Rancho Folclórico da Casa do Povo de Boliqueime
Folclore em Loulé

Grupos Etnográficos, Tradições e Atividades no Concelho

  • Região: Algarve
  • Distrito: Faro
  • Concelho: Loulé

03 grupos

  • Grupo Etnográfico da Serra do Caldeirão – Cortelha
  • Rancho Folclórico da Casa do Povo de Boliqueime
  • Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de Loulé
Grupo Etnográfico da Serra do Caldeirão – Cortelha

O Grupo Etnográfico da Serra do Caldeirão – Cortelha foi fundado em 2003, na aldeia da Cortelha, freguesia de Salir, concelho de Loulé. O principal objetivo do grupo é dinamizar e promover os usos e costumes do interior algarvio. Para aprofundar o seu estudo aquando da criação efetuou um vasto trabalho de pesquisa e recolha junto das pessoas mais idosas da região, quer de letras e músicas, quer de trajes da zona serrana, que diferem daqueles do Algarve mais litoral.

Sendo este um grupo em que todos os pares representam várias profissões que ao longo do tempo foram o suporte económico desta zona rural, destaca-se entre os diversos ofícios o tirador de cortiça, a padeira, o moleiro, o ceifeiro, o pastor e a queijeira, sendo que todos eles trajam a rigor e fazem-se acompanhar de todos os utensílios que antigamente cada profissão utilizava, de referir ainda os lavradores abastados, os noivos e os montanheiros.

O Grupo Etnográfico da Serra do Caldeirão – Cortelha é constituído por cerca de 60 elementos, com idades entre os 5 e os 75 anos, que procuram apresentar uma retrospetiva etnográfica representando as diversas atividades económicas que eram o sustento da região. As suas atuações são compostas essencialmente por Bailes de Roda, Corridinhos e Picadinhos.

Empenhado em divulgar as tradições e o nome do Algarve, o grupo é filiado na Fundação INATEL tendo participado em vários festivais de folclore nacionais, mas também internacionais, de realçar, entre muitas, a deslocação a França, a Espanha e à Hungria.

GESC

Grupo Etnográfico da Serra do Caldeirão - Cortelha

Grupo Etnográfico da Serra do Caldeirão – Cortelha

Rancho Folclórico da Casa do Povo de Boliqueime

O Rancho Folclórico de Boliqueime foi fundado em 10 de Junho de 1984. Depois de muitos anos de sucesso a nível regional e nacional teve algum tempo de desativação.

Durante a passagem do milénio, um grupo de pessoas de Boliqueime juntou-se para voltar a recriar um dos grandes símbolos da freguesia, o Rancho Folclórico. Com a ajuda de uma nova coletividade (Associação Cultural) foi possível o renascimento do Rancho de Boliqueime, um dos grandes orgulhos das gentes da terra.

O Rancho tem participado em festivais de folclore de Norte a Sul do País e Europa. O Rancho Folclórico da Casa do Povo de Boliqueime conta com um vasto repertório de danças e cantares, de trajos e instrumentos, que fazem parte de um rico espólio. Muita dessa riqueza deve-se a um trabalho intenso, feito ao longo dos anos. Foi realizado um trabalho de recolha de trajos, alfaias agrícolas e caseiras, usos, costumes, gastronomia, bruxaria, danças e cantares desta região algarvia.

Apresenta trajes de noivos, lavradores, abastados, religiosos, moças casadoiras, destacam-se sobretudo os trajos de trabalho rural na apanha dos frutos secos, alfarrobas, amêndoas e figos, o de ceifeiros e os de trabalho caseiro na confeção do pão e da empreita, artesanato típico da zona.

Também nas danças, para além de balhos de roda e em cadeado, o Corrido e o Balho de Gana, há a destacar o Balho Teso, pois era com ele que se acabavam todos os bailes de salão da terra. O acordeonista, já cansado de tocar toda a noite, rompia com uma música rápida (um corrido) e a dança começava mais violenta. As raparigas tinham de fugir para junto das mães e os rapazes continuavam barqueando-se para ver qual o mais forte.

RFCPB

Rancho Folclórico da Casa do Povo de Boliqueime

Rancho Folclórico da Casa do Povo de Boliqueime

Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de Loulé

Criado em 1977, o Rancho Folclórico e Juvenil de Loulé interpreta danças e cantares do Concelho de Loulé, nomeadamente da zona serrana de Alte, a aldeia algarvia mais portuguesa, classificada nos primeiros lugares nos concursos das Aldeias Mais Portuguesas em 1938, data em que foram feitas as primeiras recolhas e se formou o Rancho-Mãe, considerado o mais genuíno do Algarve.

A idade dos seus componentes varia entre os 4 e os 12 anos. Dos 12 anos em diante formaram a tocata e o coro. Os mais velhos fazem parte da direção do Rancho.

A tocata é constituída por instrumentos como os ferrinhos, o acordeão, a pandeireta e as castanholas.

Usam trajes típicos da zona serrana algarvia que em tempos antigos eram envergados em Festas, arraiais, casamentos e festas religiosas.

As danças mais características são o corridinho, o baile de roda mandado e os bailes de roda com a muito conhecida “Ti Anica de Loulé”.

O fundador foi Fernando Correia Soares com currículo na área do Folclore, já que havia fundado um Rancho Folclórico em Moçambique, foi convidado para formar um Rancho Infantil em Loulé o qual surgiu em 1977.

O Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de Loulé foi orientado durante 32 anos por Fernando Soares. Em 1997, a Câmara Municipal de Loulé decidiu homenagear este grupo com a atribuição da Medalha Municipal de Mérito – grau prata.

Grupo Folclórico Infantil e Juvenil de Loulé

Grupo Folclórico Infantil e Juvenil de Loulé