Tag Archive for: música em Almada

Festival de Música dos Capuchos
Festivais de Música em Almada

Ciclos, encontros, temporadas e festivais de música e dança no Concelho

Concurso Internacional de Música Terras de Santiago

Em 2021, o Concurso Internacional de Música “Cidade de Almada” passou a ser Concurso Internacional de Música Terras de Santiago. No seguimento do sucesso alcançado na primeira edição do Concurso Juvenil de Guitarra “Cidade de Almada”, a Academia de Música de Almada decidiu alargar esta iniciativa ao piano e internacionalizar o concurso de guitarra. O pretende tornar-se uma referência a nível nacional e ser um incentivo e um estímulo para todos os que estudam e trabalham nesta área do conhecimento, ambicionando extravasar o mero momento de competição através da realização de concertos, abrindo-se assim, à comunidade e envolvendo-se com esta. Vem desta forma colmatar a lacuna existente na região no que respeita a concursos de música de vertente juvenil com estas características, dando continuidade a toda uma história na área da Cultura Musical quer ao nível da produção quer ao nível da formação.

Concurso Internacional de Música Terras de Santiago

Concurso Internacional de Música Terras de Santiago

Festival de Música dos Capuchos

Sítio: festivalcapuchos.com

Fundado por José Adelino Tacanho (falecido em 2004), o Festival de Música dos Capuchos voltou a Almada, após um silêncio de duas décadas, pela mão do ilustre Filipe Pinto-Ribeiro, enquanto diretor artístico, e da Câmara Municipal de Almada, enquanto promotora.

A 1.ª edição do renovado Festival de Música decorreu no belo Convento dos Capuchos.

O Festival tem como ambição que Almada volte a ser referência nacional e internacional também na área na música clássica. Tendo como conceito “5 Séculos de História e 5 Séculos de Música”, pretende viajar pela excecional criação musical desses cinco séculos, valorizando a beleza do Convento, edificado em meados do séc. XVI.

Honrando o período “ativo” do Convento, desde a sua construção ao declínio com a extinção das ordens religiosas, um dos eixos programáticos escolhidos foi o Repertório musical dos séculos XVI a XVIII, com o Renascimento, o Barroco, o Classicismo. Refletindo o restante período da história do Convento, escolheu-se também o Repertório musical dos séculos XIX a XXI, do Romantismo à música contemporânea. Mas como a música ultrapassa sempre qualquer classificação imposta, a programação surpreende pela sua diversidade, envolvendo vários géneros musicais, e promovendo o cruzamento da música com outras artes.

Enquadrado na Estratégia Local para a Cultura, o festival é aberto a todos os almadenses e visitantes, uma iniciativa cultural de excelência, que pretende honrar a história das 21 edições passadas, projetando um futuro em que o Convento dos Capuchos seja internacionalmente reconhecido como espaço anfitrião da excelência musical, tornando Almada uma “capital das artes performativas”.

Almada é um território de muitos que nutre um profundo orgulho pela sua diversidade que viu nascer inúmeros talentos de todas as expressões artísticas.

(Inês de Medeiros, Presidente da Câmara Municipal de Almada, adapt.)

Durante as 21 edições do Festival, entre 1981 e 2001, sob a direção artística de José Adelino Tacanho, muitos foram os solistas e agrupamentos, nacionais e internacionais, que o abrilhantaram e a sua eclética programação era aguardada, ano após ano, com grande expectativa.

Vários são os concertos com repertório composto no período activo do Convento dos Capuchos, desde a sua construção em meados do séc. XVI ao seu declínio, com a queda da Casa dos Távoras e a extinção das ordens religiosas em 1834.

Como preâmbulo das jornadas musicais do Festival dos Capuchos, propõe-se ainda um ciclo de “Conversas dos Capuchos”, dedicadas a três centenários, que se celebram em 2021, de figuras nucleares da literatura universal: Dante, Baudelaire e Dostoievski.

(Filipe Pinto-Ribeiro, Director Artístico do Festival de Música dos Capuchos, excerto)

Festival de Música dos Capuchos

Festival de Música dos Capuchos

Festival de Jazz Manouche de Almada

O Festival de Jazz Manouche de Almada contribui para que esta música se estabeleça em Almada fazendo de cada um protagonista, com a responsabilidade de divulgar e perpetuar esta música e viajar com ela. Em 2022, decorre entre os dias 27, 28 e 29 de maio.

Sítio: cineincrivel.pt

Festival de Jazz Manouche de Almada

Festival de Jazz Manouche de Almada

Caparica Surf Fest

Sítio: www.facebook.com/caparicaprimaverasurffest

O Caparica Surf Festival é um Festival de Surf, Música e Skate. , com dias intensos dias de desporto e cultura e música.

Festival de Flamenco de Almada

O Festival de Flamenco de Almada é um evento que se realiza no Auditório Fernando Lopes Graça e que teve em 2020 a 16ª edição.

O Sol da Caparica

Realizado na Costa da Caparica, O Sol da Caparica é o maior festival nacional de Música em língua portuguesa.

