Banda Musical de Carvalheira, de Terras de Bouro

Filarmónicas de Terras de Bouro

Bandas de Música, História e Atividades no Concelho

Banda Filarmónica de Santa Maria de Bouro

A Banda Filarmónica de Santa Maria de Bouro nasceu à sombra do Convento Cisterciense, hoje pousada da ENATUR. As primeiras notas de música aprenderam-nas os jovens apaixonados nas aulas do Padre António Carlos Pereira. Fundou a Banda e foi seu primeiro Regente Manuel José da Silva Fecha, em 1858. Pelo número de peças musicais em arquivo com a assinatura do Fundador, apercebemo-nos do investimento feito na Banda durante a sua regência. Não há notícia da presença do padre António Carlos Pereira em Bouro, a serviço da Banda, mas não repugna que ele tenha estado presente na sua formação, até porque para ali seria frequentemente chamado para fazer pregações e solenizar atos do culto religioso.

O Padre Francisco de Almeida, republicano nascido em Bouro em 1880, fala-nos assim do seu professor primário, que viria a substituir em 1928: “Manuel Gomes Ferreira foi colocado nesta escola por concurso e dedicava-se também à arte musical. Como em Bouro havia Filarmónica, logo tratou de se inscrever como componente da Banda de Música. No Verão, principalmente aos Domingos, sempre se lhe oferecera oportunidade de, à custa de duas clarinetadas, angariar mais uns tostões”. Esta referência mostra-nos o interesse e a pujança desta Banda nos finais do século XIX e princípios do século XX. É possível que este professor também tenha ensinado música a alguns alunos seus.

Um regulamento de 1940, assinado por José Maria de Sousa, natural de Santa Marta, diz que este foi convidado pelos componentes da Banda para assumir a gerência da mesma. Pede-se humildade e respeito aos seus superiores. Seja qual for o estado do tempo, exige-se a comparência no local da festa ou ensaio. A primeira falta é multada com 5$00, a segunda com 10 e a terceira com a expulsão. Qualquer falta de respeito nos lugares religiosos não tinha direito a desculpa. Assinaram, em anexo, este convite de gerência o 1º Baixo Manuel José Gonçalves Laranjeira, o 1º Trombone António Joaquim de Sousa Amorim, o 2º Trombone João de Deus Gomes, o 1º Barítono Victor Manuel Arantes, o 2º Barítono Bernardino Quelhas, o 2º Cornetim Manuel Cantelães, o 1º Clarinete Adriano Pinheiro Dantas, o Bombo Horácio dos Santos Ribeiro, o Tarola Arlindo Manuel Arantes, e o homem dos Pratos Ermério Pereira Carneiro. Pela lista apresentada do instrumental, seria de 17 o total dos componentes da Banda.

Até 1963, a Banda de Bouro prestou um contributo notável à cultura popular e religiosa, sobretudo no Distrito de Braga. A sua presença era usual nas festas de S. João de Braga. Mas as romarias da Senhora da Abadia, de S. Bento da Porta Aberta e da Senhora do Porto d’Ave eram palco contínuo das suas atuações. O Sargento António Ribeiro, também compositor, natural de Bouro, nas suas “Memórias”, diz-nos que enquanto ia esperando pela idade de ir para a tropa aprendeu música em clarinete, e ao fim de um ano estava apto a tomar parte nas festas com a Banda de Bouro. Isto em 1933. Relata-nos que a Banda executou em 1934 em Gualtar “O Rancho Grande” além de músicas populares e rapsódias.

Dois regentes foram notáveis no período que antecedeu a letargia da Banda, em 1963: Francisco Arantes e Artur José Soares. Este último tomou conta da Banda em 1938, tirando-a do caos em que a tinha o Regente Francisco Manuel Arantes, que a abandonou e foi viver para casa de uma filha, em Porto de Ave. Artur Soares acedeu ao pedido de alguns músicos mais disciplinados como Adelino Afonso e Belizário José da Silva, continuando, todavia, como músico da Banda de Amares, com seus filhos Manuel e António. Até conseguir correção e prestígio para a Banda de Bouro. Mas o mesmo Artur Soares interrompeu a atividade da Banda em Abril de 1967, por não ter podido resistir à indisciplina.

Dá-nos notícia de vários pormenores desta Banda Manuel José Capela, no seu livro “Bandas Filarmónicas”. O período de forte emigração contribuiu para o abandono da Banda, assim como o regresso ajudou à sua reconstrução. Os músicos dispersaram-se pelas bandas vizinhas, principalmente Carvalheira e Vilarchão. Correspondendo a um anseio popular, José Amorim, Carlos Machado e João Baptista da Silva reativaram a Banda em 1999. Edmundo Soares ensinou novos músicos e regeu a Banda. Nascido na Banda de Bouro, passou muito tempo em Angola ligado à música e regressou à terra natal após a regência da Banda de Vilarandelo.

BMSMB

Banda Filarmónica de Santa Maria de Bouro

Banda Filarmónica de Santa Maria de Bouro

A Banda Filarmónica de Santa Maria de Bouro esteve, em 2003, no Festival da Carregueira, Chamusca. Em 2005 e 2007, participou no Festival Internacional de Bandas Filarmónicas da Cidade de Tomar. Em 2006 participou no 1º Concurso de Bandas Filarmónicas do Ateneu Vilafranquense em Vila Franca de Xira. Ainda em 2007, esteve presente no Festival de Vila Nova de Poiares. Para ajudar a refazer as memórias de Bouro, todos os anos oferece ao grande público o seu próprio Festival. A estabilidade musical da Banda de Santa Maria de Bouro foi conseguida pelo Maestro Joaquim Vidal Santos, licenciado pela Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (Porto), Mestrado em Estudos Músico-Teatrais – vertentente de Direção pela Universidade de Sheffield, Inglaterra. Um vasto património musical permanece em arquivo. Boa parte do velho instrumental em afinação brilhante figurará no futuro museu. Novo instrumental foi adquirido graças a sócios e benfeitores.

Banda Musical de Carvalheira

A Música de Carvalheira teve origem numa Tuna ou Orquestra de Capela organizada pelo Padre António José Correia, na Casa do Tomé, no lugar de Ervedeiros, freguesia de São Paio de Carvalheira, concelho de Terras de Bouro, no ano de 1839. Nunca interrompeu a atividade musical, tendo solenizado inúmeros atos religiosos e animando arraiais, festas e romarias em centenas de aldeias, vilas e cidades espalhadas pelo Alto e Baixo Minho, Douro Litoral, Trás-os-Montes, Beira Baixa, Porto Santo (Madeira), Galiza (Espanha) e Auvergne (França), tendo ainda participado em inúmeras receções oficiais de entidades civis, militares e religiosas nas suas visitas à freguesia de Carvalheira e ao concelho de Terras de Bouro.

BMC

Banda Musical de Carvalheira, de Terras de Bouro

Banda Musical de Carvalheira, de Terras de Bouro

Durante os primeiros anos da sua existência, este agrupamento musical era conhecido por Orquestra ou Música do Padre do Tomé. Em 1865/66, começou a usar o nome de Música de Carvalheira. Anos mais tarde, passa a denominar-se Banda de Música de Carvalheira e, com a oficialização dos seus estatutos, adotou o nome de Banda Musical de Carvalheira. É composta por cerca de cinco dezenas de músicos amadores com idades entre os dez e os oitenta e três anos e encontra-se filiada na Federação Regional de Bandas Filarmónicas do Minho, da qual foi fundadora.

FOI NOTÍCIA

Em 2015, a Banda Musical de Carvalheira assinalava, conforme anunciado no portal do Município, as comemorações do Dia da Banda, com o V Festival de Bandas Filarmónicas Carvalheira / Terras de Bouro, evento que se realizaria a 1 de novembro na Basílica de S. Bento da Porta Aberta, e na Igreja de Moimenta, na sede do concelho. No âmbito do processo de intercâmbio com a Orchestre d’Harmomie, esta banda francesa de Clermont-Ferrand era a convidada do festival de bandas a par da Banda Musical de Carvalheira.

Banda de Música de Covas

Manuel José Capela, na obra “Bandas Filarmónicas”, edição da Banda de Música de Carvalheira, 2001, informa que a banda “tocou ao despique” com variadíssimas bandas da região e atuou, como reconhecimento da sua categoria, nas Festas de S. João, em Braga, em 1931. Segundo o autor, a Banda de Música de Covas extinguiu-se “devido a rivalidades entre alguns dos seus componentes (especialmente entre os senhores Adolfo e Aires – mestres sapateiros na localidade) e desentendimento do Maestro Joaquim Viana com alguns dos elementos da dita Música. O senhor Viana foi para Regente da Música da Feira Nova (Amares) e o senhor José Pereira foi para executante da Banda de Vila Verde.”

Segundo testemunho do pai do blogue pass’arão, acresce outro motivo: faziam parte de banda vários músicos de Valbom (S. Pedro e S. Martinho) e foi precisamente nessa época que houve um grande surto de emigração, sobretudo para o Brasil, América e, naturalmente, para a Europa. A banda ficou, por esse facto, muito desfalcada e, pouco motivada pelas desavenças intestinas, acabaria por extinguir-se.

BMC

Banda Musical de Covas, extinta, de Terras de Bouro

Banda Musical de Covas, extinta, de Terras de Bouro