Artigos

Sociedade Filarmónica Fraternidade de S. João de Areias
Filarmónicas de Tábua

Bandas de Música, História e Atividades no Concelho

Sociedade Filarmónica Fraternidade de S. João de Areias

Fundada em 1875, sempre em atividade, teve como fundador António Augusto dos Santos Macário um entusiasta pela causa da música que frequentou o curso do Conservatório de Música em Coimbra. De acordo com fonte oral: “Anos antes da fundação da filarmónica já seis rapazes começaram a aprender musica. António Augusto encontrou meia dúzia de rapazes com habilidade, agarrou neles e arranjou logo doze a tocarem às missas”. Iniciaram-se os ensaios numa loja cedida gratuitamente por um elemento da coletividade.

Passados alguns anos de atividade, veio a necessidade de se adquirir um espaço que lhe servisse de sede, onde pudessem guardar as suas coisas e fazer os ensaios. Os diretores e músicos lançaram mãos à compra de uma casa “velha” em madeira, que por muito tempo serviu de sede. Um ciclone em 1941 pôs fim à débil casa, deixando a banda novamente sem abrigo e perdendo-se documentos escritos existentes e muitos instrumentos. Restava mais uma vez o esforço e dedicação de todos para se iniciar a construção de uma nova sede, mãos à obra. A construção do novo edifício deu-se entre 1948-1953 e ainda serve de sede já com restauros de fundo.

Ao longo destes anos a Filarmónica contou com um rancho folclórico tendo como nome “As Papoilas“ e um grupo musical de baile “Os Rouxinóis do Mondego“ ambos extintos. Tem uma escola de música com cerca de 45 alunos desta localidade e localidades limítrofes. A banda conta com cerca 65 elementos, com idades inferiores a 20 anos na sua maioria. A Orquestra Juvenil foi uma das atividades lançadas por esta coletividade em 1994, aquando a regência de Evaristo Neto. Dela faziam parte 20 elementos dos mais jovens da banda de música, passando mais tarde a permanecer só o nome de Orquestra Ligeira da Filarmónica de S. João de Areia. Ao longo de todos estes anos de existência foram inúmeras as atuações em festas religiosas e profanas, receções a ministros e presidentes da Republica, festivais de bandas e aniversários, inauguração de estádios. Teve atuações em diversos pontos do Pais e Estrangeiro, na Feira Popular de Lisboa, Feira de S. Mateus em Viseu.

Nas atuações no Estrangeiro, contou em 1994 com um convite dos E.U.A., onde fez deslocar durante 10 dias para participação nas Comemorações do Dia de Portugal e das Comunidades, e diversos concertos se realizaram para os emigrantes aí residentes. Em 1995 surgiu o convite dos emigrantes residentes em Nimes – França, onde a Filarmónica se deslocou para diversas atuações.

Para a comemoração os seus 130 anos de existência em 2005, gravou o seu 1° CD, com a regência do Maestro Rui Alves, gravação em concerto ao vivo na Casa da Cultura de Santa Comba Dão. Desde outubro de 2007 conta com a Regência de Pedro Carvalho que voltou a fomentar uma nova Orquestra da Escola de música. Desde 2008, participa no evento “Bandas a Concerto” organizado pelo Ministério da Cultura, apresentando-se em 2008 no Cine-teatro Avenida (Castelo Branco), em 2009 no Cine-teatro de Estarreja, em 2010 no Cine-teatro de Mação e em 2011 no Centro de Artes e Espetáculo de Server do Vouga. Em 2009 gravou o 2° CD e em 2011 o 3° CD.

SFFSJA

Sociedade Filarmónica Fraternidade de S. João de Areias

Sociedade Filarmónica Fraternidade de S. João de Areias

Órgãos de tubos do concelho de Tábua [1]

De acordo com as informações disponíveis, existem órgãos de tubos nas seguintes igrejas do Concelho:

Igreja Matriz de Mouronho

[ Igreja Paroquial ] [ São Julião ]

Igreja matriz de Mouronho, Tábua

Igreja matriz de Mouronho, Tábua

A Igreja Paroquial de Mouronho, dedicada a São Julião, terá sofrido uma intervenção no século XVIII. A estrutura, de cota mais elevada que o espaço circundante, no qual se integra um adro murado, apresenta paredes pintadas de branco e compõe-se da articulação de vários corpos, menos elevada, à nave central, à nave colateral na fachada lateral direita, menos elevada, à capela-mor, de menor largura, a um anexo adossado à fachada lateral esquerda e uma torre sineira, que se encontra unida à igreja por arcada de três vãos. O acesso ao portal e ao espaço lateral esquerdo é realizado através de uma pequena escadaria. A frontaria expõe pilastras líticas nos cunhais correspondendo ao corpo da nave central, empena triangular com entablamento simplificado, cuja cornija saliente suporta beirado. Ao nível do telhado existem dois fogaréus piramidais, alinhados com as pilastras e colocados sobre base retílinia e peanha quadrangular, e uma cruz na cumeeira. O portal possui ombreiras retas, ornadas com volutas e lintel decorado com cartela, e é encimado por frontão interrompido, com extremidades em volutas a enquadrar um óculo quadrilobado, de moldura concretizada com conchas , enrolamentos e um pequeno anjo. A fachada exibe, na extremidade direita, a estrutura correspondente à nave lateral, rasgada por uma janela de cantaria chanfrada. A igreja terá possuído uma torre sineira adossada com um sino datado de 1789, mas, em meados do século XX, essa torre foi demolida e construiu-se a atual, colocada no lado esquerdo, que, como já foi referido, se encontra ligada ao corpo do templo por uma arcada.

Fonte: JFM