O Sol da Caparica

O Sol da Caparica

Sons de Outono – Festival de Música de Almada

Os Sons de Outono são uma iniciativa da Agência para o Desenvolvimento Local NovaAlmadaVelha, Câmara Municipal de Almada e Cantabilefest, Associação Cultural.

O Seminário de São Paulo e a Ermida de São Sebastião, em Almada, o Solar dos Zagallos, na Sobreda, o Convento dos Capuchos, na Caparica, o casino da Trafaria e a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, no Laranjeiro, são os palcos dos seis concertos agendados da edição de 2021.

CAEM – Coro Académico Egas Moniz
Coros de Almada

Agrupamentos vocais e atividades corais no Concelho

  • CAEM – Coro Académico Egas Moniz
  • Cantadeiras da Essência Alentejana
  • Companhia da Música de Almada
  • Coro Polifónico de Almada
  • Grupo Coral e Etnográfico Amigos do Alentejo do Feijó
CAEM – Coro Académico Egas Moniz

O CAEM é um grupo dinâmico que integra alunos da ESSEM e do ISCSEM e também docentes, funcionários e pessoas externas à Egas Moniz.

O CAEM é dirigido por um maestro profissional (maestro Paulo Videira), contratado pela Egas Moniz para o efeito e que, para além de ensinar peças, faz um excelente trabalho no âmbito da técnica vocal. Este trabalho é útil aos coralistas que assim aprendem a cuidar da sua voz cantada, mas também permite perceber quais os erros que se fazem no quotidiano e que perturbam o nossa voz falada, dando lugar a eventuais patologias mais ou menos sérias.

Uma das características do CAEM é a interpretação de peças coreografadas, num ambiente cénico, estilo musical. Para isso, é também valorizada a capacidade dos elementos saberem interpretar algum instrumento musical, ou terem aptidão para a representação, dança. O repertório é variado, incluindo música pop, musicais da Broadway, música portuguesa de todas as épocas, espirituais negros, música sacra, entre outras.

Assegura anualmente a missa da bênção das pastas na Egas Moniz e as cerimónias de entrega de diplomados do ISCSEM e da ESSEM. Participa em encontros de coros e festas de Natal.

O ano letivo 2008-2009 culminou com a apresentação dum Meddley de Andrew Lloyd Webber na Toscana, Itália, durante o Festival Internacional de Música. Em 2010 participou no Festival Internacional de Coros Universitários, em Coimbra. Em 2014 participou no Festival de Coros de Barcelona. Organiza regularmente um Sarau Cultural na Egas Moniz. Em 2012 e 2013, preparou e apresentou o Gloria de Vivaldi e a Missa de Schubert, que apresentou nos Jerónimos.

Correio eletrónico: coroacademicoegasmoniz2012@gmail.com

CAEM – Coro Académico Egas Moniz

CAEM – Coro Académico Egas Moniz

Cantadeiras da Essência Alentejana

Associação das Cantadeiras da Essência Alentejana
Rua Rainha Santa Isabel, 7, loja 28
2805-169 Cova da Piedade

Companhia da Música de Almada

O concelho de Almada tem uma longa tradição musical, que se revela através da atividade dos vários coros, bandas filarmónicas e escolas de música. A constituição de um coro representativo da cidade é o culminar do associativismo já existente em Almada, no que ao canto coral diz respeito. Pretende-se assim formar um coro de excelência que venha a ser reconhecido no panorama musical português.

O coro pretende agregar a experiência musical, mesmo que amadora, de elementos oriundos de escolas de música, outros coros e bandas filarmónicas, a novos coralistas amadores, todos com vontade de fazer música coral em conjunto. Agrega pessoas maiores de 14 anos, podendo incluir pais e filhos, maioritariamente com alguma ligação ao concelho de Almada, mas não só.

Correio eletrónico: geral@ca-musa.pt

Coro Polifónico de Almada

O Coro Polifónico de Almada foi fundado em 4 de Outubro de 1983 por iniciativa de um grupo de amigos, entre os quais Ivo Reis Miranda e Simão Barreto, seu primeiro maestro. É filiado na Associação de Coros da Área de Lisboa. Realizou até ao presente mais de setecentas actuações, quer na sua área de actividade e concelhos limítrofes (colaboração assídua com as Câmaras Municipais de Almada, Seixal e Lisboa, bem como com diversas comunidades), quer em deslocações (distrito de Setúbal, Lisboa, Portalegre, Leiria, Faro, Évora, Coimbra, Beja, Castelo Branco, Santarém, Aveiro, Porto e Viseu ).

Leia AQUI o historial completo.

Grupo Coral e Etnográfico Amigos do Alentejo do Feijó

O Grupo Coral e Etnográfico Amigos do Alentejo do Feijó divulga e preserva há 3 décadas o cante alentejano – Património Cultural e Imaterial da Humanidade. Organiza o Encontro Cantares Alentejanos do Concelho de Almada (33ª edição em 2021, com o Grupo Coral Feminino Recordar a Mocidade do CIRL, o Grupo Juvenil de Cante Alentejano na Diáspora em Almada – Projeto do Cante nas Escolas de Almada, e Grupo Musical Brasa Doirada).

