Filarmónicas de Vouzela

Bandas de Música, História e Atividades no Concelho

  • Banda Musical Vouzelense
  • Filarmónica Verdi Cambrense
  • Sociedade Musical, Cultura e Recreio de Paços de Vilharigues
  • Sociedade Musical de Moçâmedes
Banda Musical Vouzelense

Fundada em 1880, a Phylarmónica de Vouzela, como então se designava, terá atravessado períodos de maior ou menor atividade, reflexo das diferentes conjunturas históricas por que passou, nomeadamente, a implantação da República (1910) e a Iª Grande Guerra (1914-1918). Em 1926 terá entrado num período de quase inatividade para renascer em 1931 com novo fulgor e sob a designação de Sociedade Musical Vouzelense, ou Banda de Vouzela como mais tarde se veio a popularizar.

Obteve o 1º lugar no Concurso de Bandas Civis das Festas do Senhor de Matosinhos (1954), 2º lugar no IIº Grande Concurso de Bandas Civis (1970) e finalista do mesmo em 1971. Em 1995, atuou no Seixal; em 1997, no Encontro de Bandas em Palmela e II Encontro Ibérico em Tomar; em 1998, nas Festas da Cidade de Lisboa, deslocando-se também a Alcochete. Gravou para o programa “Jardim das Estrelas”, transmitido na RTP-I. Em 1999, tocou na Casa de Lafões em Lisboa e participou no Encontro de Bandas em Samora Correia. Em 2000, foi a Banda escolhida pela Câmara Municipal de Viseu, para fazer a receção ao Presidente da República, Jorge Sampaio, naquela cidade, aquando das comemorações do 10 de Junho e também convidada por aquela edilidade para participar na cerimónia do Encerramento dos Jogos Desportivos no Estádio do Fontelo.

No ano de 2000, deslocou-se a Espanha, Salamanca, para participar na Feira da Agricultura. Em 2001, esteve presente no encerramento do Encontro de Bandas em Pêro Pinheiro – Sintra, e em Outubro do mesmo ano no Programa “Sons de Outono”, levado a efeito em Muge, e promovido pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos. Em 2002, participou no Aniversário da Orquestra Ligeira da Cruz de Pau – Seixal. O Concerto do seu 72º Aniversário, deu origem a gravação, e posterior edição do seu 1º CD ao vivo. Em 2004, lançou o 2º CD ao vivo “Vouzela ao Vivo 2004”. Em 2005, deslocou-se ao Recife-Brasil, a convite do Consulado Português, onde efetuou 5 concertos no Recife e em João Pessoa. Em 2008, foi declarada Pessoa Colectiva de Utilidade Pública.

Conta com 55 elementos, sendo uma esmagadora maioria de jovens saídos da sua escola de música. Dirigida desde os primeiros tempos por Paulo de Figueiredo (1908), teve depois como continuadores o Mestre Póvoas, prof. Augusto Carvalho de Almeida e o Dr. Joaquim Pereira de Carvalho. Mais tarde, foi a vez do Tenente José de Sousa, seguindo-se Aníbal José Rodrigues, conhecido no mundo da Música como o “Carriço”. Martinho de Sousa Oliveira, Leonardo Vieira, Carlos Pereira e mais recentemente o Maestro João Fernando Silva, conduziram os destinos da Banda de Vouzela.

A Banda de Música possui e interpreta um repertório muito variado que passa pela música clássica, música ligeira, música popular, marchas e outras, não esquecendo a música litúrgica com que inúmeras vezes participa na celebração de atos de culto. A Sociedade Musical Vouzelense dispõe de uma escola de música, com uma média de 25 alunos, dos 6 aos 60 anos. O principal objetivo desta Escola é formar executantes para ingressarem na Banda de Música.

BMV

Banda Musical Vouzelense, janeiras no Palácio de Belém, 2019

Banda Musical Vouzelense, janeiras no Palácio de Belém, janeiro de 2019, créditos Rui Ochoa

Filarmónica Verdi Cambrense

A Banda de Cambra foi fundada em 1883 pelos irmãos Padre José João Rodrigues e José Rodrigues da Casa do Talho de Tourelhe. Por volta de 1910, passou a chamar-se Filarmónica Verdi Cambrense, em homenagem ao grande compositor italiano Giuseppe Verdi. A primeira direção foi constituída em 1954.

A sede foi inaugurada em 1979, graças à cedência do terreno pelo benemérito Augusto Pinheiro de Almeida e ao empenho de cambrenses bairristas com destaque para José Pereira de Carvalho e José Rodrigues.

Filarmónica Verdi Cambrense

Filarmónica Verdi Cambrense

Com obras de beneficiação ao longo dos tempos, a sede serve a Banda Filarmónica, a sua Escola de Música e a Banda Juvenil, e está sempre aberta às instituições locais para espetáculos que aí necessitem de realizar.

