Artigos

Igreja Matriz de Ovar
Órgãos de tubos do concelho de Ovar [4]

Além dos 4 órgãos de tubos existentes no Concelho, Ovar merece destaque pelo facto de em Esmoriz ter sede a Oficina e Escola de Organaria, de Pedro Guimarães e Beate von Rohden, que além da construção de pequenos órgãos já fez dezenas de restauros de órgãos históricos por todo o País. De acordo com as informações de que dispomos, os órgãos de tubos existentes no Concelho são os seguintes:

Igreja Matriz de Esmoriz

Igreja Matriz de Ovar

Igreja Matriz de Esmoriz

Edificada em 1892, Igreja Matriz de Esmoriz foi construída sobre as fundações do anterior templo e tem como atributo Nossa Senhora da Assunção. O seu estilo arquitectónico é semelhante às igrejas locais de linhas simples, com uma torre sineira à direita. No interior podemos encontrar o altar-mor com 4 colunas em espiral.

No coro alto, está situado um órgão de tubos da autoria de Augusto Joaquim Claro, executado em 1907, restaurado por António Simões, em 1991.

A Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Assunção de Esmoriz possui um órgão de tubos  da autoria de Augusto Joaquim Claro construído por volta de 1890, restaurado em 1991 por António Simões.

Igreja Matriz de Ovar

Igreja Matriz de Ovar

Igreja Matriz de Ovar

Com origens quinhentistas, a Igreja Matriz de Ovar é o único templo com três naves no concelho de Ovar e o mais antigo, seguindo uma tipologia medieval. Pertenceu ao Cabide da do Porto, o que justifica a interferência de artistas portuenses na elaboração do património artístico. No seu interior existem sete retábulos datáveis entre o século XVII e o século XX, destacando-se os dois colaterais de origens maneiristas e o imponente retábulo-mor de estilo rococó.

Fonte: CMO

A Igreja Paroquial de São Cristóvão de Ovar possui um órgão Bischop & Starr.

Órgão da Igreja Matriz de Ovar

Órgão da Igreja Matriz de Ovar

FOI NOTÍCIA

Uma das peças que mais dignificam o património artístico da Igreja Matriz de Ovar é o pequeno órgão de tubos que se encontra ao centro do coro alto, voltado para a nave central e que foi oferecido à Paróquia, em 1862, por António Ferreira Meneres (filho), um benemérito vareiro que viveu no Porto, onde se dedicava à exportação de vinhos generosos.

Para conhecimento dos nossos leitores e dos curiosos de antiguidades e de assuntos musicais, aqui registamos alguns pormenores históricos e técnicos desse órgão, fornecidos pelo Mestre-Organeiro Pedro Guimarães, de Esmoriz.

Trata-se de um instrumento inglês de meados do séc. XIX, da autoria de Bischop & Starr, como indica uma placa por cima do teclado e outra dentro da caixa de vento. Esta oficina de organaria construía também instrumentos para a Casa Real inglesa. O órgão sofreu, pelo menos, duas intervenções no século XX: em 1944, por Waldemar Ferreira Alves Moreira, e outra nos fins da década de 70, por Mário Santos, um antigo técnico organeiro de Braga então a residir em Ovar (na Ponte Nova).

Neste momento, o instrumento encontra-se ainda totalmente montado, não faltando nenhuma peça significativa. Olhando-o de relance, ressalta à nossa vista um conjunto de tubos denominado Principal de 8 pés, a partir de C2. O sistema de foles, original, encontra-se, em parte, por debaixo do banco do organista, sem ter sofrido alterações.

O órgão possui 1 manual com 54 notas e 6 puxadores (na caixa, frente ao banco), correspondendo 1+2 a M.D.+ M.E. e 3 registos inteiros, tendo como base um Flautado Principal de 12 (na fachada). Encontram-se 2 pisantes na consola para actuar os puxadores dos 4 e 2 pés.

De referir que este instrumento possui um registo inventado por esta oficina: Clarabella 8 pés, que é uma flauta de madeira em que a câmara-de-ar no lábio inferior não se encontra no pé do tubo mas na tampa do próprio lábio inferior.

Os materiais utilizados neste instrumento são pinho fino na caixa e nas partes da mecânica das notas, e mogno no Someiro; os tubos de metal são de uma liga de estanho e chumbo.

O sistema de vento é constituído por 1 fole paralelo com 2 pregas (interior e exterior) e 2 contrafoles, no seu estado original, faltando os pesos do fole. É accionado manualmente por uma alavanca (visível na gravura).

Pensa o referido técnico que este instrumento forma uma unidade e que não deverá ser alterado.

Para a sua recuperação deverão ser efectuados os seguintes trabalhos: Desmontagem, limpeza geral de todas as partes, colocação de peles novas nos foles e montagem de um ventilador eléctrico, reparação de toda a tubaria de forma a que se possa afinar e tenha estabilidade suficiente, e restauro do someiro e mecânica das notas e registos.

Tratando-se de um instrumento de construção sólida, bastante interessante, e que possui muitas características típicas do seu período de construção, vale a pena recuperá-lo.

Não haverá um ou vários mecenas que queiram dar vida a este órgão histórico, continuando a obra benemérita de António Ferreira Meneres (filho)?

ADENDA

Antes deste órgão, oferecido por António Ferreira Meneres e inaugurado em 14/10/1862, houve um outro órgão de tubos que, segundo o Padre Manuel Lírio, em “Monumentos e Instituições Religiosas de Ovar”, estava desmantelado nos meados do século XIX.

Manuel Pires Bastos, Jornal João Semana, 15 agosto 2000

Oficina e Escola de Organaria

órgão positivo  de um teclado manual [ I; (4+5) ] construído pela Oficina e Escola de Organaria, em 1995, opus 12.

órgão positivo de um teclado manual [ I; (4+5) ] construído pela Escola e Oficina de Organaria, em 1999, opus 29.