Correio eletrónico: amigosdoalentejo.almada@gmail.com

Festival Internacional de Coros «Alma da Voz»

Em 2021 decorreu em Almada o 2º Festival Internacional de Coros «Alma da Voz», 2ª edição em 2021. O Festival conta com a participação de três coros portugueses, três Grupos de coros italianos, uma banda filarmónica e um grupo de dança. Esta é uma iniciativa do Via Voz, com o apoio da IP, da Casa do Pessoal e da Câmara Municipal de Almada.

O festival conta com a participação de Coro TAB, Coro Bvoice, Coro MiniTAB e Banda Municipal do Barreiro

27.02.2021 – 13:12

Porbatuka Almada
Grupos de Bombos de Almada

Bombos, Zés Pereira, grupos e eventos de percussão tradicional no Concelho

Porbatuka

Fundado em 2017, Porbatuka Almada, é um projeto musical, artístico, performativo e cultural que tem por base a percussão, mais concretamente a Percussão Tradicional Portuguesa. Para além disso, aposta na formação musical gratuita.

Tlm. (+00 351) 915 237 040
Sítio: porbatuka.com
Correio eletrónico: info@porbatuka.com

Porbatuka Almada

Porbatuka Almada

Aposta na formação musical gratuita, bem como na promoção da solidariedade, amizade, integração e inclusão social. Proporciona as mesmas oportunidades, a todos os interessados que queiram integrar o projeto, independentemente da sua proveniência, idade, género, raça, cultura ou estrato social. Através do estudo da música as crianças e jovens aprendem os valores, resultando na valorização do trabalho em prol do projeto Porbatuka Almada.

Promove a expressão pessoal, o desenvolvimento da autoestima, da expressividade e no auxílio a ultrapassar medos e a assumir riscos.

A constituição da orquestra é a concretização harmoniosa desse trabalho árduo, de compromisso, empenho, aprendizagem e participação de todos.

Nos ensaios, aprende-se desde a simples execução de percussão até ao nosso objetivo de performance musical e coreográfica, que os executantes demonstram nas nossas atuações. Em paralelo, trabalha-se a componente da formação musical (rítmica), técnica instrumental, percussão corporal e movimento/dança.

Tem por missão divulgar a tradição cultural de uma maneira inovadora, desenvolvendo novas ideias que permitam projetar a imagem de Portugal como um país criativo, adaptado à modernidade e inovação, mas que nunca esquece as suas raízes culturais.

Nas atuações, aliam a percussão tradicional a uma vertente performativa, fazendo uso de ritmos originais e tradicionais, salientando toda a nossa energia e união. O espetáculo tem como principal objetivo a divulgação do trabalho desenvolvido.

Atua em contexto de desfile, arruada, animação de rua, eventos, espetáculo de palco, oficinas.

Atuou no Festival Sol da Caparica, Caparica Surf Fest, Eurovision Village. Apresentou-se para a Rádio Renascença, RTP, SIC, TVI, CMTV. Participou em encontros de percussão na Guarda, Beja, Redondo, Coimbra, Castelo Branco, Torres Vedras, Pinhal Novo, Montijo, entre muitas outras localidades.

A anTUNiA - Tuna de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa - é composta por Tunos e Caloiros.
Tunas em Almada

História, grupos, festivais e atividade no Concelho

  • anTUNiA – Tuna de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa
  • in’spiritus TunaTuna Feminina da Cooperativa Egas Moniz
  • Magna Almatuna – Tuna Mista do Instituto Piaget – Campus Académico de Almada
  • TinTuna – Tuna Académica da Egas Moniz
  • TunaMaria – Tuna Feminina da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa
anTUNiA

Tuna de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

A anTUNiA – Tuna de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa – é composta por Tunos e Caloiros.

Campus Universitário da Caparica
2829-516 Caparica

A anTUNiA - Tuna de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa - é composta por Tunos e Caloiros.

A anTUNiA – Tuna de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa – é composta por Tunos e Caloiros.

in’spiritus Tuna

Tuna Feminina da Cooperativa Egas Moniz

Correio eletrónico: inspiritustuna@gmail.com

in'spiritus Tuna - Tuna Feminina da Cooperativa Egas Moniz

in’spiritus TunaTuna Feminina da Cooperativa Egas Moniz

Magna Almatuna

Tuna Mista do Instituto Piaget

Campus Académico de Almada

Magna Almatuna - Tuna Mista do Instituto Piaget

Magna Almatuna – Tuna Mista do Instituto Piaget

TinTuna

Tuna Académica da Egas Moniz

Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz

A TinTuna (Tuna Académica da Egas Moniz) foi fundada em 1995, caracteriza-se por ser um grupo dinâmico que integra alunos da ESSEM e do ISCSEM. Tem a responsabilidade de manter a tradição académica bem como perpetuar os costumes dos estudantes de outros tempos. Estreou-se no Festival de Tunas de Abrantes em 1996 e, desde então, a TinTuna não tem parado de encantar Portugal e o estrangeiro com a sua música. Já se apresentou em algumas das mais belas cidades europeias.

