Artigos

Grupo de Bombos de Arguedeira
Grupos de Bombos de Tarouca

Bombos, Zés Pereira, grupos e eventos de percussão tradicional no Concelho

  • Grupo Cultural Bombos de Tarouca
  • Grupo de Bombos de Arguedeira
  • Grupo de Bombos de Mondim da Beira

A tradição dos bombos é muito antiga, reportando-se a ligações culturais mediterrânicas. O termo “bombo” provém do latim “bombus” que significa ruído e crê-se que os bombos chegaram à Europa do sul vindos de regiões árabes (“al tambur“). Era também ao som de bombos que eram feitos anúncios nas praças das cidades da Idade Média e este foi um instrumento que ganhou uma grande especialização no domínio militar, usado como meio de comunicação e durante as paradas ou desfiles.

(Binaural – Associação Cultural de Nodar)

Grupo de Bombos de Arguedeira

Grupo de Bombos de Arguedeira

Flor do Sabugueiro - Associação Recreativa, Cultural e Desportiva de Dalvares
Folclore de Tarouca

Grupos etnográficos, tradições e atividades no Concelho

Rancho Folclórico Flor do Sabugueiro de Dalvares

Associação Recreativa e Cultural de Dalvares tem como modalidades ativas o folclore (Rancho Folclórico), Escola de Concertinas e o Núcleo de Ténis de Mesa. Organiza  o “Cantar as Janeiras” (Bianual), a manifestação cultural “Sabugueiro em Flor”. O Rancho participa em festivais de folclore e outras atividades desportivas e recreativas.

CONTACTOS

Av. Professor Celso Gomes
3610-013 Dalvares, Tarouca
Tlm. 939823759
Email: aflordosabugueiro@hotmail.com

Flor do Sabugueiro - Associação Recreativa, Cultural e Desportiva de Dalvares

Flor do Sabugueiro – Associação Recreativa, Cultural e Desportiva de Dalvares

Banda Musical de Gouviães, Tarouca

Filarmónicas de Tarouca

Bandas de Música, História e Atividades no Concelho

  • Associação Filarmónica de Tarouca
  • Banda Musical de Gouviães
Associação Filarmónica de Tarouca

A Banda de Tarouca terá sido fundada por volta de 1830, com origem em bandas militares que, um pouco por todo o País, começaram a despontar no início do século XIX. As deslocações eram feitas a pé chegando os seus elementos a passar vários dias sem vir a casa. Em finais dos anos 1920, foi interrompida a sua atividade.

Em 1933, Manuel Oliveira (Manecas), músico na Banda do Regimento de Infantaria em Lamego, procedeu à reativação da banda com o nome de Banda 1º de Janeiro. Nesta formação merece destaque o Sr. Abraão que, após passagem por várias bandas na região das Caldas da Rainha, integrou a Banda de Tarouca onde se revelou um exímio executante e compositor.

Em 1957 foi novamente interrompida a sua atividade mas não demorou dois anos até que Manuel Ferreira de novo pegasse num grupo de jovens e reiniciasse a ação musical naquela que até 1962 ficou conhecida na região como a “Banda da Rapaziada”.

Após 11 anos de interregno foi Nelson Santos, ex-músico da Banda que, em 1973, auxiliado por músicos da terra, deu novamente vida à Banda, que conseguiu uma sede e a sua legalização com a atual designação em 1983. Em 1987 foi criada uma escola de música, onde atualmente perto de duas dezenas de jovens fazem a sua iniciação musical ou trabalham o aperfeiçoamento. A Banda é constituída por 48 executantes amadores.

AFT

Associação Filarmónica de Tarouca

Associação Filarmónica de Tarouca

Banda Musical de Gouviães

A Banda Musical de Gouviães fundada em 1877 por Manuel Ferreira, seu grande mentor e primeiro maestro, assessorado pelos irmãos Artur e António Pestana Mendonça. Produziu instrumentistas que, deslocados para os grandes centros culturais nacionais e estrangeiros, vieram a integrar os  famosos grupos musicais, bandas e orquestras sinfónicas em posições de destaque, solistas, diretores de Orquestra, compositores e professores de conservatórios e de academias, com destaque para os irmãos Pestana.

