João da Cunha – “Fabricante de órgãos que havia em Lisboa pouco antes do terramoto. O cataclismo poucas lembranças deixou subsistir do seu trabalho; apenas conheço autenticamente dele o órgão de S. Paulo em Almada, que tem esta inscrição: João da Cunha o fez. 1748.” É um pequeno mas bom instrumento. Sei que ainda existem outros insignificantes em Lisboa e seus arredores. Na mesma época havia outro organeiro, Filippe da Cunha, talvez irmão, do qual há memória no órgão da Igreja paroquial de Belas, o qual tem inscrito: “Phelipe da Cunha o fez em Lisboa no anno de 1744.” (Ernesto Vieira)

Manuel Machado Teixeira – organeiro de Miranda, século XVIII, “natural de Braga, filho de um alfaiate, tendo aprendido a arte de organeiro na cidade natal. De um primeiro casamento, com Teresa Angélica Taborda, nascerá em 1731, aquele que viria a ser o notável escultor Joaquim Machado de Castro. Mais tarde, em segundas núpcias com Josefa Cerveira, após a morte da primeira esposa, nasce António Xavier que seguirá o ofício de organeiro, tornando-se um dos mais importantes, com cerca de cem instrumentos construídos, entre eles três dos órgãos da Basílica de Mafra.” (José Alberto Rodrigues)

Santuário – lugar consagrado pela religião. Pode ser uma capela, uma igreja, ou um espaço que engloba várias construções, para adoração, reunião, formação e culto. Há em Portugal diversos santuários com órgãos históricos ou modernos. O mais emblemático é o de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, um dos maiores lugares de peregrinação católica onde é possível escutar órgãos de diferentes dimensões, incluindo um grande órgão na basílica.

(António José Ferreira)

As origens da Academia de Música de Paços de Brandão (AMPB) remontam a 1870, data da fundação da Tuna, a “Estudantina”. Em 1970, com a comemoração do seu centenário, gerou-se um movimento de criação de uma Escola de Música, que veio a ser oficializada pela Inspeção Geral do Ensino Particular do Ministério da Educação em 1980.

Ateneu Comercial do Porto foi fundado a 29 de agosto de 1869. Dotado de magníficas instalações, dispõe de um salão nobre, polivalente, biblioteca, restaurante, bufete, bar, sala de visitas, salas de jogos e sala de leitura, para além das salas D. Luís e Dr. Uva. Por aqui passaram figuras de grande prestígio nacional e internacional, no domínio das letras, artes plásticas e cénicas, música, política e ciência.

Inaugurada a 1 de junho de 2001, a Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão é um teatro municipal que faz parte da Rede Nacional de Teatros e Cineteatros e é um centro de animação cultural e social da cidade.

Cineteatro Constantino Nery – Teatro Municipal representa um instrumento de grande importância na prossecução das políticas de desenvolvimento cultural definidas pela Câmara Municipal constituindo um espaço privilegiado de promoção e difusão de atividades culturais e artísticas.

Concurso Nacional de Canto Luísa Todi é uma competição de canto lírico idealizada e fundada pelo cantor e professor de canto do Conservatório Nacional, José Carlos Xavier, estando registada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial com o número Nº 451225.

Conservatório Municipal de Música e Dança de Bragança, que leciona desde 2004, permitiu aos alunos da Cidade frequentar o ensino oficial de música através do regime supletivo e articulado com uma escola de ensino regular. Em 2012 ampliou a sua oferta com a valência de dança num edifício novo.

EIMAD – Encontro de Investigação em Música, Artes e Design é organizado pela ESART, Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco, Portugal. EIMAD pretende ser um espaço para a discussão científica nas áreas do Design e da Música.