Artigos

Rancho Caxineiro
Folclore em Vila do Conde

Grupos, tradições, bibliografia, discografia e atividades etnográficas no Concelho

  • Associação Cultural do Rancho Folclórico S. Martinho de Guilhabreu
  • Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Modivas
  • Grupo Folclórico dos Pescadores de Vila Chã
  • Grupo Folclórico Pescadores das Caxinas e Poça da Barca
  • Grupo Folclórico S. Salvador de Macieira da Maia
  • Rancho Danças e Cantares das Lavradeiras de Vila Chã
  • Rancho da Praça – Rendilheiras de Vila do Conde
  • Rancho da Praça – Rendilheiras de Vila do Conde (Infantil)
  • Rancho do Monte
  • Rancho do Monte (Infantil)
  • Rancho Etnográfico Santa Maria de Touguinha
  • Rancho Folclórico da ACRD Vairão
  • Rancho Folclórico da Associação Cultural e Desportiva de Mindelo
  • Rancho Folclórico da Casa do Povo de Retorta
  • Rancho Folclórico do Centro Social, Cultural e Recreativo Arvorense
  • Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de S. Pedro de Canidelo
  • Rancho Folclórico Trajes, Danças e Cantares de Rio Mau
Associação Cultural do Rancho Folclórico S. Martinho de Guilhabreu

Situado no concelho de Vila do Conde e região etnográfica do Douro Litoral, o Rancho Folclórico S. Martinho de Guilhabreu foi fundado em 2000.Mais tarde, passou a designar-se Associação Cultural. Em 1993 formou-se um grupo de jovens para a realização de festas escolares. Este grupo de carácter folclórico, fundou as bases do que viria a ser o Rancho Folclórico de São Martinho de Guilhabreu.

A Associação Cultural do Rancho Folclórico São Martinho de Guilhabreu procedeu a uma intensa pesquisa sobre os trajes típicos da região, passando pelas antigas casas de lavoura da freguesia. Pesquisa idêntica foi realizada para a recolha do repertório musical.

O rancho é constituído por 45 elementos, com idades entre os 6 e os 80 anos, incluindo dançarinos e tocadores. Registam-se danças como o vira de Guilhabreu, o malhão de entrada, o vira rasgado, o malhão das palmas, e o malhão velho, entre outros. Os instrumentos utilizados são o acordeão, a viola baixo, a viola braguesa e o cavaquinho.

Como trajes apresenta: lavradeira rica, de linho, de domingar, de criadas de servir, de vindima de montante, de jornaleiros do campo, de domingueiro. Entre os usos e costumes, destacam-se a desfolhada, a vindima, e trabalhar o linho.

Em representações nacionais, apresentou-se de Norte a Sul do País. É responsável pela realização anual de um festival folclórico de nível nacional.

Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Modivas

O Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Modivas é uma associação de natureza etnográfica do concelho de Vila do Conde, região do Douro Litoral.

GFDCM

Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Modivas

Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Modivas

Tocata

Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Modivas

Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Modivas

Tocata

Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Modivas

Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Modivas

Grupo Folclórico dos Pescadores das Caxinas e Poça da Barca

O Rancho Caxineiro, como o próprio nome indica, pertence a Caxinas lugar de Vila do Conde e foi fundado em 1955 nas festas de São João – Vila do Conde. Integrou-se na Associação Desportiva, Cultural e Recreativa das Caxinas e Poça da Barca em 1977. Já levou o nome de Caxinas a vários países da Europa (Itália, França, Espanha). Atuou na SIC em 2019. É também designado Grupo Folclórico Pescadores das Caxinas e Poça da Barca.

RC

Rancho Caxineiro

Rancho Caxineiro

Grupo Folclórico dos Pescadores de Vila Chã

O Grupo Folclórico dos Pescadores de Vila Chã, do concelho de Vila do Conde, região do Douro Litoral, é uma associação de natureza etnográfica que conta no seu historial com um disco editado.