Em 2019 realizou as XIV Noites de Baco.

TunTuna - Tuna Académica da Egas Moniz

TunTuna – Tuna Académica da Egas Moniz

TunaMaria

Tuna Feminina da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa
Campus de Caparica
2829-516 Almada

A 29 de abril de 2019 celebrou 25 anos.

TunaMaria - Tuna Feminina da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

TunaMaria – Tuna Feminina da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

Tágides – Festival Internacional de Tunas Universitárias

O Tágides – Festival Internacional de Tunas Universitárias, que tradicionalmente tem lugar na Academia Almadense – pretende trazer para Almada um pouco da vivência académica que marca todos aqueles que são ou foram estudantes, um espaço em que o convívio seja em todas as ocasiões o palco desta reunião entre os estudantes universitários e a comunidade civil.

Logo na primeira edição esse objetivo foi largamente excedido, contribuindo, desde então, para que o Tágides fosse um festival de tunas de referência no panorama nacional e internacional, impondo-se como um marco da cultura a sul do Tejo e apresentando uma qualidade musical e de entretenimento que se traduz na crescente adesão da população. O Tágides teve a 27ª edição em 2019.

Nuno Chagas luthier, Almada
Oficinas de instrumentos musicais em Almada

Construção artesanal, manutenção, transformação, reparação, restauro e afinação de instrumentos

Manuel Patrão Pianos

Av. 1º de Maio 44 Loja E
2825-394 Costa da Caparica
Tlm. (+00 351) 966 077 799
Sítio: manuelpatraopianos.pt

Manuel Patrão começou em 1990 como aprendiz de reparação de pianos com um técnico da Valentim de Carvalho em Lisboa. Passou oito anos em todo o tipo de reparações mecânicas de pianos, depois de dominar toda a mecânica do instrumento, passou para o nível seguinte. Em 1998, começou na afinação, voicing e regulação para pianos de concerto. Em 2003 esteve em Alhambra, Espanha a tirar uma especialização de afinação e regulação para concerto.
Em 2011 esteve no curso de especialização de afinação, regulação, voicing e reparação de pianos verticais, de cauda e concerto, obtido no YPTA (Yamaha Piano Technical Academy em Hamamatsu, Japão) a convite da Yamaha Ibérica.

Em 2013 esteve num curso de otimização ministrado por um técnico da Yamaha. Para este curso foi utilizado o piano Yamaha CFX.  Mantem com regularidade colaborações profissionais com técnicos portugueses e estrangeiros. Ao longo destes anos tem efetuado diversos trabalhos nas mais importantes salas para concertos de Portugal, e em diversos conservatórios de música. Participou em Festas de Música. Regularmente dá workshops.

Luthier Nuno Chagas

Tlm. (+00 351) 966 508 198

Nuno Chagas luthier, Almada

Nuno Chagas luthier, Almada

Construção de instrumentos de arco, comercialização, acessórios

PontoZurca, Almada
Estúdios de som em Almada

Estúdios de som, ensaio, captação, gravação, edição e produção no Concelho

Almada Estúdios

2800-183 Almada
Tlm. (+00 351) 926 721 607

Almada Estúdios

Almada Estúdios

Estúdio Mister Master

Praceta Quinta das Rolas – Botequim
2820-679 Charneca da Caparica
Tlm. (+00 351) 919 312 623
Sítio: estudiomistermaster.com
Correio eletrónico: info@estudiomistermaster.com

Estúdio Mister Master, Almada

Estúdio Mister Master, Almada

PontoZurca

Praceta Oliveira Feijão, 5
2800-032 Almada
Tel. (+00 351) 210 813 935

PontoZurca, Almada

PontoZurca, Almada

Pesquisa, edição e publicação no Musorbis a 17 de outubro de 2021, com base em sítios e páginas ativas em redes sociais.

Academia de Música de Almada
Escolas de Música em Almada

Estabelecimentos do ensino especializado de música no Concelho. Em geral, as bandas filarmónicas também possuem a sua escola de música: veja ao fundo informação sobre as bandas de música do Concelho.

Academia de Música de Almada

Solar dos Zagallos
Largo António Piano Júnior
2815-761 Sobreda Almada
Sítio: academiamusica.pt

Academia de Música de Almada

Academia de Música de Almada

Centro de Artes Performativas de Almada

R. 8 de Setembro 15
2810-264 Laranjeiro
Tlm. (+00 351) 927 551 380

Conservatório de Música de Almada

Av. da Liberdade, 20
2825-861 Trafaria
Tlm. (+00 351) 966 118 108

EMA – Escola de Música e Artes

R. Helena Félix
2820-024 Charneca de Caparica
Tlm. (+00 351) 966 725 448

Escola de Música Emília Cabrita

Rua Ramalho Ortigão nº 22B
2810-124 Feijó Almada
Telemóvel: 967 686 931
Correio eletrónico: escolamusica.emiliacabrita@gmail.com

Emília Cabrita

Emília Cabrita, acordeonista e professora

Mastering Lisboa

Largo Gabriel Pedro
2800-094 Almada
Tlm. (+00 351) 933 547 677

Quebra Notas Lda.

R. Luís de Queiroz, 11C
2800-697 Almada
Tlm. (+00 351) 210 867 093

Sei Música

R. Dom Pedro de Almeida Portugal, 10 A,
2805-221 Almada
Tel. (+00 351) 212 767 308

Museu da Música Filarmónica

MÚSICA À VISTA

Sugestões de património edificado

para uma rota musicoturística no Concelho de Almada

Museu da Música Filarmónica

Situado no coração de Almada Velha, concelho de Almada, distrito de Setúbal, o Museu da Música Filarmónica é um espaço museológico inaugurado pela Câmara Municipal de Almada a 25 de novembro de 2012. Retrata a história da atividade filarmónica associada às coletividades do Concelho e presta homenagem ao maestro e compositor Leonel Duarte Ferreira (1894-1959), referência e protagonista transversal à dinâmica musical associativa no concelho e na região metropolitana.

A Câmara Municipal de Almada adquiriu a casa em ruínas onde nasceu o maestro Leonel Duarte Ferreira, promovendo a sua refuncionalização como espaço de memória e fruição pública no âmbito da candidatura Almada Velha de Novo Centro, com o apoio de fundos comunitários. O investimento ascendeu a 460 mil euros. De arquitetura contemporânea, em diálogo com a malha urbana, o novo museu, erguido no local onde nasceu o Maestro Leonel Duarte Ferreira, integra uma área expositiva de 97 m2.

Fotografias, documentação, instrumentos, pautas, batutas, entre outras peças, do espólio municipal e cedidas, especificamente para esta exposição, pelas quatro bandas filarmónicas centenárias do concelho em atividade – Academia de Instrução e Recreio Familiar Almadense (AIRFA), que interpretará o hino da cidade de Almada, composto pelo maestro Leonel Duarte Ferreira, a Sociedade Filarmónica Incrível Almadense (SFIA), a Sociedade Filarmónica União Artística Piedense (SFUAP), a Sociedade Recreativa Musical Trafariense (SRMT) – e por particulares, evocam a presença da música na cidade.

Um dispositivo sonoro existente na sala de exposições permite uma melhor compreensão da tipologia de instrumentos que tradicionalmente associamos à sonoridade e imagem de uma banda filarmónica.

Dedicado especificamente ao maestro Leonel Duarte Ferreira, o museu integra ainda um dispositivo de multivisão que permite a ilusão do discurso direto do compositor, integrando a sua biografia no contexto de época, sublinhado por uma banda sonora que integra trechos de algumas das suas composições e peças do reportório tocado por bandas de Almada.

Museu da Música Filarmónica

Museu da Música Filarmónica

Museu da Música Filarmónica

Antigo Cinema da Incrível Almadense

Em 2020, a Câmara Municipal de Almada aprovou a classificação do edifício do Cinema da Sociedade Filarmónica Incrível Almadense (SFIA) e dos edifícios do Cineteatro e Cinema da Academia de Instrução e Recreio Familiar Almadense (AIRFA) como Imóveis de Interesse Municipal. Um reconhecimento da importância destas coletividades centenárias na história do concelho. O edifício do Cinema da Sociedade Filarmónica Incrível Almadense (SFIA) foi classificado como Imóvel de Interesse Municipal a 14 de dezembro de 2020.
Este reconhecimento justifica-se por o edifício do Cinema da Sociedade Filarmónica Incrível Almadense (SFIA) constituir uma importante referência para a comunidade, enquanto testemunho da história e das vivências da cidade, contribuindo para a afirmação da identidade do concelho de Almada e para o reforço dos laços de coesão social e de memória coletiva, em particular para o
núcleo antigo de Almada.

O antigo cinema da centenária Incrível Almadense inaugurou em 1926. Com uma fachada caracterizada pela estética modernista, o Cine Incrível foi o primeiro edifício do concelho para projeção de cinema, com salão e plateia. Além do interesse arquitetónico do edifício, este representa um testemunho importante para a história do cinema em Portugal e, em particular, dos cineteatros e do seu processo de edificação ao nível regional, tipologia de edifícios que se afirma na década de 40 do século XX.

«O inquestionável valor deste imóvel ocorre não só pela sua arquitetura, mas pelo que representa na memória coletiva de todos os almadenses. Esta efetiva classificação como Imóvel de Interesse Municipal é também o reconhecimento da relevância da própria Incrível Almadense na história do nosso concelho e expressão do carinho que une todos os Almadenses à “mãe” de todas as nossas coletividades centenária assim como da importância da sua ação social, política e cultural», reconheceu a presidente da Câmara Municipal de Almada, Inês de Medeiros.

Erguido entre 1939 e 1942, o edifício sede da Academia Almadense também faz parte do património histórico de Almada. Repositório de memórias da intensa e diversificada vida cultural do concelho, do cinema ao teatro, da música à dança, foi também palco de comícios históricos que marcaram a resistência durante o Estado Novo.

Reconhecendo o interesse do Cineteatro e do Cinema da Academia de Instrução e Recreio Familiar Almadense (AIRFA), por constituírem, à semelhança da SFIA, uma importante referência para o concelho, ao qual se alia o interesse arquitetónico e o valor patrimonial ao nível da estética ou originalidade, a Câmara Municipal de Almada deliberou também, a 28 de agosto de 2020, a classificação dos referidos imóveis como de Interesse Municipal.

Fonte: Município de Almada

SFIA

Edifício da Sociedade Filarmónica Incrível Almadense

Edifício da Sociedade Filarmónica Incrível Almadense

Fórum Municipal

Forum Municipal Romeu Correia, em Almada

Fórum Municipal Romeu Correia, em Almada

Sociedade Filarmónica Incrível Almadense

Filarmónicas de Almada

História, bandas e atividades no Concelho

[ No que se refere às filarmónicas, o projeto Musorbis está apenas a começar, sendo previsível que até ao final do ano todas as bandas possam estar na plataforma. O processo pode ser acelerado com a cooperação dos interessados no que se refere a historiais e fotografias em falta. ]

  • Banda dos Bombeiros Voluntários de Cacilhas
  • Banda Filarmónica da Academia de Instrução e Recreio Familiar Almadense
  • Sociedade Filarmónica Incrível Almadense (SFIA)
  • Sociedade Filarmónica União Artística Piedense (SFUAP)
  • Sociedade Recreativa Musical Trafariense (SRMT)
Banda dos Bombeiros Voluntários de Cacilhas

Para comemorar o 100º aniversário da associação fundada em 15 de Janeiro de 1890, o Comandante Serra tomou a iniciativa de formar uma banda de música. A escola de música teve inicio em 1980, com cerca de 45 alunos com idades entre 7 e os 25 anos, com instrumentos oferecidos por um grande benemérito da Associação, António Xavier de Lima. A primeira atuação realizou-se na inauguração do novo quartel dos B.V.C, a 9 de dezembro de 1990,sob a regência do Maestro Hernâni Nabeiro.

BAHBVC

Banda dos Bombeiros Voluntários de Cacilhas

Banda dos Bombeiros Voluntários de Cacilhas

Durante os primeiros anos de atividade, até 1997, fez vários serviços por diversas partes do País como festivais de bandas e intercâmbios culturais, concertos e guardas de honra a entidades governamentais. Em 1994 participou no programa 123 da R T P. Em 1995 participou no programa dos Santos Populares em direto para a RTP 1 e RTP Internacional.

Em 1998, após um período de estagnação, a banda foi reorganizada devido ao empenho do Comandante Clemente Mitra, que confiou essas tarefas ao Maestro Jorge Pereira, assim como todo o funcionamento da escola de música. Em 2000, a banda deslocou-se a Ponta Delgada,  Açores, num intercâmbio cultural, organizado pelo INATEL.

Em 2001, por motivos de saúde, o Maestro Luís Ramalho regeu a banda durante cerca de 6 meses, tendo no final de 2001 integrado a banda o Maestro Vítor Cravo Lopes, atual diretor artístico e professor da escola de música. A banda tem como professor de percussão Luís de Freitas, professor e regente de banda.

Banda Filarmónica da Academia de Instrução e Recreio Familiar Almadense

A Academia de Instrução e Recreio Familiar Almadense nasceu a 27 de março de 1895. José Maria de Oliveira, comerciante e músico amador, que tinha sido tanoeiro de profissão, com um grupo de amigos, fundou a Academia. Foi criada uma Escola de Música sob a direção de Artur Ferreira, primeiro Maestro, ao lado de uma escola primária. Passado um ano surgiu a primeira apresentação da Banda composta por 22 figuras.

Septimino Feminino de Saxofones

Septimino Feminino de Saxofones

Septimino Feminino de Saxofones

A atividade musical dividiu-se em vários ramos: Banda Filarmónica, Orfeão, Coro Infantil, Teatro/Revista, agrupamentos musicais, dando-se destaque à Orquestra de Saxofones e à Orquestra de Jazz e ainda o famoso Septimino Feminino de Saxofones constituído por 7 jovens, que no seu tempo foram o orgulho desta Casa. A extraordinária atividade musical vivida nas décadas de 1920 a 1960, deve-se a uma plêiade de bons músicos, mas sobretudo ao Maestro Leonel Duarte Ferreira, expoente máximo da vida musical desta coletividade e ao seu irmão o dedicado e fidelíssimo Maestro Hilário dos Santos Ferreira.

A Banda foi dirigida por Artur Ferreira de Paiva, Castro Vieira, Manuel Inácio da Encarnação, José Lourenço, Francisco Matos, Leonel Duarte Ferreira, Hilário Santos Ferreira, Filipe Sabino da Conceição, António das Neves Ramalho, Manuel Jerónimo e desde 2011 pelo Maestro Francisco Pinto.

Grande parte da história da coletividade pertence à atividade musical, sendo a Banda a embaixadora por excelência e o pólo do seu crescimento sustentado durante os 125 anos da sua vida. A ela estão ligados os mais belos momentos de sempre da identidade musical da AIRFA e das suas atuações mais recentes podemos dizer orgulhosamente que mereceu os aplausos e cumprimentos públicos de entidades como o ex-Presidente da República Portuguesa Jorge Sampaio, o Prémio Nobel da Literatura José Saramago e o ex-Presidente da República de Timor-Leste, Xanana Gusmão e atuou em palco, em 2012, com o cantor português António Calvário e, em 2018, com a cantora Rita Guerra. A Banda tem como diretor das Atividades Musicais o músico César Melo.

Sociedade Filarmónica Incrível Almadense

A Sociedade Filarmónica Incrível Almadense foi fundada a 1 de outubro de 1848. Com ela foi criada a Banda Filarmónica, a mais antiga do concelho, na sua origem composta maioritariamente por tanoeiros. Visando a formação humana integral,  a Incrível viu inúmeras vezes reconhecido o seu trabalho em prol da cultura, do recreio e do desporto, tendo recebido o Grau de Oficial da Ordem de Benemerência (1940); a Medalha de Ouro de Instrução e Arte, pela Federação Portuguesa das Coletividades de Cultura e Recreio (1954), da qual é o sócio n.º 280; o estatuto de Coletividade de Utilidade Pública (1980); a Medalha de Ouro da Cidade de Almada (1989); Membro Honorário da Ordem do Infante D. Henrique (1993); Membro Honorário da Ordem da Liberdade (1998).

SFIA

Sociedade Filarmónica Incrível Almadense

Sociedade Filarmónica Incrível Almadense

Com a Banda em atividade ininterrupta desde 1848, nela se formaram centenas de músicos. Conta no seu historial com a regência de 25 maestros. Foi inicialmente dirigida pelo maestro Pavia (até 1872). Foi dirigida por ilustres maestros como os de Amadeu Stoffel, José António Gonçalves, Manuel da Silva Dionísio ou António Gonçalves.

Contando com inúmeras atuações de carácter diverso e com um vasto repertório, a banda da Incrível foi muitas vezes noticiada na imprensa. Após reestruturação, a banda é atualmente composta por 40 músicos e tem a funcionar uma escola com cerca de 30 alunos. É dirigida pelo Maestro David Correia desde 2000.

Sociedade Filarmónica União Artística Piedense (SFUAP)

A Sociedade Filarmónica União Artística Piedense foi fundada a 23 de outubro de 1889.

Em 2020, a União das Freguesias de Almada, Cova da Piedade, Pragal e Cacilhas dirigiu “uma viva, calorosa e fraternal saudação à Sociedade Filarmónica União Artística Piedense pelo seu 131º Aniversário, assim como aos seus Dirigentes, Trabalhadores e Associados”.

Saudamos o vosso empenho e dedicação, os quais dão vida ao Movimento Associativo Popular, que se traduz numa expressão da acção social das populações nas áreas da cultura, do desporto, do recreio, da educação, do património, uma expressão da consciência cívica, da criatividade e do talento das massas populares, assumindo-se como elemento valioso da qualidade de vida da nossa população!

Sociedade Recreativa Musical Trafariense

A Sociedade Recreativa Musical Trafariense é um clube fundado em 8 de maio de 1900, na freguesia da Trafaria, concelho de Almada, distrito de Setúbal. Foi fundada por um grupo de trafarienses com prestígio e influência social. Com o nome inicial de Sociedade Musical Trafariense, a sua principal finalidade era promover a cultura musical através da Banda de Música, bem como estabelecer convívios sãos entre a população, principalmente através do abrilhantamento das festas populares tradicionais, de carácter religioso ou profano.

SRMT

Sociedade Recreativa Musical Trafariense

Sociedade Recreativa Musical Trafariense

Em 1903, o rei D. Carlos I visitou a Trafaria para proceder à cerimónia da colocação da 1ª pedra para a construção do quartel onde se encontra hoje o BISM, que foi anteriormente sede do Regimento de Artilharia de Costa nº. 1. Foi a Fanfarra da Sociedade Musical Trafariense que marcou o ponto alto na brilhante receção ao monarca. Florêncio José Martins, que encabeçava a Direcção e era das principais figuras que tinham preparado a receção, aproveitou a ocasião e pediu ao Rei o título de Real para a sua Sociedade, o que foi concedido, passando a denominar-se Real Sociedade Musical Trafariense.

A coletividade manteve esse nome até à implantação da República, em 1910. Com o advento do novo regime, e talvez por outras razões, passou o “R” de Real ao de Recreativa, passando a chamar-se Sociedade Recreativa Musical Trafariense, designação que mantém. Respeitando os objetivos e fins da sua criação, ensino e divulgação da música, mantém-se em funcionamento a Escola e a Banda de Música.