Ao fundar a Banda, Manuel Ferreira preparou os jovens locais e de povoações vizinhas para lhes dar condições técnico-artísticas. Dirigiu a Banda durante muitos anos.

A Banda participa em festas civis, religiosas, encontros e concursos de bandas por todo o País, tendo, em 1972, conseguido um 3º lugar, num concurso de bandas em Viseu. Em 2002 teve a sua estreia internacional no Luxemburgo, a convite de “Os Lusitanos” do Luxemburgo.
Em 2007 lançou o 1º CD, com um concerto no Auditório Municipal “Adácio Pestana”, e festejou o seu 130º aniversário, organizando o primeiro encontro de Bandas Filarmónicas em Gouviães. Em 2009, organizou o I Festival de Música Prof. Adácio Pestana. Nesse ano, após ter ficado em 1º Lugar nas eliminatórias regional, e zona Centro, venceu na Figueira da Foz, o Concurso Nacional de Música, organizado pelo INATEL.

Em 2018 gravou o segundo CD, intitulado Lusitanidades, que teve a sua apresentação no dia 04 de novembro no Auditório Municipal “Adácio Pestana” .

A Manuel Ferreira sucederam, primeiro, o seu filho Dimas Ferreira da Silva, e depois António Pestana Mendonça, José Santana, Manuel Ferreira Júnior, Ângelo Pestana, Américo Ferreira, Adácio Pestana, Manuel Pinto Juvandes, Armindo Ferreira, Benjamim Brás, Manuel Teixeira, José Ribeiro, José Manuel Cunha.

Desde 1998 é dirigida por Ricardo Fonseca.

BMG

Banda Musical de Gouviães, Tarouca

Associação da Banda Musical de Gouviães, Tarouca

Casa onde nasceu o etnógrafo José Leite de Vasconcelos em Tarouca

MÚSICA À VISTA

Música, iconografia e património edificado no Concelho
Casa onde nasceu o etnógrafo José Leite de Vasconcelos em Tarouca

Casa onde nasceu o etnógrafo José Leite de Vasconcelos em Tarouca

Associação Filarmónica de Tarouca
Músicos naturais do Concelho de Tarouca

Projeto em desenvolvimento, o Musorbis aproxima os munícipes e os cidadãos do património musical e dos músicos do Concelho.

José Leite de Vasconcelos

José Leite de Vasconcelos, etnógrafo, de Tarouca

José Leite de Vasconcelos, etnógrafo, de Tarouca

Igreja do Mosteiro de Tarouca

Órgãos de tubos do concelho de Tarouca [2]

De acordo com as informações disponíveis, existem órgãos de tubos nas seguintes igrejas do Concelho

  • Igreja do Mosteiro de Salzedas
  • Igreja do Mosteiro de São João de Tarouca

Igreja do Mosteiro de Salzedas

[ de Santa Maria ]

Igreja do Mosteiro de Salzedas

Igreja do Mosteiro de Salzedas

A construção do Mosteiro masculino da Ordem de Cister de Salzedas começou em 1168. Com a sua fundação intimamente ligada à figura de Teresa Afonso, esposa de Egas Moniz, o complexo monástico foi largamente ampliado no século XVII e XVIII, destacando-se um novo e monumental claustro no século XVIII, com traço do arquiteto maltês Carlos Gimach.

Contando no seu espólio com trabalhos de alguns dos maiores nomes da pintura em Portugal, como Vasco Fernandes (Grão Vasco), Bento Coelho da Silveira ou Pascoal Parente, com a extinção das Ordens Religiosas em Portugal em 1834, a igreja foi convertida em igreja paroquial e parte das dependências monásticas vendidas a privados.