Grupo Folclórico S. Salvador de Macieira da Maia

O Grupo Folclórico S. Salvador de Macieira foi fundado a 14 de janeiro de 1989, com o objetivo de divulgar o repertório de danças e cantares da região.

GFSSMM

Grupo Folclórico S. Salvador de Macieira da Maia

Grupo Folclórico S. Salvador de Macieira da Maia

Rancho Folclórico da Casa do Povo de Retorta

RFCPR

Rancho Folclórico da Casa do Povo de Retorta

Rancho Folclórico da Casa do Povo de Retorta

Rancho da Praça – Rendilheiras de Vila da Conde

RPRVC

Rancho da Praça - Rendilheiras de Vila do Conde

Rancho da Praça – Rendilheiras de Vila do Conde

Rancho Danças e Cantares das Lavradeiras de Vila Chã

Sediado no lugar de Malganhada, travessa do Coijo, na freguesia de Vila Chã, no concelho de Vila do Conde, o Rancho Danças e Cantares das Lavradeiras de Vila Chã é uma associação de natureza etnográfica constituída a 17 de março de 1988.

RDCMM

Rancho Danças e Cantares das Lavradeiras de Vila Chã

Rancho Danças e Cantares das Lavradeiras de Vila Chã

Grupo de Danças e Cantares de Vilar do Pinheiro

GDCVP

Grupo de Danças e Cantares de Vilar do Pinheiro

Grupo de Danças e Cantares de Vilar do Pinheiro

Rancho do Monte

RM

Rancho do Monte

Rancho do Monte

Rancho Etnográfico Santa Maria de Touguinha

O Rancho Etnográfico Santa Maria de Touguinha, do concelho de Vila do Conde, região do Douro Litoral, é uma associação de natureza etnográfica.

RESMT

Rancho Etnográfico Santa Maria de Touguinha

Rancho Etnográfico Santa Maria de Touguinha

Rancho Folclórico da ACRD Vairão

RFACRDV

Rancho Folclórico da ACRD Vairão

Rancho Folclórico da ACRD Vairão

Rancho Folclórico da Associação Cultural e Desportiva de Mindelo

O Rancho Folclórico da Associação Cultural e Desportiva de Mindelo, do concelho de Vila do Conde, região do Douro Litoral, é uma associação de natureza etnográfica.

Rancho Folclórico do Centro Social, Cultural e Recreativo Arvorense

Rancho Folclórico do Centro Social, Cultural e Recreativo Arvorense, do concelho de Vila do Conde, região do Douro Litoral, é uma associação de natureza etnográfica.

RFCSCRA

Rancho Folclórico do Centro Social, Cultural e Recreativo Arvorense

Rancho Folclórico do Centro Social, Cultural e Recreativo Arvorense

Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de S. Pedro de Canidelo

RFIJSPC

Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de S. Pedro de Canidelo

Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de S. Pedro de Canidelo

Rancho Folclórico Trajes, Danças e Cantares de Rio Mau

Sediado no lugar de Fontoura, freguesia de Rio Mau, no concelho de Vila do Conde, o Rancho Folclórico Trajes, Danças e Cantares de Rio Mau é uma associação de natureza etnográfica constituída a 15 de maio de 1987.

RFTDCRM

Rancho Folclórico Trajes, Danças e Cantares de Rio Mau

Rancho Folclórico Trajes, Danças e Cantares de Rio Mau

EVENTOS

Em 2019, ocorreu em Vila do Conde o VI Festival de Folclore Concelhio, durante três dias no Mercado Municipal. Na última sessão, a 1 de maio, contou com as atuações do Rancho Folclórico de Mindelo – ACDM, Grupo Folclórico dos Pescadores das Caxinas e Poça da Barca, Grupo Folclórico Infantil do Centro Social e Paroquial de Mindelo, Grupo Folclórico dos Pescadores de Vila Chã, Grupo de Danças e Cantares de Vilar do Pinheiro, Rancho Folclórico da Associação Cultural, Recreativa e Desportiva de Vairão, Rancho das Rendilheiras do Monte – Infantil e Rancho das Rendilheiras do Monte.

