Tag Archive for: música em Benavente

Daniel Manuel, clarinetista, maestro e compositor
Músicos naturais do Concelho

Artigo em desenvolvimento

Daniel Manuel

Daniel Manuel é licenciado em Clarinete pela Escola Superior de Música de Lisboa. Iniciou os estudos musicais na Sociedade Filarmónica de Santo Estêvão com o maestro Jorge Silva, tendo depois ingressado no curso de clarinete no Conservatório Regional Silva Marques de Alhandra e posteriormente no Conservatório Regional de Setúbal, onde terminou o 8º grau do Conservatório em Música.

Desde 1998 é professor de clarinete em várias escolas de música e a título particular.

Como clarinetista tem desenvolvido uma atividade regular, tanto em grupos de música de câmara como em projetos de música tradicional, assim como a gravação de CDs com banda e orquestras, onde se destaca a gravação do primeiro CD da Orquestra de Sopros da Escola Superior de Música de Lisboa, onde executou vários solos em Clarinete em mib.

Tem vindo a aprofundar os conhecimentos enquanto pedagogo e maestro, estudando Música para Bebés, Direção Coral, Direção de Orquestra e Clarinete com Raúl Avelãs, Cesário Costa, Paulo Gaspar, Manuel Jerónimo, Rui Martins, Alberto Roque e Vasco Perce de Azevedo.

É maestro do Coro do Município de Benavente desde 2002, ano da sua fundação, passando no ano de 2018 a integrar os quadros da Câmara Municipal de Benavente como Técnico Superior Músico.

É desde 2007 maestro da Banda da Associação Cultural de Musical de Salvaterra de Magos, Diretor Pedagógico, Professor de Clarinete e Maestro das Orquestras da Academia de Música Salvaterrense.

Estudou Composição com o professor e compositor Robert Pérez entre 2021 e 2023.

Desde 2021 tem desenvolvido o seu trabalho artístico na área da composição, assim como arranjos, orquestrações, recolha de música do folclore português e escrita de livros didáticos.

Estuda Pós-Graduação em Comunicação Estratégica para as Autarquias, na Escola Superior de Educação de Coimbra.

A Sala de Leitura Bernardo Santareno, em Santarém, recebe, a 9 de março de 2024, o lançamento da obra “Coleção de Peças para Piano”, da sua autoria. Este trabalho reúne composições de temas tradicionais do distrito de Santarém, recolhidos por Fernando Lopes-Graça e um tema recolhido por Daniel Manuel. Uma diversidade de estilos e desafios técnicos para os estudantes é aquilo que esta obra, que pretende preservar o património musical do distrito, oferece.

Bio facultada por Daniel Manuel, publicada na Meloteca a 24 de fevereiro de 2024

Daniel Manuel, clarinetista, maestro e compositor

Daniel Manuel, clarinetista, maestro e compositor

João Raquel

João Raquel nasceu em Benavente em 1977. Aos oito anos iniciou os estudos musicais na Sociedade Filarmónica Benaventense como trompetista. Mais tarde entrou para a Academia de Amadores de Música de Lisboa, onde concluiu o curso de Trompete com 18 valores, na classe de António Reis Gomes.

Entre 1997 e 1999 fez parte da Orquestra de Câmara da Academia de Amadores de Música, frequentou os Cursos Internacionais de Férias para Jovens Músicos promovidos pelo INATEL em 1995 e 1998, onde desempenhou papéis de solista.

Em 1997 ingressou no quinteto de metais Xira Brass, com o qual se tem apresentado em concertos por todo o país e gravou o CD Vila Franca Cidade Taurina, no ano de 2000.

Em 1998 representou Portugal na Orchestre d’Harmonie des Jeunes de ‘Union Européenne no Luxemburgo, com a qual, sob a direção do maestro holandês Jan Cober, realizou concertos no Luxemburgo, Alemanha, Suíça e Itália.

Participa em vários grupos de música de câmara, com concertos por todo o país.

