Artigos

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul
Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul

A igreja paroquial de Ul, concelho de Oliveira de Azeméis, alberga no coro alto um órgão Grenzing construído em 2013, de dois teclados manuais e pedaleira, e 13 registos, doação da SIMOLDES à paróquia.

Fachada da igreja

Igreja paroquial de Ul

Igreja paroquial de Ul

Perspetiva frontal

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, fachada

Órgão e teto do coro alto

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, fachada e lado esquerdo

Consola

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, consola

Consola com tampo dos manuais

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, consola

Placas do organeiro e do doador

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, placa do doador

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, placa do doador

Pedaleira

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, pedaleira

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, pedaleira

Perspetiva das traseiras e alçado lateral

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, traseiras e lado direito

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, traseiras e lado direito

Alçado lateral esquerdo

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, lado esquerdo

Órgão de tubos da igreja paroquial de Ul, lado esquerdo

Placa dos doadores à entrada da igreja

Igreja paroquial de Ul

Igreja paroquial de Ul

Órgão Grenzing da igreja matriz de Ul

De acordo com notícia da Agência Lusa, a freguesia de Ul, em Oliveira de Azeméis, começava a 14 de agosto de 2013 os festejos de Nossa Senhora Maior inaugurando a renovada Igreja Matriz e o seu novo órgão de tubos graças a uma doação de um milhão de euros.

O pároco Nuno Pereira explicou que a renovação sucedeu à aquisição do novo órgão de tubos: “como não tinha jeito nenhum ter um órgão tão valioso numa igreja com altares velhos e talha dourada estragada, decidimos restaurá-la. Depois, como tínhamos altares novos mas o resto da igreja não condizia, também quisemos recuperar o edifício e avançámos então com mais essas obras”.

O clérigo sublinhou que as obras, uma “aspiração antiga da comunidade” e só se tornou possível graças ao donativo de um milhão de euros por António da Silva Rodrigues – um empresário que, natural de Ul, “há 60 anos andava de carro de bois” e entretanto criou um dos maiores fabricantes de moldes da Europa.

Na recuperação do edifício da igreja terão sido gastos mais de 500.000 euros, aplicados sobretudo na recuperação das características primitivas do imóvel que, embora datado de finais do século XVIII, sofreu há cerca de 30 anos uma remodelação “com materiais muito pobres, que na época eram considerados uma boa opção mas se revelaram depois uma grande asneira”.

O pároco de Ul afirmou que o objetivo da empreitada atual foi “recuperar a beleza original da igreja”, o que não invalida que essa “mantenha as características contemporâneas exigidas pela mudança dos tempos e até pela evolução da liturgia”.

O restauro dos cinco altares do templo foi, por sua vez, conduzido pela Universidade Católica do Porto e implicou outros cerca de 300.000 euros, a que há que acrescentar ainda idêntico valor para pagamento do órgão de tubos concebido em Barcelona pelo mestre Gerhard Grenzing.

“O órgão tem um valor que era inatingível para a freguesia, se ela o quisesse financiar por si”, admitiu Nuno Pereira, sobre o instrumento com dois teclados e 13 registos.

No concerto de estreia, a execução esteve a cargo do francês Nicholas Roger, que foi o organista titular do Mosteiro de Arouca e ficou responsável pela supervisão do novo órgão de Ul. O organista começou a preparar a sua sucessão dirigindo em Loureiro a escola de organistas de onde deviam sair organistas para a paróquia vizinha.