Na abertura, dia 29, atuaram o Grupo Folclórico S. Salvador de Macieira da Maia, Rancho Folclórico do Centro Social Arvorense, o Rancho Caxineiro, o Rancho Regional de Mindelo, o Rancho da Praça – Rendilheiras de Vila do Conde – Infantil e o Rancho da Praça – Rendilheiras de Vila do Conde.

O Festival prosseguiu no dia 30 com a apresentação do Rancho Etnográfico de Santa Maria de Touguinha, Rancho Folclórico S. Pedro de Canidelo, Rancho Folclórico São Martinho de Guilhabreu, Rancho Etnográfico Amigos da Borga da A.C.R. Tougues, Rancho, Danças e Cantares das Lavradeiras de Vila Chã, Rancho Folclórico S. Salvador de Árvore, Grupo Folclórico Danças e Cantares de Modivas e o Rancho Folclórico Trajes, Danças e Cantares de Rio Mau.

O Vereador do Associativismo, Pedro Gomes, felicitou o Grupo Folclórico S. Salvador de Macieira pela organização do evento, com o apoio da Câmara Municipal, bem como os grupos participantes, que proporcionaram uma bonita festa, demonstrando o vigor do movimento folclórico concelhio e o que muito se tem feito em prol dos usos, costumes e tradições das nossas populações.

Banda Musical de Vila do Conde

Filarmónicas do Concelho

Bandas de música, história e atividade no Concelho

[ Extinta ]

Banda Musical de Vila do Conde

Não se conhece a data da fundação da Banda Musical de Vila do Conde. Sabemos que já no século XVIII se nomeava, em sessão da Câmara Municipal, um mestre de música, que nada tinha a ver com os tangeres de órgão, nem de charameleiros que tocavam por ocasião das festas da responsabilidade do senado e a quem a Câmara pagava os serviços. Muitos foram os mestres de música da cidade, e em pleno século XIX, um galego, de nome Manuel Gonçalves Hermida, que para Vila do Conde se deslocou, no já distante ano de 1821, vindo da sua terra de S. Pedro de Levosende, ocupava o cargo de mestre de música da Vila.

Em 1882, foi criado o “Grémio artístico”, logo após denominado de “Sociedade artística Philarmónica Villacondense”. Esta sociedade comemorou ruidosamente o seu 6º. aniversário em 1888, com desuso brilho, engalanando o exterior da sede e iluminando-o, promovendo um baile e a atuação da Filarmónica no interior. Foi uma festa de gala a que se referiram os jornais de então. Com o decorrer dos anos, a banda de música sofreu vicissitudes, esteve parada, outras se formaram, mas sempre remanescentes da primitiva.

No ano de 1923, sentindo necessidade de haver em Vila do Conde, uma Banda Musical coesa e de qualidade, que oferecesse aos seus componentes uma determinada regalia e segurança, a direção dos Bombeiros Voluntários propôs que a banda existisse e fosse integrada nos quadros da Humanitária Associação, e a integração aconteceu. Em 1960, conquistou o 3º. Prémio num concurso organizado pela FNAT (Federação Nacional para a Alegria no Trabalho) que envolveu bandas musicais de todo o País. A Banda, por escritura pública de 13 de dezembro de 1982, adotou o nome de Banda Musical de Vila do Conde. A banda extinguiu-se por volta de 2012.

BMVC

Banda Musical de Vila do Conde

Banda Musical de Vila do Conde

David Oliveira, professor e compositor
Músicos naturais do Concelho de Vila do Conde

Projeto em desenvolvimento, o Musorbis aproxima os munícipes e os cidadãos do património musical e dos músicos do Concelho.

