Artigos

Grupo de Danças e Cantares de Alfena
Folclore de Valongo

Grupos etnográficos, tradições e atividades no Concelho

  • Região: Entre Douro e Minho
  • Distrito: Porto
  • Concelho: Valongo

04 grupos

  • Grupo de Danças e Cantares de Alfena
  • Rancho Folclórico de Santo André de Sobrado
  • Rancho Infantil e Juvenil Padeirinhas de Valongo
  • Rancho Regional de Campo
Grupo de Danças e Cantares de Alfena

O Grupo de Danças e Cantares de Alfena é uma das valências da ASPRECA, que, de norte a sul do país, divulga as raízes do povo da cidade de Alfena. A ASPRECA – Associação para a Preservação do Património Cultural Popular de Alfena tem como objetivo o estudo, preservação e divulgação do património Cultural Popular Tradicional da freguesia de Alfena. A Associação foi fundada em 11-11-2012, por altura do São Martinho, por um grupo de amigos ligados às lides tradicionais populares e ao folclore e etnografia, no sentido de, com a veracidade e fidedignidade possíveis, evitar a perda de uma identidade própria, em face da globalização.

GDCA

Grupo de Danças e Cantares de Alfena

Grupo de Danças e Cantares de Alfena

Rancho Folclórico de Santo André de Sobrado

Situado na região Entre Douro e Minho, distrito do Porto, concelho de Valongo, o Rancho Folclórico de Santo André de Sobrado foi fundado no ano de 1989. Sobrado é uma freguesia do concelho de Valongo, situada num vale com planícies cercadas de montanhas ricas em madeira e atravessada pelas águas do Rio Ferreira que, nas suas margens, propicia a agricultura.

Os trajes, danças e cantares recolhidos na altura da sua fundação estão relacionados com os trabalhos do linho e da agricultura. Muita da atividade do grupo gira à volta do ciclo do linho, sendo desenvolvidas todas as atividades do processo de fabrico do
linho. São de salientar as representações dos trabalhos do ciclo do linho com os tradicionais cantares a vozes recolhidos pelo grupo.

Do seu repertório foram realizadas duas edições em cassete e duas em CD. Na sua atividade anual realiza o seu festival de folclore, a festa do seu aniversário, no dia do padroeiro da freguesia, Santo André, e uma desfolhada tradicional. O grupo conta com exibições por todo o país, contando ainda a nível internacional com várias apresentações na Espanha e na França.

É membro aderente da Federação do Folclore Português.

(Para efeito de desambiguação, informamos que existe em Vila das Aves, concelho de Santo Tirso, um rancho com o mesmo nome.)

RFSAS

Rancho de Santo André de Sobrado, Valongo

Rancho de Santo André de Sobrado, Valongo

Rancho Infantil e Juvenil Padeirinhas de Valongo

Sediado em Valongo, região do Douro Litoral, o Rancho Infantil e Juvenil Padeirinhas de Valongo foi fundado a 27 de novembro de 1986.

RIJPV

Rancho Infantil e Juvenil Padeirinhas de Valongo

Rancho Infantil e Juvenil Padeirinhas de Valongo

Rancho Regional de Campo

O Rancho Regional de Campo, Valongo, nascido a 11 de abril de 1986 é composto por cerca de 40 elementos. Representar, hoje, com justa legitimidade, o puro folclore e etnografia da sua região (Douro Litoral – Norte). A 13km a norte do Porto (região Entre Douro e Minho), Campo destaca-se pela sua beleza paisagística, em que o verde dos campos contrasta com o cinzento das lousas, e pela qualidade dos seus biscoitos e regueifa. O Rancho divulga num repertório rico e variado as danças e cantares da região, entre as quais os viras, os malhões, a cana verde e a chula, que constituem um dos principais motivos para as pessoas se juntarem nas horas de lazer.

RRC

Rancho Regional de Campo

Rancho Regional de Campo

A tocata do rancho consta de diversos instrumentos que num conjunto agradavelmente harmonioso, reproduzem o ritmo alegre e comunicativo da música tradicional. Quanto aos trajes, apresenta o grupo os trajes usados outrora e identificados com os usos e costumes da sua região, sejam eles trajes de trabalho, feira, romaria, domingar, noivos e missa ou culto rico.

Banda Musical de São Vicente de Alfena

Filarmónicas de Valongo

Bandas de Música, história e atividades no Concelho

  • Banda Musical de São Martinho do Campo
  • Banda Musical de São Vicente de Alfena
Banda Musical de são Martinho de Campo

A Banda Musical de S. Martinho de Campo é uma coletividade cultural, artística e recreativa, fundada em 1929 por  José Teixeira Ferreira. Fez a sua primeira atuação em 27 de março desse mesmo ano. Em 1950 foi criado, no seio da Banda, um grupo coral, com o intuito de participar nas celebrações religiosas. No ano de 1968, a Banda Musical de S. Martinho do Campo inaugurou a sua sede.

Com estatutos de 1978, é constituída por cerca de 50 elementos, a Banda Musical de S. Martinho de Campo dedicou-se desde sempre à animação de romarias, festividades, concertos e, acima de tudo, ao ensino de uma das Artes mais belas que existem no mundo. Tem atuado em diversos pontos no país, com bandas de grande relevo nacional e tem prestado homenagem a diversas entidades públicas.