Sociedade Musical, Cultura e Recreio de Paços de Vilharigues

Fundada em 1928, a Sociedade Musical Cultura e Recreio de Paços de Vilharigues cresceu fruto da dedicação e do trabalho de tantos que ao longo de muitos anos souberam dignificar e dar-lhe nome. Foi na década de 20 que nasceu a ideia de fundar uma Banda de Música, abrilhantando a festa de Páscoa no ano de 1928. Na altura os conhecimentos musicais eram limitados, pelo que o Senhor Joaquim da Rocha Almeida (Morgado), seu primeiro Maestro, foi a S. Pedro do Sul aprofundar os conhecimentos de solfejo com  Álvaro Duarte. Assim aprendeu a arte de lidar com as partituras e ensinou aos demais aquilo que lhe havia sido transmitido.

Seguiu-se Augusto Carvalho de Almeida que, no início dos anos 1950, tomou conta da regência e aí permaneceu até à década de 1980. Foram 40 anos de dedicação e de entrega à filarmónica, projetando longe o nome da freguesia. Desde 2008, é o trombonista Cláudio Ferreira que conduz artisticamente a banda.

Sociedade Musical, Cultura e Recreio de Paços de Vilharigues

Sociedade Musical, Cultura e Recreio de Paços de Vilharigues

A SMCRPV tem em atividade uma Escola de Música gratuita, para jovens de ambos que queiram aprender música, nomeadamente instrumentos de sopro e percussão.

Sociedade Musical de Moçâmedes

Sediada em S. Miguel do Mato, Vouzela, a Sociedade Musical de Moçâmedes é uma associação a fins não lucrativos que tem um grupo coral e uma banda filarmónica.

Sociedade Musical de Moçâmedes

Sociedade Musical de Moçâmedes

A Sociedade Musical de Moçâmedes teve início em 1875 com a família Oliveira, que residia na freguesia. Os primeiros executantes eram todos elementos da família, da qual saiu um dos primeiros maestros, António Oliveira, que conduziu os destinos da Filarmónica durante cerca de 50 anos. Nesta altura atingiu cerca de 40 músicos executantes, tendo sido o seu repertório de uma grande variedade musical como também a sua execução de qualidade.

Ainda fazem parte do repertório da Banda, algumas composições feitas pelo antigo maestro, das quais algumas são executadas por outras bandas da região.

Por volta dos anos 1930 e 1940, a Banda associou-se à antiga Legião Portuguesa e, de acordo com alguns testemunhos, consta que vestia nesta altura a mesma farda.

Com a morte do maestro, sucedeu-lhe Fernando Figueiredo, residente na vila de São Pedro do Sul. Este esteve somente 4 anos ao serviço desta Banda, até à morte. É nesta época que começaram a surgir as grandes dificuldades na contratação de novo maestro. A direção desta Filarmónica dirigiu-se então ao pároco de São Miguel do Mato, Abade António Oliveira e Silva, que a regeu durante alguns anos.

Por idade e trabalho intenso, o padre foi substituído por um dos melhores executantes, Evaristo Ferreira de Sousa, natural de Caria de São Miguel do Mato, que foi maestro durante algum tempo.

Durante todos estes anos a formação de novos músicos era feita um pouco desordenadamente por alguns dos executantes, não existindo uma escola de música.

Com a impossibilidade do maestro Evaristo, sucedeu-lhe Manuel Soares Cravo, natural de Vilar de São Miguel do Mato, que esteve vários anos na regência da Filarmónica.

Com a sua morte, ficou esta Banda sem maestro por algum tempo. Nesta altura, graças ao trabalho de alguns executantes como Manuel Fernandes Gomes, a Banda manteve-se no ativo. Mais tarde outros elementos prosseguiram o trabalho. Foi então convidado em 1996, para maestro, José Meneses Rocha, natural de Caria de São Miguel do Mato, que também pela primeira vez na história desta Banda criou uma Escola de Música, que forma músicos para integrarem a Sociedade Musical de Moçâmedes.

Fazem parte da Escola de Música desta associação cerca de 18 alunos. Desde 1996 largas dezenas de alunos passaram pela Escola, tendo alguns deles integrado a Banda. Embora muitos alunos não se tenham tornado músicos executantes, receberam aqui formação que será sempre proveitosa para o seu desenvolvimento pessoal.

Para além do ensino da música tem-se feito uma recuperação (em termos informáticos) de velhas músicas executadas pela Banda como também da divulgação da Sociedade Musical de Moçâmedes através da Internet, graças ao trabalho de um dos executantes, Luís Matos.

Foi um marco histórico na vida desta Banda a aquisição de sede própria, inaugurada em 2007. Para além de todo este trabalho, a gestão administrativa desta Banda tem vindo a melhorar substancialmente graças à sua direção liderada pelo atual presidente  Fernando Marques.

Fazem parte desta Filarmónica 35 músicos executantes na sua maioria jovens. Com os apoios da Câmara Municipal, Ministério da Cultura e INATEL, têm-se adquirido novos instrumentos, que melhoraram substancialmente a qualidade sonora da Banda.

Sociedade Musical de Moçâmedes

Sociedade Musical de Moçâmedes