  • Aires Pinheiro (guitarra clássica)
  • Ana Cancela (flauta transversal)
  • Ana Cristina Ferreira (canto)
  • António José Oliveira (violoncelo)
  • Clara Saleiro (flauta transversal)
  • David Oliveira (professor, compositor, +2021)
  • Francisco Luis Vieira (oboé)
  • Júlio Galvão Dias (cravista)
  • Mafalda Nejmeddine (cravo)
  • Manuela Azevedo (cantora)
  • Márcio Silva (guitarra portuguesa)
  • Nuno Oliveira (piano)
  • Paulo Oliveira (piano, 1979)
  • Paulo Praça (músico)
  • Paulo Veiga (trompete)
  • Ricardo Araújo Rodrigues (saxofone)
  • Teresa Bento (piano)
  • Vasco Costa (piano/violino)

Aires Pinheiro

Aires Pinheiro, guitarrista, de Vila do Conde

Aires Pinheiro, guitarrista, de Vila do Conde

David Oliveira

David Oliveira, professor, foi um dos fundadores do Conservatório de Música de Vila do Conde. Ao longo da sua carreira docente, lecionou a disciplina de Canto Coral nos Liceus e a disciplina de Composição no Conservatório de Música de Porto. Posteriormente, dedicou-se ao ministério da disciplina de Educação Musical no 2º ciclo do ensino básico, para a qual ofereceu um contributo notável, através da elaboração de manuais de ensino, adotados por escolas de todo o País. No concelho de Vila do Conde, além da sua notória atividade enquanto Professor de Educação Musical na Escola Preparatória nº 1 de Vila do Conde – atual Escola Básica Frei João de Vila do Conde, foi um dos fundadores da Academia de Música de S. Pio X – atual Conservatório de Música de Vila do Conde, tendo paralelamente desempenhado funções como diretor do Coro da Igreja Matriz. Faleceu a 25 de maio de 2021.

David Oliveira, professor e compositor

David Oliveira, professor e compositor

Paralelamente à sua profissão como professor, desenvolveu também uma intensa atividade como compositor, com uma produção que aborda diversos estilos musicais, com ênfase na música coral, música para piano e orquestra sinfónica, explorando diversas correntes estéticas.

Paulo Oliveira

Paulo Oliveira (n. 1979) é um dos mais destacados pianistas portugueses da sua geração. Natural de Vila do Conde, iniciou os estudos musicais aos nove anos com Joaquim Bento. Seguidamente ingressou na Academia de Música de S. Pio X como bolseiro da Fundação Dr. Elias de Aguiar. Nesta instituição estudou com Margarida Almeida e Felipe Silvestre, tendo finalizado o Curso Complementar de Piano em 1998 com a classificação máxima. Posteriormente estudou com Tania Achot, concluindo o Curso Superior de Piano na Escola Superior de Música de Lisboa, uma vez mais com as mais altas classificações.

Continuou a sua formação com Sequeira Costa na Universidade do Kansas, com quem estudou durante quase uma década, herdando assim os mais fiéis conhecimentos da era dourada do piano, que o seu mestre tinha recebido directamente de Vianna da Motta, Mark Hamburg, Edwin Fischer, Marguerite Long e Jacques Février. Nesta universidade concluiu estudos de mestrado em 2005, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Posteriormente, em 2009 concluiu com distinção o seu doutoramento com uma bolsa de estudos da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Outros professores relevantes na sua formação foram Helena Sá e Costa, Luiz de Moura Castro, Andrei Diev, Vladimir Viardo, Vitaly Margulis, Aldo Ciccolini, Paul Badura-Skoda e Dmitri Bashkirov.

Foi distinguido com diversos prémios em concursos nacionais e internacionais, destacando-se o prémio que obteve no “Concurso Internacional de Piano Vianna da Motta,” o 1º prémio no “Concurso Internacional Bartók-Kabalevsky-Prokofiev,” o 2º prémio no “Concurso de Interpretação do Estoril | Prémio El Corte Inglés” e o 1º prémio no “Festival Jovens Pianistas 2010 – Prémio Chopin” – organizado pela Orquestra Metropolitana de Lisboa. Foi ainda vencedor da “Kansas University Symphony Orchestra Concerto Competition”. O duo que mantém com a violoncelista Teresa Valente Pereira foi premiado num recital realizado no “Palau de la Música Catalana” em Barcelona.

