Artigos

Bombos de Santa Eufémia (Agilde)
Grupos de bombos de Celorico de Basto

Zés Pereiras e outos grupos de percussão tradicional no Concelho

Na década de 1960, Ernesto Veiga de Oliveira identificou tocadores e construtores em Tecla (Celorico de Basto).

Fontes: Fontes: Tocá Rufar, portais municipais, páginas dos grupos

  • Amigos da União de Basto
  • Arnoia em Movimento
  • Bombos de Santa Eufémia (Agilde)
  • Bombos de Santa Maria (Moreira do Castelo)
  • Caetanos de Gagos
  • Castelos em Movimento
  • Grupo de Bombos Os Tugas (Carvalho)
  • Grupo de Bombos Zés Pereiras (Vila Nova, Corgo)
  • Viva Moreira
  • Zés Pereiras de Carvalho
  • Zés Pereiras de S. Romão do Corgo
Bombos de Santa Eufémia (Agilde)

Bombos de Santa Eufémia (Agilde)

Nas Festas do Concelho de 2019 (25 a 28 de julho), como habitualmente, os despiques de bombos e as arruadas percorreram as ruas da vila e a demonstrar a força deste concelho nesta tradição popular, com cada vez mais grupos de bombos pelas freguesias: Bombos de Santa Eufémia, Tugas de Carvalho, Zés Pereiras de Carvalho, Viva Moreira, Zés Pereiras de S. Romão do Corgo, Castelos em Movimento, Caetanos de Gagos, Amigos da União de Basto, e os Arnoia em Movimento.

 

Rancho Folclórico de Santa Maria de Canedo
Folclore em Celorico de Basto

Grupos Etnográficos, Tradições e Atividades no Concelho

06 grupos

  • Centro Cultural e Folclórico da Gandarela
  • Grupo de Danças e Cantares do Divino Salvador de Ribas
  • Rancho Folclórico Recreativo e Cultural de Santa Maria de Canedo
  • Rancho Folclórico do Centro Cultural e Desportivo dos Amigos do Castelo
  • Rancho Folclórico dos Amigos do Castelo de Celorico de Basto
  • Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de S. Bartolomeu do Rego
Rancho Folclórico de Santa Maria de Canedo

O Rancho Folclórico de Santa Maria de Canedo de Basto foi fundado a 28 de maio de 1995. Tem como objetivo divulgar e preservar as tradições, hábitos e costumes da região de Basto.

Rancho Folclórico de Santa Maria de Canedo

Rancho Folclórico de Santa Maria de Canedo

Rancho Folclórico dos Amigos do Castelo de Celorico de Basto

O Rancho Folclórico dos Amigos do Castelo de Celorico de Basto é uma coletividade de natureza etnográfica, que divulga os usos, costumes, danças e cantares dos seus antepassados.

Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de S. Bartolomeu do Rego

O Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de S. Bartolomeu do Rego apresentou o XVII festival de folclore em Celorico de Basto. Celorico mostrou mais um festival de folclore, desta vez na freguesia do Rego tendo como anfitrião o Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de S. Bartolomeu do Rego. Um festival, único no concelho, pelo cariz infantil e juvenil, que vai já na XVII edição, que decorreu no dia 20 de agosto, junto à igreja paroquial do Rego.

Por coincidência este festival antecedeu a festa da Senhora da Saúde e a festa de S. Bartolomeu do Rego, duas festividades organizadas naquela freguesia. No entanto, “não existe uma data fixa para este festival” disse Adélia Vaz, porta-voz do grupo anfitrião. Um festival que acontece no mês de agosto e que procura manter vivas as tradições do folclore.

O XVII festival contou com quatro grupos convidados sendo eles o Rancho Folclórico Flores de Monfirre em Mafra, o Rancho Etnográfico Infantil e Juvenil da Borda do Campo da Figueira da Foz, o Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de Gondarém de Vila Nova de Cerveira, e o Rancho Folclórico dos Amigos do Castelo de Celorico de Basto.

Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de S. Bartolomeu do Rego

Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de S. Bartolomeu do Rego

Em 2019, as Festas do Concelho (25-28 de julho) encerraram com o Festival de Folclore que, como habitualmente, reuniu os seis ranchos do concelho.

Fontes do Musorbis Folclore:

A “Lista dos Ranchos Folclóricos” disponível na Meloteca e a informação nesta plataforma resultam de uma pesquisa aturada no Google e da nossa proximidade nas redes sociais. Foram revistos todos os historiais de grupos etnográficos de modo a facilitar a leitura.

Banda Musical de Santa Tecla, Celorico de Basto
Músicos do Concelho de Celorico de Basto

Bandas de Música, História e Atividades no Concelho

Banda Musical de Santa Tecla

A origem da Banda Musical de Santa Tecla remonta aos inícios do século XX, na freguesia que lhe deu o nome – Santa Tecla. Nos finais dos anos 60, e após um interregno de alguns anos, os elementos da banda, juntando-se com outros elementos de uma segunda banda existente em Celorico de Basto, formaram a União Musical Celoricense. Esta união foi orientada artisticamente pelo Maestro Artur Alves da Mota. Teve uma duração muito breve, apenas meia dezena de anos. O motivo da sua extinção prende-se com rivalidades que sempre existiram entre alguns elementos das anteriores filarmónicas, culminando na sua desagregação.

Logo após o seu declínio, alguns músicos mais entusiastas e dedicados, procurando dar continuidade ao seu trabalho e para desenvolvimento dos seus valores pessoais, rumaram a outras bandas existentes nos concelhos vizinhos (Cabeceiras de Basto, Mondim de Basto, Amarante e Lixa). No início da década de 1980, o maestro Artur Mota entrou em contacto com alguns músicos apaixonados, tentou restaurar o nome e a vida de uma das mais antigas bandas existentes neste concelho, antes da União Musical Celoricense.

A 12 de novembro de 1980 foi constituída uma associação no Cartório Notarial de Fafe, com a designação de Banda Musical de Santa Tecla. A Casa do Povo de Fervença, sob a presidência do Monsenhor Lameiro, foi a entidade que assumiu a tutela dessa banda. Em 1985, dado o esmorecer e envelhecimento do seu corpo ativo, foi solicitada a colaboração de um elemento que atuava na mesma e que, nessa data, se encontrava em fase de conclusão do Curso Geral de Trompete, no conceituado Conservatório Regional de Braga.

Como o problema da subsistência da banda se prendia com a falta de músicos, deu-se início à criação de uma pequena escola de música, com o intuito de alimentar o corpo ativo da banda. Saliente-se a prestimosa colaboração que a Câmara Municipal prestou à escola, nomeadamente na cedência de instalações e participação num subsídio anual, atualmente extinto, bem como nos transportes para deslocação às festas.

BST

Banda Musical de Santa Tecla, Celorico de Basto

Banda Musical de Santa Tecla, Celorico de Basto

A banda está em franco desenvolvimento e é muito solicitada no concelho e em outros pontos do País. Participou em vários eventos fora do país, um dos quais em Huilles (França). A média anual de atuações ronda as três dezenas. Neste momento a banda conta com sessenta elementos, em média, bastante jovens. A subsistência deve-se, em grande medida, aos esforços feitos pelo atual maestro, o professor António Pinto.

Igreja Paroquial de Carvalho
Órgãos de tubos do Concelho de Celorico de Basto

Rodeada de grande beleza natural, entre as Serras do Barroso e do Marão e o planalto de Montelongo, Celorico de Basto é uma vila e concelho do distrito de Braga, junto ao Rio Tâmega, que possui história rica. Teve grande importância na Idade Média por aqui se situarem pontos estratégicos de defesa da região: os castelos de Celorico de Basto e de Arnóias. Em termos de órgãos de tubos, a informação disponível de momento é a seguinte:

Igreja de Carvalho

A Igreja Paroquial de Carvalho dispõe de um órgão da autoria do organeiro suíço Erwin Hauser, opus 87, construído em 1990. Foi comprado de particulares e montado pela JMS Organaria em 2019.