Classificado Monumento Nacional em 1997, em 2002, ao abrigo de protocolo com a Diocese de Lamego, o Estado Português iniciou o progressivo restauro dos edifícios e espólio. A integração, em 2009, no Projeto Vale do Varosa, juntamente com mais dois monumentos (Mosteiro de São João de Tarouca e Convento de Santo António de Ferreirim), possibilitou a abertura do espaço ao público em outubro de 2011, espaço onde é ainda possível visitar o núcleo museológico e a exposição “Fragmentos. Expressões da Arte Religiosa do Mosteiro de Santa Maria de Salzedas”. O Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, à semelhança do congénere de São João de Tarouca, é dos mais visitados da região do Douro e Varosa.

Fonte: Cultura Norte

Igreja do Mosteiro de São João de Tarouca

Igreja do Mosteiro de Tarouca

Igreja do Mosteiro de Tarouca

A construção do Mosteiro de São João de Tarouca iniciou-se em 1154, sendo o primeiro mosteiro masculino cisterciense edificado em território português. Com a sua fundação intimamente ligada à fundação da nacionalidade e à figura de D. Afonso Henriques, o complexo monástico foi largamente ampliado no século XVII e XVIII com a construção de novos edifícios, de entre os quais se destaca um novo e colossal dormitório, de dois pisos, único em Portugal.

O ano de 1834 viria a ditar a sucessiva decadência do edificado, consequência direta do decreto da extinção das Ordens Religiosas. A igreja foi convertida em igreja paroquial e as dependências monásticas foram vendidas em hasta pública e os seus edifícios explorados como pedreira até aos inícios do século XX.

Classificado de Monumento Nacional, o complexo monástico integra desde 2009, com mais dois monumentos (Mosteiro de Santa Maria de Salzedas e Convento de Santo António de Ferreirim) o Projeto Vale do Varosa, que já permitiu a requalificação da Igreja do Mosteiro e, desde 2013, a musealização das ruínas, resultado de uma exaustiva escavação arqueológica que decorreu entre 1998 e 2007. Na Casa da Tulha, antigo celeiro monástico, o visitante pode ver a reconstituição tridimensional do Mosteiro, sendo este o espaço que acolhe o centro interpretativo do sítio. O Mosteiro de São João de Tarouca é um dos lugares mais procurados por quem visita a região do Douro e do Varosa.

Fonte: Cultura Norte

Enquadramento

Órgão da Igreja do Mosteiro de São João de Tarouca

Órgão da Igreja do Mosteiro de Tarouca

Órgão e tribuna, do lado da Epístola

Órgão da igreja do mosteiro de São João de Tarouca

Órgão da igreja do mosteiro de São João de Tarouca

Montra

Órgão da Igreja do Mosteiro de São João de Tarouca

Órgão da Igreja do Mosteiro de Tarouca

Pormenores da tribuna e da fachada

Órgão da Igreja do Mosteiro de São João de Tarouca

Órgão da Igreja do Mosteiro de Tarouca

Pormenor da fachada

Órgão da igreja do mosteiro de São João de Tarouca

Órgão da igreja do mosteiro de São João de Tarouca

FOI NOTÍCIA

Fonte: MadreMedia / Lusa/SAPO, 31 mar 2021 19:11

O único órgão na Península Ibérica com ‘maestro articulado’ fica na igreja do Mosteiro de São João de Tarouca e vai ser recuperado, num investimento a rondar os 350 mil euros, disse o pároco de São João de Tarouca, José Ramos, à agência Lusa.

“É o único órgão que existe com o ‘maestro articulado’ na parte frontal para reger as pessoas no sentido de subirem ou descerem o tom, conforme os cânticos. Foi mandado construir pelo abade na altura, em 1767, e o construtor foi António Solha”, contou.

Segundo José Rodrigues dos Santos, o órgão de 1737, da Catedral de Braga também possui este sistema.

O pároco não escondia “a felicidade de finalmente o órgão ser recuperado, uma ambição de muitos anos” que carrega desde que assumiu as funções de pároco, há 27 anos, “porque há muita gente que infelizmente já morreu e que dizia muita vez que não queria partir se o ouvir tocar”.

Esta recuperação vai ser possível agora, porque, “depois de anos e anos a tentar, nomeadamente junto da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, [as candidaturas] vinham sempre reprovadas”.