Paulo Oliveira tem-se apresentado a solo, com orquestra e em música de câmara em Portugal, Espanha, Andorra, Itália, França, Reino Unido, Polónia, Brasil, Estados Unidos da América, e gravou para a RDP – Antena 2, Radio France e Catalunya Ràdio.

Tocou a solo com a Orquestra Sinfónica da Universidade do Kansas, Orquestra Clássica de Espinho, Orquestra do Algarve, Orquestra do Norte, Orquestra Metropolitana de Lisboa e Orquestra Sinfónica Portuguesa, sob a direcção dos maestros Nicholas Uljanov, Steven McDonald, Pedro Neves, Ferreira Lobo, Cesário Costa e Daniel Klajner.

Paulo Oliveira concilia a sua actividade concertística com o ensino. Foi professor de piano no Conservatório Nacional e no Instituto Piaget. Actualmente integra o corpo docente da Academia de Música de Santa Cecília e da Academia Nacional Superior de Orquestra | Metropolitana. Tem sido regularmente convidado a orientar master classes no país e no estrangeiro, e integrou por diversas vezes júris de concursos internacionais de piano.

Paulo Oliveira, pianista, de Vila do Conde

Paulo Oliveira, pianista, de Vila do Conde, créditos Susana Neves

É membro fundador da actual delegação portuguesa da “EPTA – European Piano Teachers Association.”

Fonte: A informação sobre Ana Cancela, Ana Cristina Ferreira, António José Oliveira, Júlio Galvão Dias, Mafalda Nejmeddine, Márcio Silva, Nuno Oliveira, Paulo Veiga, Teresa Bento, Clara Saleiro, Francisco Luís Vieira, Vasco Costa e Ricardo Araújo Rodrigues foi fornecida por Aires Pinheiro.

Queres destacar-te? Clica AQUI.

Destaca-te na Musorbis

Destaca-te no Musorbis

Igreja de Santa Clara
Órgãos de tubos do concelho de Vila do Conde [6]

De acordo com as informações disponíveis, existem órgãos de tubos nas seguintes igrejas do Concelho:

Igreja da Misericórdia de Vila do Conde

Igreja da Misericórdia de Vila do Conde

Igreja da Misericórdia de Vila do Conde

Igreja de Santa Clara

Igreja de Santa Clara

Igreja de Santa Clara

A Igreja do antigo Convento de Santa Clara possui um órgão histórico da autoria de Francisco António Solha, construído em 1775, em tribuna própria.

Órgão em tribuna própria

Órgão da Igreja de Santa Clara

Órgão da Igreja de Santa Clara

Igreja de São Francisco

Igreja de São Francisco

Igreja de São Francisco

A Igreja de São Francisco, do convento de Nossa Senhora da Encarnação, possui um órgão histórico da autoria de Manuel de Sá Couto, construído em 1817. Foi reparado em 1988 por António Simões, a expensas da Venerável Ordem Terceira de São Francisco.

Igreja de Arcos

Igreja Matriz de Arcos

Igreja Matriz de Arcos

A Igreja Paroquial de Arcos possui no coro alto, sobre a entrada, um órgão positivo histórico.

Montra do Órgão

Órgão da Igreja Paroquial de Arcos

Órgão da Igreja Paroquial de Arcos

Igreja de Vairão

Igreja de Vairão

Igreja de Vairão

A Igreja do antigo Mosteiro de São Salvador de Vairão possui dois órgãos, um na nave, outro no coro alto.

Igreja Matriz de Vila do Conde

Igreja Matriz de Vila do Conde

Igreja Matriz de Vila do Conde

A Igreja Paroquial de São João Baptista de Vila do Conde possui um órgão histórico da autoria de Augusto Joaquim Claro, construído em 1908.