Apresenta-se regularmente como trompetista de vários cantores do panorama musical nacional, com os quais tem realizado vários espetáculos em Portugal e no estrangeiro, bem como diversas gravações. Integrou, como trompetista, os espetáculos de Filipe La Féria “West Side Story”, “Judy Garland – O Fim do Arco-íris” e “A Noite das Mil Estrelas”. Fez parte da orquestra do programa da RTP “A Voz de Portugal”.

Clique AQUI para ler a bio completa.

Coreto de Benavente, créditos Junta de Freguesia de Benavente 2019
Coretos do Concelho de Benavente

Benavente

Em largo ajardinado no Parque 25 de Abril, próximo do Museu Municipal de Benavente, situa-se um coreto onde tocam bandas ou grupos musicais, aquando das festas do concelho e outras ocasiões ao longo do ano, em especial a banda da Sociedade Filarmónica Benaventense.

Avenida de Doutor Francisco Sousa Dias
2130 Benavente

Coreto de Benavente, créditos Junta de Freguesia de Benavente 2019

Coreto de Benavente, créditos Junta de Freguesia de Benavente, 2019

Samora Correia

O coreto do Largo João Fernandes Pratas em Samora Correia, concelho de Benavente, é utilizado em especial pela banda da Sociedade Filarmónica União Samorense. “Serão de Verão”, organizado pela Junta de Freguesia de Samora Correia, é um dos contextos em que a filarmónica atua no coreto.  Por essa ocasião, a Banda oferece um concerto ligeiro com música popular e alguns passodobles. De seguida há arraial, e quem quiser pode dançar.

Coreto de Samora Correia, créditos DecorSorriso

Coreto de Samora Correia, créditos DecorSorriso

Santo Estêvão

2130 Santo Estêvão

O coreto, de planta octogonal, está localizado no centro do Jardim Público de Santo Estêvão, concelho de Benavente. É utilizado especialmente pela banda da Sociedade Filarmónica de Santo Estêvão.

Coreto de Santo Estêvão, créditos All About Portugal

Coreto de Santo Estêvão, créditos All About Portugal

Folclore de Benavente

Grupos Etnográficos, Tradições e Atividades no Concelho

  • Região: Ribatejo
  • Distrito: Santarém
  • Concelho: Benavente
Rancho Folclórico da AREPA – Associação Recreativa de Porto Alto

Em plena Lezíria Ribatejana, com o encontro entre o rio Sorraia e o rio Almansor, onde a planície do arroz ainda se encontra presente no quotidiano, situa-se a localidade do Porto Alto, na freguesia de Samora Correia. Aqui tem a sede o Rancho Folclórico da AREPA – Adulto e a Escolinha de Folclore.

São estes dois grupos pertencentes à Associação Recreativa de Porto Alto – AREPA, que dão aos habitantes desta localidade o motivo de orgulho pela continuação das suas tradições que no seu passado viveram. O grupo foi fundado em 1 de dezembro de 1997, uma iniciativa da D. Joaquina Rodrigues, em parceria com o Jardim de Infância de Porto Alto.

Os seus trajes reconhecem-se pelas crianças de famílias humildes, jovens trabalhadores, homens e mulheres que diariamente trabalhavam para ter o sustento para a sua família. São representados o trabalho do campo, nomeadamente o cultivo do arroz, e a atividade piscatória. Desde o campino às ceifeiras, do abegão às aguadeiras, são representadas as raízes e costumes de antigamente.
De modo a preservar parte do seu património, o grupo tem vindo a recolher e a reconstituir o canto, o saber e as danças vividas pelos seus antepassados.

Rancho Folclórico da AREPA - Associação Recreativa de Porto Alto

Rancho Folclórico da AREPA – Associação Recreativa de Porto Alto

Fontes do Musorbis Folclore:

No Musorbis foram revistos todos os historiais de grupos etnográficos. Para facilitar a leitura, foram retirados pormenores redundantes e subjetivos, e foram corrigidos erros de português.

Sociedade Filarmónica Santo Estêvão
Filarmónicas de Benavente

Bandas de Música, História e Atividades no Concelho

  • Sociedade Filarmónica Benaventense
  • Sociedade Filarmónica de Santo Estêvão
  • Sociedade Filarmónica União Samorense

Sociedade Filarmónica Santo Estêvão

Sediada na freguesia de Santo Estevão, no concelho de Benavente, a Sociedade Filarmónica de Santo Estêvão, é uma associação de natureza recreativa, cultural e filarmónica. Constituída em a 05 de fevereiro de 1975, que tem a sua origem no início do século XIX.