Então virou-se para o mecenato e, “depois de receber a primeira resposta positiva, a esperança cresceu”.

“Com o apoio de três fundações, a Câmara Municipal de Tarouca, em 44 mil euros, e a Direção Regional de Cultura do Norte, em cerca de 46 mil, penso ter o necessário para a recuperação do órgão”, regozijou-se o pároco, que contou que “a maior parte do investimento é dos privados”.

Para José Ramos, o seu “desejo é ainda ouvir o órgão” e, agora, espera “poder inaugurar em 20 de agosto do próximo ano, Dia de São Bernardo, padroeiro da Ordem de Cister”, sob a qual foi construído o Mosteiro de São João de Tarouca. “É o primeiro mosteiro masculino cisterciense edificado em território português”, disse à Lusa.

“Ninguém sabe ao certo quando é que [o órgão] tocou pela última vez, mas pensamos que, com a expulsão das ordens religiosas, em 1834 ou 1836, o órgão [tenha sido] saqueado. E daí a [necessidade de] intervenção muito profunda”, contou à Lusa.

O pároco adiantou que “faltam muitos instrumentos, palhetas e tubos de som, ou seja, [o órgão] tem a caixa exterior, mas a máquina não existe”. Assim, “vai ser feita uma caixa idêntica à primitiva, mas totalmente nova, e a caixa exterior será restaurada, tanto os dourados como os mármores”.

O órgão de tubos da igreja do antigo convento de São João de Tarouca é proveniente da oficina de Francisco António Solha, datado de 1767, altura em que foi construído por ordem do frei Félix de Castelo Branco.

Como elemento distintivo, possui uma escultura em talha policromada, na qual a tradição identifica uma representação de Cristo, de acordo com o Salmo 29 (“o Senhor sentou-se sobre as águas do dilúvio, como rei eterno”).

Esta figura de vulto, montada na balaustrada do órgão, virada para a assembleia de culto, é articulada, mexendo a boca e os braços, passível de acompanhar a interpretação musical, o que sustenta a designação de “maestro”.

O arranque desta recuperação acontece depois da assinatura, feita hoje, de um protocolo com a autarquia, mas também com a Direção Regional de Cultura do Norte, que também assinou outros dois, esta quarta-feira: com a Associação do Vale do Varosa, para a manutenção do horto monástico, ao redor do Mosteiro, e um outro em Ferreirim, na região de Lamego.

“Termino um ciclo de mais de sete anos hoje com esta curiosidade de conseguir congregar três protocolos destinados a três formas de valorização do património. Um sobre a intervenção direta num objeto, numa peça de arte, o órgão, outro para a intervenção na paisagem natural do Mosteiro e, um terceiro, para um agente cultural que vai dinamizar o património” da região, disse o diretor-geral de Cultura do Norte, António Ponte, no seu último dia de funções, uma vez que, na quinta-feira, assume a direção do Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto.

Este responsável destacou os monumentos do Vale do Varosa que se situam numa zona de confluência entre o Norte, junto ao Rio Douro, e a zona Centro, “que acabam por ser um ponto de atração”, destas duas regiões.

O horto monástico terá “plantas medicinais e ervas aromáticas” e, no futuro, “vinhas de castas que os mosteiros cultivavam e sabugueiros”, explicou o presidente da Associação do Vale do Varosa, José Damião Melo. “A ideia é manter as culturas originais e todas elas biológicas e envolver toda a comunidade nisso” nos mais de quatro hectares de área”.

A envolvência da comunidade foi destacada por António Ponte que defendeu ter “um valor acrescido, porque responsabiliza a comunidade pelo valor do seu património e isso é muito importante” até porque, disse, “a preservação não é só uma responsabilidade das entidades públicas”.

“Em Ferreirim assinámos um protocolo com os municípios de Tarouca e de Lamego, para criar um agente de intermediação cultural, com uma participação de 15 mil euros, porque não chega restaurar, é preciso dinamizar pelo lado da utilização de diversas manifestações e diferentes públicos”, defendeu António Ponte.