Artigos

Grupo Coral e Etnográfico “Os Trabalhadores” de Ferreira do Alentejo
Coros de Ferreira do Alentejo

Grupos e atividade coral no Concelho

  • Região: Alentejo (Baixo Alentejo)
  • Distrito: Beja
  • Concelho: Ferreira do Alentejo

02 grupos

  • Grupo Coral e Etnográfico “Os Trabalhadores” de Ferreira do Alentejo
  • Grupo Coral “OS Rurais” de Figueira dos Cavaleiros
Grupo Coral “Os Rurais” de Figueira dos Cavaleiros

O Grupo Coral “Os Rurais” de Figueira dos Cavaleiros foi fundado em  1976. Teve como seu fundador o Padre José Alcobia, que o dirigiu até 1986. A partir dessa data continuou a ser dirigido por Luís Franganito.

Tem como atividade principal interpretar e preservar o folclore do Baixo Alentejo. Tem atuado pelo país de norte a sul e no estrangeiro, tendo representado Portugal nas Olimpíadas de Zagreb, na antiga Jugoslávia, em 1989.

Os componentes trajam de sorrabeco de cor castanha, calça, colete e jaqueta, chapéu preto, cinta preta, bota grossa e lenço garrido ao pescoço.

Em 1999 foi fundado um grupo coral feminino, que se regia pelos mesmos estatutos do grupo “Os Rurais”. Em 2002, integrado nas festas anuais da localidade, foi feita a junção dos dois grupos.

Existe também um grupo coral e instrumental infantil, no sentido de dar continuidade ao cante alentejano.

GCRFA

Grupo Coral "OS Rurais" de Figueira dos Cavaleiros

Grupo Coral “Os Rurais” de Figueira dos Cavaleiros

 

O Grupo Coral e Etnográfico “Os Trabalhadores” de Ferreira do Alentejo foi fundado em 1947 pelo pároco da vila e concelho, Padre José de Alcobia.

Várias vezes tem representado a sua região em festivais regionais, nacionais e internacionais de folclore e etnografia e sempre obtido os maiores triunfos.

Distinguem-se de todos os grupos do mesmo género pelo modo de cantar e pelo que cantam. Os seus elementos são trabalhadores do campo e ouvem-se sempre com o maior prazer. De entre todos é justo destacar o “ponto” e os “altos” ou solistas, que foram considerados pela crítica como os melhores de todos os grupos alentejanos.

O povo, a que pertencem os componentes do grupo, exterioriza os seus sentimentos cantando e este canto é uma tradução fiel dos sentimentos populares e ao mesmo tempo revelador de uma cultura musical. O canto alentejano é um misto de profano-sagrado e canta dois profundos sentimentos humanos: o amor e a saudade. Vem de longe, dos antepassados e ficou na alma do povo como relíquia viva de uma tradição que não morre.

Grupo Coral e Etnográfico “Os Trabalhadores” de Ferreira do Alentejo

Grupo Coral e Etnográfico “Os Trabalhadores” de Ferreira do Alentejo

Fontes do Musorbis Folclore:

A “Lista dos Ranchos Folclóricos” disponível na Meloteca e a informação nesta plataforma resultam de uma pesquisa aturada no Google e da nossa proximidade nas redes sociais. Para o Musorbis foram revistos todos os historiais de grupos.

Sociedade Filarmónica e Recreativa de Ferreira do Alentejo
Filarmónicas de Ferreira do Alentejo

Bandas de Música, História e Atividades no Concelho

Sociedade Filarmónica e Recreativa de Ferreira do Alentejo

A Sociedade Filarmónica e Recreativa de Ferreira do Alentejo foi fundada em 1925. São seus objetivos organizar grupos dramáticos e musicais, proporcionar recreio aos seus associados, por meio do concertos, recitas,  jogos, bem assim como a sua instrução, organizando uma biblioteca. Entre 1963 e 1978 a Banda e a Coletividade sofreram um interregno nas suas atividades.

No fim de 1978 conseguiu-se reavivá-las, com a criação da Escola de Música, a qual, até hoje, vem “alimentando” a Banda com os executantes que forma. A Banda é composta por 37 elementos e a Escola é frequentada por 30 alunos, com idades entre os 10 e os 15 anos. A Banda da Sociedade Recreativa de Ferreira do Alentejo tem atuado em eventos, da mais variada índole, um pouco por todo o país.

SFRFA

Sociedade Filarmónica e Recreativa de Ferreira do Alentejo

Sociedade Filarmónica e Recreativa de Ferreira do Alentejo

Órgãos de tubos do concelho de Ferreira do Alentejo [1]

De acordo com as informações disponíveis, existem órgãos de tubos nas seguintes igrejas do Concelho:

Igreja Matriz de Ferreira do Alentejo

[ Igreja Paroquial ] [ Nossa Senhora da Assunção ]

Ferreira do Alentejo

O primitivo edifício da Igreja Matriz de Ferreira do Alentejo terá sido pertença da antiga comenda de Santiago de Espada, e já existiria em 1320. O templo, nomeadamente a capela-mor e parte do transepto, encontrava-se sem cobertura em 1571, data na qual terá sido remodelado. Teve uma grande intervenção no início do século XVIII, da qual resultou a construção dos portais principal e lateral, e da torre sineira da fachada. Sofreu muitos danos durante o ciclone de 1941, que obrigaram a novas obras, e resultaram no desaparecimento do adro da frontaria, com guarda de ferro, da torre do Relógio da vila, e do batistério quinhentista. Na igreja atual destaca-se em primeiro lugar o belo portal barroco, com vão em arco rebaixado sobre pilastras, encimado por duas volutas em enrolamento que emolduram uma elegante pedra de armas da Ordem de Santiago, em moldura oval. No interior conservam-se várias pinturas, e imaginária, incluindo duas tábuas representando São Francisco recebendo os estigmas e São Luís, bispo de Tolosa, provenientes da Igreja Paroquial de Vilas Boas, e uma imagem de Nossa Senhora da Conceição proveniente da igreja da mesma invocação, que se diz ter acompanhado Vasco da Gama na descoberta do caminho marítimo para a Índia.

Fonte: Sílvia Leite, DIDA – IGESPAR, I.P.