Vila Real e o seu folclore

Rancho Folclórico de São Domingos de Gravelos
Folclore em Vila Real

Grupos etnográficos, tradições e atividades no Concelho

  • Região: Trás-os-Montes e Alto Douro (Trás-os-Montes)
  • Distrito: Vila Real
  • Concelho: Vila Real

03 grupos

  • Grupo Etnográfico de Danças e Cantares “O Cantaréu”
  • Rancho Folclórico de São Domingos de Gravelos
  • Rancho Folclórico e Recreativo de Borbela
  • Rancho Folclórico Nossa Senhora do Carmo de Carro Queimado
Grupo Etnográfico de Danças e Cantares “O Cantaréu”

Fundada em 1979, a Associação “O Cantaréu” possui diversas valências, nomeadamente teatro, folclore, dança, canção e património cultural.

O grupo de folclore foi constituído em 1993 e é, atualmente, um dos grupos mais representativos da região de Trás-os-Montes.

Organiza anualmente um festival de folclore e um encontro de cantadores de janeiras.

A representação do Grupo Etnográfico de Danças e Cantares “O Cantaréu” passa pela recriação de quadros etnográficos, através dos quais representa as tradições das gentes de Vila Real.

O grupo é sócio efetivo da Federação do Folclore Português.

Rancho Folclórico de São Domingos de Gravelos

A Associação Cultural e Recreativa de São Domingos de Gravelos é uma coletividade que tem como finalidade: desenvolver e expandir a cultura e recreio. São atividades desenvolvidas pela Associação:

  • Cantares “Vozes do Alvão”
  • Grupo de Oração “GO”
  • Instrumentos (cavaquinho e viola)
  • Rancho Folclórico
Rancho Folclórico de São Domingos de Gravelos

Rancho Folclórico de São Domingos de Gravelos

Regadinho

Rancho Folclórico Nossa Senhora do Carmo de Carro Queimado

O Rancho Folclórico Nossa Senhora do Carmo de Carro Queimado foi fundado por um grupo de jovens entusiastas, ao qual deram o nome de Rancho Folclórico de Carro Queimado – Terras de Panóias. O projeto veio a extinguir-se em 1992, tendo ressurgido em 2004. Por se encontrar integrado no Centro Cultural de Nossa Senhora do Carmo, passou a designar-se Rancho Folclórico Nossa Senhora do Carmo de Carro Queimado.

Tem como principal objetivo manter vivas as tradições, os usos e costumes da região transmontana, assim como os trajes, as danças e os cantares. Inserido numa região onde predomina a agricultura, por isso é um grupo de trajes pobres, onde predomina o cotim e a chita.

As danças interpretadas pelo grupo são fruto da recolha efetuada junto dos mais idosos da aldeia de Carro Queimado e das aldeias limítrofes.