Igreja Matriz de Arrentela
Órgãos de tubos do concelho do Seixal [1]

De acordo com as informações disponíveis, existem órgãos de tubos nas seguintes igrejas do Concelho:

Igreja Paroquial de Arrentela

[ Igreja Matriz ] [ Nossa Senhora da Consolação ]

Igreja Matriz de Arrentela

Igreja Paroquial de Arrentela

Da primitiva igreja da Arrentela, sabe-se apenas que existia em 1522. Contudo, o templo que hoje conhecemos é bastante posterior, pois, caiu com o terramoto e se levantou em 1757. Boa boa parte dos elementos se encontrem datados, e remontam à segunda metade do século XVIII: o vasto conjunto azulejar, que cobre a totalidade das paredes da nave, em painéis superiormente recortados, com cercaduras comuns de anjos, vasos e concheados, representando, ao centro, episódios da vida da Virgem. Exteriormente, a igreja caracteriza-se por alguma austeridade, com alçado principal rematado por frontão triangular, ao centro do qual se abre um óculo quadrilobado, apresentando um portal de linhas retas, com frontão contracurvado superiormente ladeado por janelas de frontão idêntico. Sobre a cimalha, erguem-se duas torres, de diferente configuração, uma das quais não chegou a ser concluída, faltando-lhe o remate. O contraste relativamente ao interior é bastante forte, pois este encerra uma decoração claramente barroca, que tira partido da talha, azulejo e pintura em estuque. A capela batismal, com azulejos representando o Batismo de Cristo, encontra-se sob a torre sineira. Na nave, destacam-se os quatro altares laterais e outros dois colaterais, todos eles com retábulos de talha dourada. O teto, em abóbada de madeira, exibe estuques polícromos, com motivos muito diversos. Os azulejos, a que já fizemos referência, representam episódios da Vida da Virgem, a quem era dedicada a igreja. Todos eles apresentam legendas que facilitam a identificação dos temas, tornando assim a mensagem direta e facilmente apreensível por parte dos fiéis. Para além das cenas bíblicas, encontramos aqui representadas muitos outros episódios que apenas foram mencionados nos denominados Evangelhos Apócrifos, e que, neste caso, incidem maioritariamente sobre a vida de Nossa Senhora antes da Anunciação. A capela-mor é antecedida por um arco triunfal, sobre o qual se rasga um nicho com a representação do calvário. Mais baixo que a nave, este espaço concentra-se no retábulo, de talha dourada, de configuração joanina, ou seja, anterior à reconstrução da igreja. Pertencia, com certeza, ao templo primitivo que, pelas dimensões deste retábulo, deveria ser mais reduzido que o atual. Dedicada a Nossa Senhora da Consolação, a igreja da Arrentela é também associada a Nossa Senhora da Soledade, pois, de acordo com a lenda, foi esta imagem que acompanhou os pescadores da região e lhes deu coragem durante o Terramoto de 1755. A sua imagem encontra-se num dos altares laterais, fronteiro a um outro dedicado a Nossa Senhora da Consolação.

Fonte: DGPC, Rosário Carvalho

O coro alto, que se ergue sobre a entrada, alberga o órgão, da autoria de Joaquim Xavier Machado e Cerveira, opus s. nº, 1794 [ I ; (9+9)]. Foi restaurado pela Oficina e Escola de Organaria, de Pedro Guimarães e Beate von Rohden, em 2004, opus 46.

Órgão da Igreja Paroquial de Arrentela

Órgão da Igreja Paroquial de Arrentela

Consola

Órgão da Igreja Paroquial de Arrentela

Órgão da Igreja Paroquial de Arrentela

0 comentários

Deixe um comentário

Quer participar?
Deixe a sua opinião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *