Foi um dos fundadores do Conservatório de Música de Águeda, no qual exerce funções diretivas desde a sua fundação (1999).

Maria Isabel Mendonça

A pianista Maria Isabel Mendonça nasceu em Seia. Iniciou os estudos musicais, em piano e violino, no Conservatório de Música de Seia, que frequentou até ao 6.º grau. A partir de 2010, frequentou o Conservatório Regional de Coimbra, na classe de Tatiana Yakimova, onde concluiu o curso complementar de piano com a classificação final de 20 valores.

Participou, também, no Concurso de Piano do Colégio São Teotónio, em 2011, e no Concurso de Piano Florinda Santos, em 2012, onde obteve o 2.º e 3.º lugar, respetivamente. Como solista, realizou concertos no Centro Cultural de Belém, nos “Dias da Música” dedicados a J. S. Bach, em Lisboa, e no Pavilhão Centro de Portugal, em Coimbra.

Concluiu, com distinção, em 2017, o Mestrado Integrado em Arquitetura, pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto. Licenciou-se, em piano, na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, tendo integrado a classe dos professores Madalena Soveral e Luís Filipe Sá. É docente na Escola Profissional da Serra da Estrela, em Seia, desde 2018.

Fontes: Mariana Cardoso enviou a informação relativa a Margarida Cardoso (musicóloga), Ricardo Almeida (trombone), Ana Rita Almeida (clarinete), André Maximino (trompa), Maria Isabel Mendonça (piano) e Jaime Reis (composição).

Mariana Cardoso

Natural de Seia, Mariana Cardoso iniciou os seus estudos musicais aos nove anos na Banda da sua terra natal. Desde então, foi adquirindo grandes experiências a nível de docência e performativos.

É Mestre em Ensino da Música pela Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco (ESART), na classe de Carlos Piçarra Alves. (…)

Leia AQUI a biografia completa.

 

Mariana Cardoso, clarinete, de Seia

Mariana Cardoso, clarinete, de Seia, foto Sara Silva

MÚSICOS FALECIDOS

Almeida Santos

Guitarrista, cantor, detentor de um vasto percurso profissional, cívico e político, António de Almeida Santos nasceu em Cabeça, Concelho de Seia, a 15 de fevereiro de 1926 e morreu em Oeiras, na noite de 18 de janeiro de 2016. Formou-se na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (1945-1952). A partir de 1953 radicou-se em Lourenço Marques (Maputo) onde exerceu advocacia e promoveu a cultura conimbricense na delegação local da Associação dos Antigos Estudantes de Coimbra.

Nos anos de Coimbra integrou organismos culturais estudantis como o Orfeon Académico, deu colaboração à TAUC e foi membro de formações de CC como executante de guitarra de Coimbra e como cantor. Deixou um Ré para guitarra que foi celebrizado num registo/arranjo de Jorge Godinho. Protagonizou alguns registos fonográficos em vinil e em CD, fez presenças radiofónicas nos anos de Coimbra e deixou registos televisivos. Em 9 dezembro de 2007 recebeu a laurea honoris causa pela FD/UC.

FILARMÓNICAS

Banda de Seia

A primeira notícia da criação da mais antiga Filarmónica de Seia reporta-se a 1857, sendo da autoria de José Mendes Dinis Belém. Fundou-a o Dr. José Roque Silva, que foi o seu primeiro regente. Em 1894 a Filarmónica Senense ou Banda Velha, como também foi conhecida, apresentou um fardamento novo. Em 1 de dezembro de 1907 foi criada em Seia a Filarmónica Regeneradora Liberal. Durante algum tempo existiram as duas bandas, com salutar rivalidade, até que esta última se extinguiu. Em 1921, foi criada a Banda 15 de Agosto, por iniciativa de vários senenses, entre os quais o Padre Antero da Silva Pereira, que foi o primeiro regente. Mais tarde foi organizada a Banda dos Bombeiros Voluntários de Seia, com os elementos das antigas Bandas que, entretanto, tinham sido extintas.

A Banda de Seia conta com inúmeras atuações em muitas cidades do País e, ainda, em Espanha e França. Tem no seu ativo mais de 50 executantes jovens, uma Escola de Música e um Grupo de Metais. No dia 3 de julho de 1993 foi-lhe atribuída, pela Câmara Municipal, a medalha de Ouro do Concelho de Seia.