José Teixeira Ferreira

José Teixeira Ferreira, maestro e fundador da Banda Musical de São Martinho do Campo

José Teixeira Ferreira, maestro e fundador da Banda Musical de São Martinho do Campo

Em 2019, comemoraram-se a 16 de novembro, os 90 anos da Banda Musical de São Martinho. Foi um dia marcante para a Banda, para a Freguesia e para o Município, tratando-se de uma das associações mais representativas do Concelho em Portugal e no estrangeiro. A comemoração contou com a presença da Câmara Municipal, na pessoa dos vereadores Orlando Rodrigues e Paulo Ferreira e do adjunto do presidente da Câmara de Valongo José Carvalho, da Junta de Freguesia com o presidente Alfredo Sousa e Raquel Martins, também do executivo da junta de Campo, do Padre Macedo da Paróquia de Campo, antigos músicos, antigos diretores e um conjunto de amigos que nos últimos tempos tem ajudado a Banda e a Escola de Música, patrocinando os alunos que não tem condições para adquirir instrumentos.

Foram apresentados os projetos que estão a ser edificados, como a criação do “Conservatório Municipal de Valongo”, o grupo de Dixie Music da Banda de São Martinho (“Dixie Field – Powered by São Martinho Band”) e o alargamento do edifício da Escola de Música. Atuaram os “SSB – The Band”, “nascidos” na Banda de São Martinho.

Foram entregues os Prémios “Clave de Ouro”, em que os músicos elegeram os elementos que mais se destacaram nos últimos anos, destacando-se o “Prémio Carreira”, atribuído ao António Cunha e a pontualidade premiou o António Rocha.

Banda Musical de São Vicente de Alfena

A Banda Musical de São Vicente de Alfena foi fundada em 1940. Com o Centro Social e Paroquial de Alfena a lançar os seus fundamentos, logo a Banda se acolheu à sua proteção. O Padre Nuno Cardoso não se poupou a esforço para fazer da Banda mais um cartaz do próprio Centro, que acabava de nascer, e fez da Banda um dos pólos culturais do novo Centro Social que, além da Assistência e do Desporto, tinha na cultura uma das suas vertentes essenciais. Não obstante os encargos que a Banda representava, nem por isso o Senhor Padre Nuno Cardoso deixou de proteger e fomentar o progresso da Banda, colocando ao dispor dos músicos lugares para ensaios, transportes, fardamentos e meios para aquisição de instrumental.

Foi das poucas Bandas que teve à sua frente uma senhora, a Maestrina Antonieta Moreira, tendo sido a primeira mulher a ocupar um cargo de regência numa banda filarmónica e sendo de todos os maestros das bandas nacionais aquela que durante mais tempo consecutivo dirigiu a mesma banda, mais de 35 anos.

A banda, integrada no Centro Social e Paroquial de Alfena, foi em outubro de 2015 constituída como uma coletividade, através da criação da Associação Banda S. Vicente de Alfena pelo seu atual presidente Padre Manuel Fernando Soares.

A Banda participa em desfiles de Bandas e realiza cerca de 15 atuações anuais. Compõem-na 50 músicos, muitos dos quais foram formados na privativa escola de Música. Desde 2018 o maestro Manuel Barros tem a seu cargo a direção artística da associação.

BMSVA

Banda Musical de São Vicente de Alfena

Banda Musical de São Vicente de Alfena

Alberto Ribeiro, fadista, de Valongo
Músicos naturais do Concelho de Valongo

Projeto em desenvolvimento, o Musorbis aproxima os munícipes e os cidadãos do património musical e dos músicos do Concelho.

Alberto Ribeiro

Alberto Ribeiro, fadista, de Valongo

Alberto Ribeiro, fadista, de Valongo

“Coimbra”

Alberto Ribeiro, fadista, de Valongo

Alberto Ribeiro, fadista, de Valongo

“O Porto é assim”

Alberto Ribeiro, fadista, de Valongo

Alberto Ribeiro, fadista, de Valongo

“Orquídea”

Alberto Ribeiro, fadista, de Valongo

Alberto Ribeiro, fadista, de Valongo

Órgãos de tubos do concelho de Valongo [4]

De acordo com as informações disponíveis, existem órgãos de tubos nas seguintes igrejas do Concelho:

Igreja de Santa Rita

[ Santuário de Santa Rita ]  [ do Colégio de Santa Rita ] Ermesinde

A 12 de outubro de 1749 foi lançada a primeira pedra do convento dedicado a Nossa Senhora do Bom Despacho e Santa Rita. No local, uma quinta no lugar da Mão Poderosa, doada por Francisco da Silva Guimarães e mulher à congregação dos Religiosos Eremitas Descalços de Santo Agostinho, já existia uma ermida. Esta veio provavelmente a ser substituída por volta de 1800, com a construção da atual Igreja de Santa Rita ou da Formiga, como é também é conhecida. A igreja é uma referência do barroco portuense, de decoração interior neoclássica. Durante o Cerco do Porto, entre 1832 e 1833, o convento serviu de hospital das tropas absolutistas, tendo tido a visita de D. Miguel. Com o liberalismo foi extinta a congregação e vendido o convento. Ao longo dos tempos foi tendo diversas funções ligadas com a educação. Com a República tornou-se um Internato e depois Colégio de Ermesinde, como ainda é conhecido. É local de peregrinação regional para onde convergem devotos durante todo ano. O culto mais significativo é o de Santa Rita, cujo dia se comemora a 22 de maio, sendo a festa, uma das mais importantes do concelho de Valongo, no segundo domingo de junho.