SFSE

Sociedade Filarmónica Santo Estêvão

Sociedade Filarmónica Santo Estêvão

Em 2019, no Concerto de Primavera foi homenageada a Banda Juvenil, vencedora de um concurso Internacional, na sua categoria, em Valência -Espanha.

Em 2021, a banda juvenil da SFSE participou em modo online, no IX International Competition and Festival of Arts, Music, Vocals, Dance and Floklore “Winter Stars of Dresden”, na Alemanha, onde conquistou o terceiro lugar.

Ainda em 2021, a Sociedade Filarmónica de Santo Estevão foi a vencedora do Copenhagen Stars 2021, onde participaram mais de 600 concorrentes de diversos países como Arménia, Bielorrússia, Bósnia, Bulgária, Croácia, China, Alemanha, Indonésia, Itália, Letónia, Lituânia, Moldávia, Polónia, Portugal, Espanha, Rússia, Roménia, Ucrânia e Estados Unidos da América. Nesta que foi a primeira competição internacional em que participou, a Banda de Santo Estevão conquistou 45 em 50 pontos possíveis, sendo em 2 meses o terceiro prémio conquistado pela Sociedade Filarmónica de Santo Estevão.

SFSE

Sociedade Filarmónica Santo Estêvão

Sociedade Filarmónica Santo Estêvão, créditos Mónica Monteiro

Morada

Rua Manuel Martins Alves, 13
2130-140 Santo Estêvão

Banda da Sociedade Filarmónica Benaventense

A Banda da Sociedade Filarmónica Benaventense foi fundada em 1 de novembro de 1871. Desde o início, a coletividade não se interessou apenas pela música, mas também por outras artes: teatro, ballet e coro. Há uma década foi ainda criado e integrado nesta coletividade o Núcleo Filatélico e Numismático. A Sociedade Filarmónica Benaventense já participou em vários festivais de música, programas de Televisão e concursos, sendo de salientar o 2º. lugar no Concurso Nacional de 1936, cuja final se realizou em Santarém. Foi convidada a fazer parte na telenovela portuguesa “Os filhos do vento”, exibida em 1995 na RTP.

A Banda da SFB participa regularmente em várias festas religiosas, romarias, festas taurinas, arruadas e concertos. Em 1991, foi galardoada com a Medalha de Honra do Município de Benavente. A SFB mantém em funcionamento a Escola de Música para poder aumentar o número de elementos da Banda.

SFB

Sociedade Filarmónica Benaventense

Banda da Sociedade Filarmónica Benaventense

Sociedade Filarmónica União Samorense

A Banda Filarmónica de Samora Correia saiu à rua pela primeira vez a 1 de dezembro de 1888. Seguiram-se alguns anos de interregno na atividade, sobretudo durante a 1ª Guerra Mundial durante a qual muitas famílias ficaram enlutadas e houve um desinteresse pelas festas e pela música de uma forma geral. Em 10 de maio de 1921 nasceu a Sociedade Filarmónica União Samorense e, à exceção de 5 anos sem atividade devido ao despoletar da II Guerra Mundial, a Banda da SFUS mantém-se ativa até aos nossos dias, formando grande nomes na exceção de música clássica e contemporânea a nível nacional e mundial.

A Sociedade Filarmónica União Samorense foi distinguida com os seguintes galardões: Diploma e Medalha de Ouro de Instrução e Arte (Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura e Recreio 1955); Diploma e Medalha de Mérito Associativo, 75 anos (Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura e Recreio 1996); Diploma de Mérito (Rotary Club de Vila Franca de Xira/Vida Ribatejana 1998, 1999); Diploma de Mérito (Instituto Nacional do Desporto 2003 ); Prémio Carlos Augusto Gaspar (Junta de Freguesia de Samora Correia 2000 ); Diploma e Medalha do Foral (Junta de Freguesia de Samora, 2008 ); Medalha de Mérito Municipal; Diploma de Instituição de Utilidade Pública, 1985.