Aproveitando as recentes instalações, alargaram-se as atividades ao Desporto e ao Lazer, com aulas de Artes Marciais e Danças de Salão. Ainda dentro do objetivo principal da fundação, desde o ano letivo 2003/2004, acolheram-se nas suas instalações a Academia de Música de Almada, Conservatório Regional de Música, com paralelismo pedagógico e autorização definitiva de funcionamento.

A Banda atuou em concertos dos arraiais, procissões e romarias, e festas dos arredores. Durante a época balnear, no tempo em que a Trafaria tinha uma das mais frequentadas praias dos arredores de Lisboa, abrilhantava festas náuticas e de regatas de vela. Em meados dos anos 40, a Banda desorganizou-se e quase desapareceu e, a partir de 1967, um grupo de trafarienses restaurou-a.

A Banda é composta por músicos maioritariamente preparados na Escola de Música da Coletividade. Participa em vários concertos anuais, encontros de bandas, procissões e outros eventos, tanto na Trafaria como em outras localidades. É dirigida pelo Maestro Carlos Reinaldo dos Santos Antunes Guerreiro. Jazz, Latino & Rock é o título do trabalho que a Banda (com a participação de alguns músicos convidados) gravou, produziu e editou, em CD e Cassete, em 2003.

Grupo de Danças e Cantares do Clube Recreativo de Vale Flores
Folclore em Almada

Tradições, grupos e festivais de folclore no Concelho

  • Associação Cultural do Rancho Folclórico de Vale Flores
  • Grupo Etnográfico de Cova da Piedade
Associação Cultural do Rancho Folclórico de Vale Flores

Em 1995 alguém por brincadeira resolveu juntar um grupo de crianças e adultos de forma a animar a festa do aniversário do Clube. As crianças tinham entre os quatro e os doze anos de idade e a pessoa que os convidou decidiu ensinar-lhes o que ela aprendeu quando era da idade delas. Terminada a festa, que toda a gente adorou, foi pedido que aquele grupo fosse em frente e não terminasse por ali. Desde aí o Grupo começou a ser convidado por outras coletividades amigas de Norte a Sul do País.

Por altura do aniversário do Clube é realizado o Festival de Folclore havendo intercâmbio com outros Grupos. As roupas do nosso Grupo foram inspiradas nas cores do nosso Clube onde predomina o Azul e o Branco, sendo o lenço e o avental tradição do povo português. As músicas e danças são populares mas os versos são inéditos e escritos pela D. Emília, ensaiadora e fundadora do Grupo.

RDCCRVF

Grupo de Danças e Cantares do Clube Recreativo de Vale Flores

Grupo de Danças e Cantares do Clube Recreativo de Vale Flores

FESTIVAIS

Festival Danças do Mundo – Festival Internacional de Folclore

O Parque Multiusos da Sobreda, em Almada, recebeu na noite de 22 de julho o Festival Danças do Mundo – Festival Internacional de Folclore e conta com 8 nacionalidades diferentes. Promovido pela Casa da Gaia – Centro de Cultura, Desporto e Recreio de Argoncilhe, o festival que celebra as canções e as danças populares de cada país acolhe o grupo Danzart Bolivia, da Bolívia, Altan Bulag, da Buriácia, o Folk Ensemble “preporod” Dugo Selo, da Croácia, Identidad Peru Taller de Danzas, do Peru, Nairobi Dancers, do Quénia e ainda Kud “Ljubomir Ivanovich” – Gedza, da Sériva. Representando Portugal, estará o Rancho Folclórico de Vale Flores, de Almada.

Festival Nacional de Folclore de Almada

Em 2011 realizou-se mais uma edição do Festival Nacional de Folclore de Almada organizado pela Associação Cultural do Rancho Folclórico de Vale Flores,  Em 2011, o Rancho Folclórico de Vale Flores organizou o 11º Festival Nacional de Folclore de Almada. No Complexo Municipal dos Desportos “Cidade de Almada”, Feijó, com o apoio da Câmara Municipal de Almada e Junta de Freguesia do Feijó. Atuaram vários ranchos e grupos folclóricos que retratam a diversidade e riqueza etnográfica do país: Rancho Folclórico Rosas de Coja (Arganil), Rancho Folclórico de Santo André – Sobrado (Valongo), Rancho Etnográfico Os Camponeses de Arraiolos, Grupo Etnográfico Raízes de Sobral Gordo, Rancho Folclórico de Vale Flores (rancho anfitrião)

Fontes do Musorbis Folclore:

No Musorbis foram revistos todos os historiais de grupos etnográficos. Para facilitar a leitura, foram retirados pormenores redundantes e subjetivos, e foram corrigidos erros de português.

Destaque o seu grupo!

Destaque Musorbis

Destaque Musorbis

Para inserir um grupo ou historial em falta, envie para meloteca@meloteca.com: será inserido gratuitamente. A fotografia em destaque neste momento é aleatória. Para ter foto destaque, contactos atualizados e estar no topo durante um ano opte pelo “Destaque Musorbis” (10€).