Fonte: CMV

Igreja de Santa Rita

Igreja de Santa Rita

O coro alto sobre a entrada alberga um órgão Orgelbau Goll AG, 2002, órgão de dois manuais e pedaleira com acoplamentos.

Coro alto e órgão

Órgão da Igreja de Santa Rita

Órgão da Igreja de Santa Rita

Manúbrios da esquerda e manuais

Órgão da Igreja de Santa Rita

Órgão da Igreja de Santa Rita

Manúbrios da direita

Órgão da Igreja de Santa Rita

Órgão da Igreja de Santa Rita

Igreja Paroquial de Campo

[ São Martinho ]

Igreja Matriz de São Martinho do Campo

Igreja Matriz de São Martinho do Campo

Coro alto e órgão

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Teclados

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Manúbrios da direita

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Manúbrios da esquerda

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Pisantes

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Tubos da pedaleira

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Pisantes

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Traseiras

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Placa de bênção e inauguração

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Vista do presbitério

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Órgão da Igreja Paroquial de Campo

Igreja Matriz de Sobrado

[ Igreja Paroquial ] [ Santo André ]

Igreja Matriz de Sobrado

Igreja Matriz de Sobrado

Dedicada a Santo André, a Igreja Matriz de Sobrado é um edifício de arquitetura religiosa de construção seiscentista (1671) de uma só nave e harmoniosa traça barroca. A maior parte do seu património é do séc. XVIII. Ostenta no seu interior azulejo decorativo e talha dourada que tornam este templo no expoente máximo do barroco no concelho de Valongo. O retábulo mor, feito num período de coexistência do barroco com o rococó, recebe duas bem conseguidas imagens de Santo André e de São Francisco de Assis. A sobrepujar o retábulo, há duas curiosas alegorias à Fé e à Esperança. De destaque é ainda o perfeito trabalho de talha do teto da capela-mor, que mais parecem bordados executados em madeira, onde se encontram representados desde aves a anjos músicos. A Ceia de Cristo, do famoso pintor Francisco José de Resende, é digna de destaque. A edificação da torre sineira é um projeto posterior, concluída somente em 1874. A casa paroquial de 1691 foi alvo de intervenções recentes. Na envolvente encontra-se um fontanário granítico também barroco. No Passal, onde existe um cruzeiro e um elemento escultórico dedicado aos Bugios e Mourisqueiros, é onde, no dia de S. João, decorrem as tradicionais Bugiadas e Mouriscadas.

Fonte: CMVV

Igreja Matriz de Valongo

[ Igreja Paroquial ] [ São Mamede ]

Igreja Matriz de Valongo

Igreja Matriz de Valongo

A Igreja Matriz de Valongo é um edifício de arquitetura religiosa. Com autorização régia a edificação iniciou-se, em 1794, com a ajuda de um imposto sobre bens alimentares, alargado, em 1796, à imposição de cinco reis sobre cada alqueire de trigo. Ainda em construção, em 1809, foi quartel das tropas invasores francesas. Já em 1823 teve a celebração da missa nova e, em 1837, na sacristia ocorreu a primeira reunião da vereação do concelho de Valongo, entretanto criado em 1836. De arquitetura neoclássica segue a traça da igreja da Lapa, Porto. A imponência da volumetria destaca-se na paisagem e no seu interior encontramos um excelente espólio de meados do séc. XIX. A decoração dos tetos engloba um interessante conjunto de pinturas com os evangelistas, na capela-mor, e emblemas marianos, na nave. Os altares neoclássicos foram concebidos para receber imagens dos mais conceituados imaginários, encarnadores e pintores da época, como João Baptista Ribeiro, João António Correia e Francisco José Resende. Nas imediações encontra-se a capela do Senhor dos Passos, que serviu de igreja paroquial, enquanto durou a construção da matriz.

Fonte: CMV

O coro alto construído sobre a entrada alberga um órgão de um teclado manual e pedaleira [ I+P ; 7 (2+2) ] construído por Peter Conacher & Co, em 1881, reparado pela Oficina e Escola de Organaria, de Pedro Guimarães e Beate von Rohden, com sede em Esmoriz, trabalho executado em 2011, opus 58.

Coro alto e órgão

Órgão da Igreja Matriz de Valongo

Órgão da Igreja Matriz de Valongo

Órgão no coro alto

Órgão da Igreja Matriz de Valongo

Órgão da Igreja Matriz de Valongo

Montra

Órgão da Igreja Matriz de Valongo

Órgão da Igreja Matriz de Valongo